quarta-feira, 26 de abril de 2017

FESTIVAL SANTOS DA CASA COMEMORA 25 ANOS DO PROGRAMA COM O MESMO NOME

 
O Santos da Casa, programa de música portuguesa da Rádio Universidade de Coimbra, que vai para o ar todos os dias entre as 19 e as 20h, em 107.9 ou www.ruc.fm, festeja em 2017 as suas bodas de prata. Tal como Amália Rodrigues também eles não sabem qual o dia do seu nascimento. Porque a RUC faz anos a 1 de março, a dupla que "aguenta" os Santos da Casa (Fausto da Silva e Nuno Ávila), convencionou ser esse o dia do nascimento do programa.Por isso em 2017, a 19.ª edição do Festival Santos da Casa, tem muito mais significado, ao assinalar tão importante data. Os propósitos continuam a ser os mesmos. Mostrar em palco, bandas e artistas que regularmente são divulgados no programa e no blog. Continuar a trazer à cidade, artistas que nunca por aqui mostraram o seu talento. Sempre que possível apadrinhar o nascimento de novas bandas e apresentar novos espaços para a realização de concertos e debates.

19 é um número que nos enche de orgulho. Perceber a quantidade de horas que "oferecemos" de música à cidade, chega a dar-nos um arrepio na espinha. Mas acima de tudo, uma vontade enorme de continuar a trazer a Coimbra alguns dos projetos que todos os dias divulgamos e em que acreditamos.

E cá estamos de volta com o Festival Santos da Casa, no ano em que o programa da RUC com o mesmo nome chega às 25 primaveras. Por isso de 25 de março a 25 de abril vamos encher a cidade de música.


Sempre foi esse o nosso fito, tentar provar a todos que existem boas bandas para ver e ouvir.

Começámos quando a rádio fazia 13 anos com 13 bandas a tocar no antigo auditório Salgado Zenha na AAC. Concertos transmitidos em direto no programa. Algumas bandas a terminarem o ensaio de som já com o indicativo do programa no ar. Uma saudável pilha de nervos para todos`

Mas o bicho ficou cá dentro a roer e nunca mais parámos de organizar coisas. E é o que se vê.

Depois, enquanto o Le Son foi vivo, fizemos desse espaço a moradia do Festival. Assim que ele fechou portas, o Festival Santos da Casa tornou-se nómada e tomou de assalto todos os espaços da cidade onde era possível mostrar som. O corredor e terraço da nossa RUC, o Museu dos Transportes, o àCapella, a FNAC, a Via Latina, a Galeria Santa Clara, o Ar D’Rato, o Arte à Parte, o Salão Brazil, o States, o CITAC, o TEUC, o Aqui Base Tango, o Auditório do Conservatório de Coimbra e o Teatro Loucomotiva em Taveiro e o Café Santa Cruz foram alguns dos espaços que acolheram as bandas por nós escolhidas. Este ano estreamos um espaço que para já está no segredo dos Deuses. Esta itinerância tornou-se marca da casa.
Bandas? Tantas e sempre tão boas. Por isso as escolhemos. Muitas estreias, que com orgulho nosso se tornaram em certezas. Muitos grupos a regressarem a Coimbra para comprovar o seu talento. Algumas noites com casas de respeito.

Destaques? É sempre ingrato. Todos merecem o nosso carinho e admiração. Contudo, se vos falarmos de A Naifa, Paus, Anaquim (que tocaram pela primeira vez na vida no nosso Festival), [F.E.V.E.R.]. Sam The Kid, Linda Martini, Dealema, B Fachada, Capicua, Dead Combo, Samuel Úria e Ermo, Balla e D’Alva, os outros nos desculparão. Mas todos eles nos encheram as medidas e se tornaram amigos do peito.

Nestes últimos anos temos alargado o nosso campo de ação. Não só os concertos fazem parte da agenda. Temos tido agradáveis conversas sobre música e já projetámos som na tela.

Se nos perguntam se continua a ser válido mostrar em palco alguns dos sons que divulgamos no nosso programa, blog e facebook, dizemos sem pestanejar que sim. Existem por aí muitas bandas a valerem este nosso esforço.

Este ano a festa volta a ser grande. Vão ser noites memoráveis com um naipe de bandas e artistas que nos enchem de vaidade.

Por isso, contamos com todos. O público é sem dúvida o prato forte deste festival. A vocês pedimos que apareçam para ver novas bandas ou daqui a uns meses lamentar-se-ão por terem deixado escapar um nome que poderiam ter visto quase em primeira mão.
HISTÓRICO - FESTIVAL SANTOS DA CASA

2016-2014

AMBAR . ANA CLÁUDIA . BALLA . BEST YOUTH . BRUNO PATO . BÚSSOLA . CACHUPA PSICADÉLICA . COELHO RADIOACTIVO . D’ALVA . d3ö . DALLA MARTA . EVOLS . FAZENDA . FIRST BREATH AFTER COMA . FLÁVIO TORRES . GOLDEN SLUMBERS . HOMEM EM CATARSE . JOÃO E A SOMBRA . KEEP RAZORS SHARP . LES CRAZY COCONUTS . MANCINES . MARAFONA . MILA DORES . MOONSHINERS . MPLUS . PEDRO ESTEVES . PEIXE:AVIÃO . SURMA . TNT . UM CORPO ESTRANHO

2013-2011

AVA INFERI . CAPICUA . CINEMUERTE . CORSAGE . COSIE CHERIE .DEAR TELEPHONE . ERMO . FAST EDDIE NELSON . GODVLAD . LA CHANSON NOIRE . LAIA .LOUSY GURU . LUÍS FOLGADO E OS DESAVINDOS . NEW KIND OF MAMBO . NICE WEATHER FOR DUCKS . NORTON . O MARTIM . ONE MAN HAND . PE7ERPANIC . RUZE SOLDADO ZERU . SALTO . SOMEWHERE IN BETWEEN (A JIGSAW + BIRDS ARE INDIE) . STEREOBOY . SWINGING RABBITS . TALES FOR THE UNSPOKEN . THE ASTROBOY . THE BALLARD POND . THE BLACK TURBO . THE CARPETS. THE FISHTAILS . THEE CHARGERS . TÓ TRIPS . VITORINO VOADOR

2010-2008

ANAQUIM . AS 3 MARIAS . B FACHADA . BIZARRA LOCOMOTIVA . DAILY MISCONCEPTIONS . DEAD COMBO . DEALEMA . DJ RIDE . ELECTRIC WILLOW . FITACOLA . GAZUA . INTERM.ISSION . MILLION DOLLAR LIPS . NERVE . PAUS . SAMUEL ÚRIA . THE ALPHABETS . THE AMAZING FLYING PONY . THE GUYS FROM THE CARAVAN . YOU CAN’T WIN, CHARLIE BROWN

2007-2005

A NAIFA . BORN A LION . D3o . DANCE DAMAGE . DEFYING CONTROL. [F.E.V.E.R.] . HIENA . LINDA MARTINI . OCP . OLD JERUSALEM . PHOEBUS .SECRECY . TATSUMAKI . THE OTHER SIDE . THE ULTIMATE ARCHITECTS . THE UNPLAYABLE SOFA GUITAR . THE VICIOUS FIVE . THE WAGE . U-CLIC

2004-2002

A JIGSAW . ABSTRAKT CIRCLE . BILDMEISTER . BUNNYRANCH . BYPASS . CHULLAGE . FADOMORSE . GOMO . HAND PUPPETS . LOTO . NUNO,NICO . OVO .POLAROID . SAM THE KID . TV RURAL . TWILIGHT GARDEN

2001 - 1999

ALIEN PICNIC . AMERICAN ARE DANGEROUS . BODHI . BIGO . CARBON H . CAVE CANEM . CHOP SOY . COLLENS COLLEGE . FAT FREDDY . FULL DAMAGE . HAND PUPPETS . HORNET . HOUDINI BLUES . HUCKLEBERRY FINN . JAGUAR . JOANE E O AMENDOIM SALTITANTE . KUBIK . MADAME GODARD . MORTUARY . OVERBLISS . PLASTICINE. SQUEEZE THEEZE PLEEZE . TÉDIO BOYS . TU METES NOJO . ÜBBER MANNIKINS . UNDERBELLY

conversas

AFONSO BASTOS . ANDRÉ TENTUGAL . ANTÓNIO FERREIRA . ANTÓNIO MANUEL ALMEIDA . ANTÓNIO MANUEL RIBEIRO . ANTÓNIO OLAIO . EDUARDO MORAIS . HUGO FERREIRA . JOANA FONSECA . JOÃO PEDRO COIMBRA .JORGE COELHO . LARA FIGUEIREDO . LUÍS ANTERO . LUÍS PEDRO MADEIRA . LUÍS SILVA DO Ó . MIRO VAZ . NUNO CALADO . PAULO FURTADO . PEDRO MEDEIROS . PEDRO VINDEIRINHO . RITA MOREIRA . RODRIGO AREIAS . RUI DINIS . RUI EDUARDO PAES . RUI M LEAL . TIAGO PEREIRA . VASCO MENDES . VERA MARMELO

terça-feira, 25 de abril de 2017

FESTIVAL SANTOS DA CASA - 5.ª SEMANA












Sweet Nico
21 de abril - 19h00
Corredor RUC
Entrada livreTransmissão radiofónica

Sweet Nico é um projecto que vem de Lisboa, que começou no final de Setembro de 2015. Formado por Marisa da Anunciação em letras e vozes e David Francisco na guitarra e produção.

Tem um som doce, indie, dream pop, que nos traz ao universo cinematográfico de um filme de Andy Warhol nos anos 60.

















O Gajo + Mostra de Editoras Independentes + Conversa Sobre a Edição Alternativa + Dj set Santos da Casa 22 de abril
Aqui Base Tango - a partir das 16hoo
Entrada livre
16h00

Mostra de editoras independentes com banca de venda de discos e outras peças.

Lux Records
https://www.facebook.com/Lux-Records-146155128817460/

Omnichord Records
https://www.facebook.com/Omnichordrecords/?fref=ts

Pataca Discos  
https://www.facebook.com/patacadiscos/?fref=ts
http://patacadiscos.pt/pt/

Lovers & Lollypops
https://www.facebook.com/loversandlollypops/?fref=ts
http://www.loversandlollypops.net/

Rastilho Records
https://www.facebook.com/rastilhorecords/?fref=ts
http://www.rastilhorecords.com/en/

17h00
O Gajo

O Gajo é um viajante e a Viola Campaniça é o seu meio de transporte.

Numa viagem que passa pela música popular, o fado, o folk, ou o rock, O GAJO toca Música do Mundo e deixa um convite aos que queiram vir desembaraçar as suas notas.

https://www.facebook.com/O-Gajo-554325221436755/?fref=ts18h00



18h00

Conversa sobre a Edição a Alternativa com representantes das editoras Lux Records, Omnichord Records, Pataca Discos, Lovers & Lollypops  e Rastilho Records.

Moderação de Nuno Ávila (Santos da Casa)

19h00

Apresentação em formato vinil do primeiro registo dos a Jigsaw ,"Letters From de Boatman". E....

24h00

Dj set Santos da Casa


 

 

 

 

 

 

Maze
24 de abril – 22h30
Salão Brazil
Entrada – 5€

No ano (2016) em que os Dealema, um dos mais raros casos de longevidade no hip-hop português, comemoram o seu vigésimo aniversário, o MC do colectivo estreia-se no formato longa-duração com um álbum homónimo editado de forma repentina com o selo 2ºPiso/Banzé. O muito aguardado disco é composto por 15 temas onde Maze expõe as suas entranhas, verte sentimentos nos seus poemas de confiança, debitados sobre o Boom Bap dos 90, que por sua vez se alimenta do jazz, soul, disco, reggae e funk que sempre foram a banda sonora da sua vida. Maze leva-nos numa viagem ao seu âmago, interpreta a condição humana, transmuta como um alquimista e injecta esperança nos que o acompanham enquanto percorre o seu caminho. A produção executiva ficou a cargo do seu companheiro de armas Mundo Segundo (Dealema) e foi gravado pelo mesmo no 2º Piso. O disco conta com produções de vários nomes da cena rap nacional como Ace (Mind da Gap), Mundo Segundo, Sam the Kid, Tombo, Raez, DJ Suprhyme, Reis, Sair e Virtus. A mistura e masterização ficou nas mãos de Gustavo Carvalho. A parte gráfica foi desenvolvida pela seguinte equipa: Deck 97 na fotografia, Bruno Rodrigues no Branding e Design Gráfico, e Filipe Cravo na pintura.

Paralelamente à sua carreira com os Dealema, Maze sempre esteve bastante activo no panorama musical nacional, desde as múltiplas participações em projetos underground aos palcos pisados em tours dos Mind da Gap ao ativismo como agente divulgador em rádio com a Oblá Fm e presentemente com o Ginga Beat da Red Bull Music Academy. Depois do sucesso da participação no disco de Serial com o tema "Brilhantes Diamantes", que se tornaria num clássico do hip hop nacional em 2005, disponibiliza apenas em formato digital o Ep "Homem em Missão" pela Ace Produktionz em 2007. Em 2012 lança o Ep de eletrónica "Micromegas" com o alter ego Spaced Out no selo Faca Monstro do qual é membro fundador. No ano passado apresenta o Projecto Subverso com o produtor Soma, e músicas que estavam há "10 anos em gaveta" veem finalmente a luz do dia.

 https://www.facebook.com/mazedlm/?fref=ts
 










 



Conversa com festivais de Música Portuguesa + Lince
25 de abril - 18h00
Fnac Coimbra
Entrada livre

18h00
 
Conversa com festivais de música portuguesa moderada por Fausto da Silva (Santos da Casa)

Já confirmados

Bons Sons
https://www.facebook.com/bonssons/?fref=ts

Indie Music Fest
https://www.facebook.com/indiemusicfestofficialpage/?fref=ts

19h15
 
Lince

LINCE é Sofia Ribeiro. A compositora, que tinha os sintetizadores a seu cargo em WE TRUST, embarca agora num projecto em nome próprio, surgido da vontade de criar sozinha, no seu espaço.

Esta viagem, que vai sendo vivida há alguns anos mas só em 2016 se materializou, com o lançamento dos temas Earth Space e Call Me Home, tem dado origem a músicas intuitivas, que são um reflexo de movimentos, sentimentos e imagens. Uma constante reconstrução de si mesma.

https://www.facebook.com/lincemusic/?fref=ts


domingo, 23 de abril de 2017

13 FADOS 17/2017 (23ABR)


Dois temas novos e não existe alteração na frente esta semana

Sairam:
THERE WAS A LIGHT - The Lazy Faithful
BENI - Georges Marvinson

Aproximam-se:
TEMPOS MODERNOS - Trêsporcento
HISTÓRIA - Diogo Piçarra
BIG FISH - The Gift

13 (08) 06 EARTH SPACE - Lince
12 (11) 02 HALOS - Them Flying Monkeys
11 (05) 08 RENAISSANCE - Best Youth
10 (--) 01 INESCAPABLE - The Partisan Seed
09 (03) 04 PAÍS COLMEIA - Omiri (com Capicua)
08 (06) 03 PEITO - HMB
07 (--) 01 PARTIR A LOIÇA - Pega Monstro
06 (07) 09 YOUR FRIENDS - Flying Cages
05 (02) 02 THE TRAVELER - Mazgani
04 (12) 07 CALA-TE E DANÇA - Manuel Fúria e os Náufragos
03 (04) 06 AMOR MISSÃO - D'alva (com Sir Scratch)
02 (09) 02 SANGRE! - This Penguin Can Fly
01 (01) 05 CRIME SCENE - Mirror People

Novo tema de Mirror People na liderança pela segunda semana

Entre todos os votantes temos dois premiados
GUILHERME ROCHA
RUI PINHEIRO
que serão contactados para o email de onde enviaram as votações

Votem, enviando 5 temas de bandas/artistas diferentes
para santosdacasa(a)ruc.pt
ou então por mensagem privada
para o facebook do santos da casa
e podem ganhar prémios


Nova tabela (18/2017) a 30/ABR

ESTA SEMANA NO SANTOS DA CASA














Entrevistas:

17.04.26 19h30 - REPÓRTER ESTRÁBICO
17.04.27 19h00 - MANUEL FÚRIA
17.04.28 19h00 - THE LAZY FAITHFUL

Para ouvir nos 107.9fm da Rádio Universidade de Coimbra ou em emissao.ruc.fm

NO FUNDÃO


O Gajo - Aqui Base Tango (Coimbra) - 22/04/17














A viola campaniça chega ao Festival santos da Casa.
O gajo das violas americanas, agora com uma viola portuguesa.
Mas o rock está tatuado na pele. Continua lá.
Só que o som mágico desta viola transporta-nos para o Alentejo.
E dá-se a mistura entre dois campos. Casamento perfeito.
O tradicional e o rock envolvem-se numa relação.
E é mágico. O João pinta um quadro em tons pardacentos.
E o nosso coração rende-se.
O sol queima e embeleza a tarde.




















Texto & Fotos Nuno Ávila

sábado, 22 de abril de 2017

PROGRAMA DE 22/04/17

1 - Her Name Was Fire - Gone in a haze
2 - Riding Pânico - Rosa Mota
3 - Maze - Moinhos de vento
4 - Lince - Earth space
5 - Cave Story - Darkness is a figure
6 - The Weatherman - Oh cat
7 - White Haus - Greatest hits
8 - The Partisan Seed - Inescapable
9 - The Unplayable Sofa Guitar - Squirrel's cage
10 - Holy Nothing - Speed of sound
11 - Jonny Abbey - White
12 - Mishlawi - Turn back
13 - Urban Tales - The start
14 - LOT - Take a look

Sweet Nico - Corredor da Rádio Universidade de Coimbra - 21/04/17














Sweet Nico na RU( no Festival Santos da Casa.
Em modo dream pop. Com toques de pós punk. Algum shoegaze.
Vozes docemente escondidas nas camadas de instrumentos.
Melodias encantatórias.
Versão de Mazzy Star a arrebatar o público.
Simpatia do duo a recolher aplausos.
Um belo concerto para um belo fim de tarde.
Aconchegante.














Texto & Fotos Nuno Ávila

sexta-feira, 21 de abril de 2017

OMNICHORD RECORDS COM NOVIDADES
















Comemorar os primeiros cinco anos com cinco vinis era uma ideia tão romântica quanto ambiciosa.

Escolher sempre o que mais nos identifica e tentar fazer chegar esses sons o mais longe possível. Foi isso que sempre nos fascinou na história dos vinis que Carl Sagan compilou para a Voyager e que foram disparados para o espaço no ano da graça em que o punk rock explodia.

 Esses vinis eram um resumo do que se podia ver e ouvir no planeta e chamaram-se “The Sounds of Earth”. Pretendia-se que, ao serem encontrados, contextualizar qualquer outra espécie de vida extraterrestre sobre a nossa cultura.

 Serve essa inspiração para enviarmos também para o espaço, para já apenas neste planeta, cinco discos em formato etched vinyl, com uma imagem de um lado e um tema do outro, que reflectem um pouco daquilo que tem sido o caminho da Omnichord Records.

 São cinco discos e cinco temas relacionados com cinco elementos - ao ar, terra, fogo e água, juntamos o amor - numa caixa personalizada,limitada a 150 exemplares, ou em avulso, limitado a 100 exemplares. Podemos encontrar First Breath After Coma com André Barros com “Nagmani”, Surma com “Maasai”, Nice Weather For Ducks com “Marigold”, Les Crazy Coconuts com “Sailormoon” e Whales com “Big Pulse Waves”.

Haveria certamente mais projectos recentes e activos a incluir, como Few Fingers ou Twin Transistors, mas estamos certos que as edições especiais e espaciais não se vão ficar por aqui.

Edição limitada de 7" Etched Vinyls: pre-orders: https://goo.gl/forms/V1wRVGPHHFBrSxp52

E, até dia 28 de Abril ainda temos o lançamento de:
Dois videos
Três CD's

LUIZ CARACOL EM PALCO

ZARATAN APRESENTA















Crossfade Memory + Nils Meisel

Concertos / Concerts
22 de Abril às 19h / April 22 at 7pm
Entrada livre para sócios (quota anual 3 euros) / Free entry for members (3 euros annual fee)

A Zaratan - Arte Contemporânea apresenta dois concertos de Crossfade Memory (aka Pedro André) e Nils Meisel. De regresso para o Porto de Montemor-o-Novo, onde apresentam uma oficina de som, Lisboa é paragem certa no dia 22 de Abril.

Crossfade Memory é um Projecto dedicado à manipulação de fragmentos sonoros através de estratégias de mistura e processamento provenientes do dub e da electroacústica para a construção de uma paisagem sonora em tempo real. Os fragmentos usados para a primeira versão deste projecto partem de sessões de improvisação e gravação em estúdio e gravações de campo realizados em Berlim. Nils Meisel é sound designer e músico de descendência Luso-Germanica ora residente em Berlim, ora Porto ou onde o trabalho o chamar. Tem trabalhado principalmente na área do teatro e performance. Interessa-se pela exploração do fenómeno sonoro e composição experimental e improvisação. Fusco é um projecto dedicado aos sintetizadores/máquinas de ritmos analógicos navegando entre composição minimalista e complexidade de drones, com muito sub-baixo e sequencias Krautrockianas “a la” Klaus Schulze./// Zaratan - Arte Contemporânea presents two concerts by Crossfade Memory (aka Pedro André) and Nils Meisel. Returning to Porto from Montemor-o-Novo, where they are giving a sound workshop, Lisbon is a sure stop on April 22.
Crossfade Memoryy is a project dedicated to the manipulation of sound fragments through mixing and processing strategies from dub and electroacoustics to build a real-time sound landscape. The fragments used for the first version of this project depart from improvisation sessions, studio recording and field recordings held in Berlin. Nils Meisel is a sound designer and musician of Portuguese-German descent now residing in Berlin, now Porto or where the work is called. He has worked mainly in theater and performance. He is interested in exploring the sound phenomenon and experimental composition and improvisation. Fusco is a project dedicated to synthesizers / analog drum machines navigating between minimalist composition and complexity of drones, with very sub-bass and Krautrockian sequences "to" Klaus Schulze.

RICHIE CAMPBELL DE REGRESSO

Depois de um ano incrível com o lançamento do aclamado “Do You No Wrong”, que já é single de platina, e “Break of Dawn” com Nelson Freitas, também platina, “Heaven” é a primeira amostra desta nova etapa em que o artista se encontra.

A mistura das sonoridades R&B e Dancehall, da Jamaica, estão bem patentes na produção assegurada pelo o próprio Richie Campbell e os Norte Americanos Zander e Davwave, num registo em que se destaca a autenticidade e originalidade do artista português.

O video foi filmado e realizado por Pedro Dias e PLUMA, mostra-nos uma Lisboa moderna e evoluída, espelho da nova vaga cultural que tem vindo a ganhar força na capital portuguesa.

2017 promete ser um ano com novas sonoridades do R&B ao Dancehall, mais novidades em breve...

GONÇALO GUERRA COM NOVO SINGLE

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Está disponível a partir de hoje o novo single de Gonçalo Guerra. “Nós Ficámos”, sucessor de “Tudo o que és”, é o segundo single do seu álbum de estreia, cuja edição deverá acontecer antes do final do corrente ano, e mais uma excelente amostra do talento de Gonçalo Guerra. Hoje é também dado a conhecer o videoclip deste segundo single.

Breve Biografia

Gonçalo Guerra, de 25 anos, é um artista improvável. Pragmático e exemplar que é, tinha um trajecto já estruturado. Pôs a guitarra de lado, licenciou-se em Engenharia de Energias e preparava já a possibilidade de fazer um mestrado “lá fora” não fosse por um factor imprevisível. Tem uma paixão e um desmedido talento musical.

Foi nessa altura, há cerca de dois anos, que o jovem de Trás-os-Montes, indeciso sobre o seu futuro, decidiu visitar o irmão a Londres e ali no chão da sua cozinha rascunhou o seu primeiro tema. E, de repente, tudo fez sentido.

Para Gonçalo, compor é aceitar e nutrir essa imprevisibilidade. Levanta-se da cama e deixa-se levar pelos seus próprios pensamentos. Uma disciplina que rapidamente se tornou no seu modus operandi. Desde então, já são mais de 30 canções que escreveu desde que decidiu voltar a pegar na guitarra.

Determinado em perseguir o seu sonho, saiu da terra que o viu crescer e mudou-se para o Porto, embora continue a dizer compenetrado, “Sou transmontano”. Pode soar trivial, mas não é. Foi ali em Pedras Salgadas que teve o primeiro contacto com a música, onde pegou na sua primeira guitarra acústica e viu uma loop station a ser utilizada por um artista nas festas da vila. Ocasiões de infância que deixaram a sua marca na parte de trás da nuca.

Já crescido, foi no Porto onde gravou a sua primeira maquete, juntamente com o prolífero produtor Cláudio Tavares, nos Estúdios Sá da Bandeira. Esta nova etapa na sua carreira permitiu a Gonçalo aprender e crescer como artista. Deixou de ser o rapaz que gravava as suas composições numa mesa de mistura com entrada USB que tinha no quarto. Ouvinte assíduo de Miguel Araújo e Os Azeitonas, duas das suas referências musicais, decidiu estabelecer contacto com a Warner Music Portugal, que acabou por juntá-lo ao produtor Vítor Silva, com quem criou muito rapidamente uma profunda amizade e cumplicidade.

Juntos conseguiram superar um novo desafio. Pegar no material que Gonçalo juntou ao longo dos últimos dois anos e engradecer tanto a sua mensagem como a sua mestria na guitarra e loop station.

Contudo, a sua essência mantém-se intocada. Consegue-se ouvir em cada tema a vulnerabilidade e timidez que fazem parte da sua personalidade e que tornam os seus canções pop tão honestas e contagiantes.

O primeiro resultado dessa parceria é o single “Tudo o que és”, uma carta aberta que mostra a sua gratidão pelos pequenos gestos que dão significado a uma relação e as subtilezas amorosas que tão poucas vezes são retratadas em canção.

Editado a 16 de Dezembro do ano passado pela Warner Music Portugal, este tema foi a introdução ao álbum de estreia de Gonçalo, um artista que em tão pouco revelou um enorme potencial e que agora mais que nunca mostra-se convicto dos seus objectivos: Transmitir a sua impressão e subsequentemente chegar ao maior número de pessoas possível, uma música de cada vez.

E agora é a vez de “Nós Ficámos”!
 

BALLA PRESTAM HOMENAGEM A JOSÉ AFONSO




No ano em que se assinalam os 30 anos da morte de José Afonso, António Manuel Ribeiro sugeriu a Armando Teixeira fazer uma versão da canção "No Comboio Descendente".

Desafio aceite! É importante manter viva a obra de José Afonso e estimulante "trabalhar" no legado deste homem que vivia dia e noite a pensar em música.

"No Comboio Descendente" de José Afonso, com poema de Fernando Pessoa e editado pela primeira vez em 1972 no álbum "Eu Vou Ser Como a Toupeira", o músico e produtor fascinado pelos sintetizadores analógicos apresenta-nos o seu olhar sobre esta música do Zeca, provavelmente, com a sua roupagem mais electrónica de sempre.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

PEDRO VAZ EDITA MANUAL DE CANÇÕES




















É em Outubro que o músico e compositor Pedro Vaz regressa aos discos com “Manual de Canções”. Produzido pelo próprio e por Fred Ferreira (Banda do Mar, Buraka Som Sistema, Orelha Negra), este segundo longa duração conta com 11 temas, dos quais se destaca “O carteiro” – o primeiro avanço lançado em 2016 e que é uma dedicatória ao seu avô, que foi carteiro durante toda a sua vida.

“Diz-se” é o senhor que se segue neste “Manual de Canções” que não pretende ser um álbum autobiográfico, mas que deixa transparecer as influências do dia a dia de Pedro Vaz. Aqui, canta-se o amor, a amizade, a família e, também, as opiniões e convicções de quem, subtilmente, pretende encontrar um lugar onde a harmonia e a coerência nas palavras, se cruzem, indubitavelmente.
Pedro Vaz não edita desde 2009, muito por “culpa” do seu trabalho como Letrista, Compositor e Produtor para outros artistas: Anjos, Rita Guerra, Dzrt, FF, 4Taste. Neste momento, Pedro Vaz encontra-se em estúdio e empenhado na produção do disco de comemoração dos 50 anos de Tozé Brito.

O seu percurso na música iniciou-se 2000 com os GIG, grupo com o qual editou dois discos e que percorreu o país em inúmeros concertos e eventos.

Foi em 2009 que Pedro Vaz editou o seu primeiro álbum a solo, “Tudo o que acontece”. Alguns dos temas deste primeiro disco fizeram parte das principais playlists das rádios nacionais, valendo-lhe o reconhecimento do público. Canções como “Preso em mim”, “É melhor assim”, “O meu ponto final” e “Só quero ser eu” fizeram parte da banda sonora de algumas das novelas de maior audiência na TVI.


TRESOR & BOSXH NA PORTA ONZE EM MONÇÃO










Sábado 22 | Aniversário Iza&Pepe
Tarde: Arraial - Abertura: 15horas
Tojo
Lucas
Chouriça assada | Sangria de Alvarinho | Cerveja

Noite: Concerto: 23horas
Tresor&Bosxh

Dj7´s:
DJ Maryska (rock)
Sepypes (tecnho)

Entrada Gratuita

www.facebook.com/portaonze.moncao
www.facebook.com/tresorbosxh

HOMEM EM CATARSE NAPLANALTO RECORDS [PORTO]








O décimo Record Store Day é celebrado no dia 22 de Abril e trata-se de um evento que comemora a existência das lojas de discos e dos próprios discos físicos. Se estiverem pelo Porto, venham assistir aos concertos que vão acontecer na Louie Louie Porto e no Mercado Porto Belo e levem convosco a nossa compilação, com músicas inéditas de 8 bandas incríveis: Ana one man band · Criatura Azul · Davide Lobão · Fosco · Gobi Bear · O Doido e a Morte · QUINTA-FEIRA 12 · Salmão"

PROGRAMA
15h na Louie Louie Porto (Rua do Almada) > Gobi Bear e Davide Lobão
16h30 no Mercado Porto Belo (Praça de Carlos Alberto) > Homem em Catarse
17h20 no Mercado Porto Belo (Praça de Carlos Alberto) > Criatura Azul
18h10 no Mercado Porto Belo (Praça de Carlos Alberto) > Ana one man band


www.facebook.com/planaltorecords
www.facebook.com/homememcatarse

THE PARTISAN SEED EM ACTIVIDADE












THE PARTISAN SEED » FÁBRICA DAS IDEIAS [ÍLHAVO]

The Partisan Seed volta a juntar-se ao Um Ao Molhe e segue na apresentação de INSOMNIA, desta vez em Ílhavo. Partilha o palco com Daily Misconceptions e O Lendário Homem do Trigo.

21:30 The Partisan Seed
22:15 O lendário homem do trigo
23:00 Daily Misconceptions

"Se a tradução for literal, chamamos-lhe bandas de um homem só: Filipe, Hugo e João são artistas a solo que parecem orquestras ambulantes. São três dos nomes que aceitaram o desafio do “Um ao Molhe”, festival que reúne em si um respeitável número de one-man-bands, de sair por aí de guitarras e sintetizadores às costas. Seja em resposta ao tempo que vive, que é o da portabilidade da tecnologia e da necessidade da procura de uma identidade individual, seja porque os projetos que reúne precisam de se multiplicar em palcos, a palavra é dos senhores e o “Um ao Molhe” quer pregar por todo o país. No Convés da Fábrica das Ideias da Gafanha da Nazaré atuam, respetivamente, “The Partisan Seed”, “O Lendário Homem do Trigo” e “Daily Misconceptions”."

www.facebook.com/umaomolhe

The Partisan Seed apresenta o novo disco em dois showcases na Fnac.

21/04 _ SEX / 22h00 - Braga
22/04 _ SAB / 21h30 - Guimarães

www.thepartisanseed.net
www.facebook.com/thepartisanseed
www.culturafnac.pt/the-partisan-seed

JOÃO GIL CELEBRA 40 ANOS DE CANÇÕES

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Ana Bacalhau, Carlão, Carlos do Carmo, Carminho, Jorge Palma, Márcia, Luísa Sobral, Miguel Araújo, Tiago Bettencourt, Pedro Abrunhosa, Raquel Tavares e Rui Veloso, são alguns dos nomes que João Gil convidou para interpretar 28 temas da sua autoria – entre inéditos e canções que fazem parte do imaginário musical de todos os portugueses.

“Saudade”, “125 Azul”, “Loucos de Lisboa”, “Timor”, “Postal dos Correios”, “Solta-se o beijo” ou “Perdidamente”, ganham uma outra vida na voz dos convidados com novos e surpreendentes arranjos pela mão do seu compositor, João Gil.

A realização deste disco foi, também, o argumento perfeito para João Gil voltar a reunir três dos grupos mais emblemáticos da sua carreira: Trovante, Ala dos Namorados e Rio Grande.

O disco duplo denominado “JOÃO GIL POR…” será editado dia 26 de Maio e conta com co-produção de Pedro Vidal, Rúben Alves e do próprio João Gil.

A nova versão “125 Azul”, um dos temas mais emblemáticos do reportório do Trovante, nas vozes de Carlão e Lúcia Moniz, é o tema de apresentação do álbum “JOÃO GIL POR…” que já toca nas rádios portuguesas.

Sobre esta escolha, João Gil sublinha: “quando revisitámos esta canção, que já é de todos, quisemos ser leais à sua essência e, ao mesmo tempo, imprimir-lhe a audácia necessária para se fazer à estrada em pleno 30 anos depois. O Carlão, com a sua voz e interpretação inconfundíveis, soube pousar as palavras com a mestria do tempo; o brilho da voz da Lúcia Moniz não nos deixa esquecer há uma melodia que persiste na memória colectiva.”

Sobre o João Gil

João Gil é um dos nomes mais conhecidos e reconhecidos da música portuguesa. Guitarrista e compositor, iniciou a sua carreira como músico profissional em 1976 quando, em parceria com João Nuno Represas, Luís Represas, Artur Rocha e Manuel Faria, forma o Trovante.

Do Trovante à Filarmónica Gil, passando pela Ala dos Namorados, Rio Grande, Cabeças no Ar, Baile Popular ou, mais recentemente, os Tais Quais, a sua vida é pautada por grandes sucessos que suplantam a notoriedade dos grupos por onde passou e nos quais deixou o seu forte contributo.

Ao longo de mais de 40 anos de música portuguesa, João Gil distingue-se como compositor de algumas das músicas que farão, para sempre, parte da memória colectiva nacional: “Perdidamente”, “Esplanada”, “Solta-se o beijo”, “Postal dos Correios”, entre tantas outras, são exemplos de canções com a assinatura de João Gil que se tornaram verdadeiros fenómenos de popularidade.

Alinhamento:

CD 1

1. 125 AZUL Carlão e Lúcia Moniz
2. FIM DO MUNDO Tatanka
3. NATÁLIA Pedro Abrunhosa
4. POSTAL DOS CORREIOS Luísa Sobral
5. SOLTA-SE O BEIJO Héber Marques
6. NINA Rui Veloso
7. PREÇO DO AMOR Rui Pregal da Cunha
8. SAUDADE Raquel Tavares
9. MÃE LOBA Ala dos Namorados
10. SENTA-TE AÍ Miguel Araújo
11. ESPLANADA Tiago Bettencourt. Participação de Márcia
12. COPO Rio Grande
13. LOUCOS DE LISBOA Vários

CD 2

1. PERDIDAMENTE Carminho
2. DEZEMBRO Jorge Palma
3. XÁCARA DAS BRUXAS DANÇANDO Ana Bacalhau
4. DOIDA CABEÇA A MINHA Nuno Guerreiro
5. ROSA ALBARDEIRA António Zambujo
6. ZORRO Trovante
7. IL PLEURE DANS MON COEUR Carlos do Carmo
8. TIMOR Celina da Piedade e João Gil
9. DEIXA-TE FICAR NA MINHA CASA Filipe Pinto
10. PROVIDÊNCIA CAUTELAR João Pedro Pais
11. MEMÓRIAS DE UM BEIJO Márcia
12. ZÉ PASSARINHO Quim Barreiros, Herman José, Nani Nadais e Júlio Pereira                                                       
13. VIDA João Gil

Faixas Extras (Edição limitada)

14. A RAPARIGA QUE VIVE NAS CANÇÕES João Gil
15. CREDO João Gil
 

IONIZED COM NOVIDASDES












Os IONIZED acabam de lançar o segundo single retirado do EP "Big Bad Wolf".

O vídeo oficial do tema "Not Again" pode ser visto aqui.

Ao mesmo tempo, têm já presença confirmada em 2 Festivais de Verão.

Próximas datas:
5 Maio - Metalpoint (Porto)
17 Junho - Festival Basqueiral (S.M. Lamas)
29 Julho - Gerês Rock`Fest (Gerês)

facebook.com/ionizedband
twitter.com/ionizedband
palcoprincipal.sapo.pt/ionized
ionizedmusic.bandcamp.com
soundcloud.com/ionizedband
 

FOQUE APRESENTAM CLIP

Foque, assim se intitula o projecto a solo de Luís Leitão. Este apresenta-se com um heterónimo para onde canaliza todo o seu trabalho musical. É um projeto que surge da necessidade de ter independência musical e de largar, não as guitarras nem as baterias convencionais, mas o rock em geral, onde havia estado embrenhado grande parte da sua vida.
De espada e pena na mão trabalha a electrónica, as melodias digeríveis e as ausências e presenças excessivas. Samplando-se a si próprio e colaborando com todo o tipo de artistas, promete tomar o ano de 2017 de ataque.
 
https://soundcloud.com/foqueoficial
https://www.facebook.com/foqueoficial
https://www.instagram.com/foqueoficial/
https://tradiio.com/f-o-q-u-e

PROGRAMA DE 20/04/17

1 - Capitão Fausto - Tem de ser
2 - Samuel Úria - É preciso que eu diminua
3 - Valter Lobo - Oeste
4 - oLUDO - Abraço
5 - Capitão Capitão - Sessenta & quatro
6 - Um Corpo Estranho - Scarlett
7 - The Partisan Seed - Inescapable
8 - The Unplayable Sofa Guitar - Magic tree

9 - Vaarwell - YOU
10 - Golden Slumbers - The hunt
11 - Minta & The Brook Trout - Old habits
12 - Gobi Bear - Sealion (c/ Surma)
13 - Swet Nico - Panda heart
14 - Sandey Kilpatrick & The Origins Band - Burlesque sky

LADO ESQUERDO AO VIVO

SENSIBLE SOCCERS EM TOUR




















Os Sensible Soccers continuam a apresentar "Villa Soledade" ao longo de 2017 e estas são as primeiras datas a ser conhecidas.

"Villa Soledade" é o segundo longa-duração na discografia da banda portuguesa e foi lançado em Março do ano passado, numa edição de autor. Arriscamos dizer que tem sido muito bem recebido pelo público, mas também pela crítica especializada:

"Os Sensible Soccers regressam à sua música que nos faz viajar sem sairmos do mesmo lugar. Do norte de Portugal para o mundo." Visão

“Música com o seu próprio mundo dentro, lúdica e cerebral, memória de passado e desejo de presente. Uma viagem irresistível.” Público

"Hoje, ninguém tem dúvidas de que os Sensible Soccers são uma das bandas mais interessantes da música portuguesa recente." Expresso

Os Sensible Soccers são formados por Filipe Azevedo, Hugo Alfredo Gomes e Manuel Justo. Ao vivo contam com a colaboração de André Simão.

Redes:

Bandcamp 
Facebook
Spotify 
YouTube

CASH FROM HASH EDITA EP













Depois do seu último EP, "Hot Blooded", lançado pela XXIII, Cash From Ash junta-se à OLEC (Oh Lee Music) para o lançamento de "Metallic Cells".

O lançamento do EP aconteceu no dia 17 de Abril e, como o nome sugere, é uma exploração de sonoridades e texturas metálicas contra balançadas em ritmos e batidas que tornam os temas incluídos estranhamente cativantes e dançáveis.
 

THE OAFS AO VIVO














Os The Oafs editaram “My Scars and Stories” no final de 2016

O quarteto de Viana do Castelo tem andado na estrada a apresentar o álbum.

Próximos concertos

21 Abril - Mercado Negro, Aveiro
10 Maio - Semana Académica de Viana do Castelo
 
facebook | https://www.facebook.com/The-oafs-395495270578627

MELECH MECHAYA APRESENTAM CONVIDADOS

Os Melech Mechaya apresentam os convidados especiais do novo disco "Aurora" na segunda parte do Making Of.

O novo álbum será lançado já no próximo mês de Maio, e representa o trabalho mais inovador e original do grupo.

"Aurora" foi misturado por Tony Harris (que trabalhou com grupos como R. E. M., Sinead O'Connor e The Verve), foi masterizado por Dave Blackman (Coldplay, entre outros), e terá edição internacional pela histórica editora italiana Felmay (Portugal incluído).

Distribuição: Compact Records

Melech Mechaya
André Santos: guitarra
Francisco Caiado: percussão
João da Graça: violino
João Novais: contrabaixo
Miguel Veríssimo: clarinete

PAUS NO LUX

OUTR.RA APRESENTA

AZUL DE TROIA APRESENTA RUA DIREITA

















"MARIANA" traz a estreia da RUA DIREITA

Álbum de estreia chega a 19 de Maio com o selo da Azul de Tróia


Rua Direita era, por excelência, a rua principal de um lugar, epicentro de pontos de encontro idos.

Em 2017, Rua Direita é o nome da banda que se quer encontrar no epicentro do que está para vir.

Da densidade musical e da experiência de Donato Rosa e Paulo Ladeiras, surge um novo projecto na categoria para toda a gente e ao qual vem atrelada a maturidade de quem tem muitas histórias para contar e os laivos certeiros de quem não chegou por brincadeira. Num abrir e piscar de olhos, tornou-se na mais recente vencedora do Festival de Música Moderna e assim começou a fazer correr tinta.

A canção escolhida para dar início à demanda chama-se “Mariana” e integrou a colectânea “Estou Bem Aqui Em Portugal”, em 2016. Contudo, é agora com o teledisco realizado por Gonçalo Portugal Guerra que a canção assume o protagonismo que lhe é devido e dispara os alarmes para o disco que está para chegar, disco que vai ditar a carreira de uma banda que está para ficar.

“Mariana” é um nome comum mas não é uma canção qualquer.

Produzida por Pedro de Tróia, gravada e misturada por Bruno Pedro Simões no Black Sheep Studios, esta canção simboliza a força viva que nunca há-de acabar no seio da banda. A fusão entre a entrega declarada e a simplicidade daquilo que se canta chega totalmente desprovida de poses ou pretensões. Aqui nada é o que não é. Aqui há sim uma banda de canções inteiras e refrões que colam.

O disco de estreia da Rua Direita será libertado a 19 de Maio pela editora Azul de Tróia, com distribuição Fnac, e estará disponível nas principais plataformas digitais


BARRY WHITE GONE WRONG NO SABOTAGE












No 21 de Abril ocorrerá o lançamento do álbum Tornado no Sabotage, em Lisboa. Os Barry White Gone Wrong, em formato concerto, desfilarão as músicas que compõem o seu primeiro Full Album na companhia de músicos convidados: O Tatanka dos The Black Mamba e Tiago Albuquerque (génio musical entre outras habilidades)

O single encontra-se disponível para venda online. O álbum poderá ser adquirido online e na Books & Records MegaStore, no Intendente, em Lisboa, a partir do dia 21 de Abril
 
CONCERTOS
21 Abril - Sabotage, Lisboa
1 Julho - Olhos de Fervença, Cantanhede
7 Julho - Sesimbra
8 Julho - Tocha, Cantanhede
14 Julho - Riemst, Bélgica
15 Julho . Willebroek, Bélgica
16 Julho . Private BBQ Party, Willebroek, Bélgica

MÁRIO LAGINHA NO AUDITÓRIO DE ESPINHO















Orquestra de jazz da epme
Mário Laginha piano
DANIEL DIAS E PAULO PERFEITO DIRECÇÃO MUSICAL
“HORN PLEASE”

 22 DE ABRIL, SÁBADO - 21h30

7 euros
Cartão Amigo AdE +: 4 euros
Cartão Amigo AdE: 5,5 euros

 m/6
Duração: 70 minutos

Mário Laginha é muito jovem para pertencer à primeira geração de músicos de Jazz no nosso país. No entanto, integra a geração que adicionou a palavra Jazz ao léxico de um grande número de portugueses. A sua impressionante discografia recua até 1983 e para além de abarcar uma grande diversidade de linguagens musicais inclui algumas das parcerias mais bem-sucedidas de sempre, incluindo artistas como Maria João, Bernardo Sassetti e o saxofonista Julian Argüelles. Experienciar a música deste autor é como fazer uma viagem evocativa pelos mais coloridos sons do mundo e desta vez, o veículo para essa viagem vai ser a Orquestra de Jazz da Escola Profissional de Música de Espinho em conjunto com o pianista Mário Laginha.

MARTA DIAS EDITA BEST OF




















28 de abril em formato digital
Marta Dias apresenta o Best of “Esse Meu Amor”

Vinte anos depois do lançamento de YUÉ, o primeiro disco de Marta Dias, a Farol Música edita agora a compilação digital “ESSE MEU AMOR – BEST OF”, que reúne os temas mais emblemáticos dos CD’s da cantora.

De “YUÉ” a “QUANTAS TRIBOS” (este último lançado no ano passado), Marta Dias iniciou e concluiu um ciclo de pesquisa da sua identidade e raízes, que a levou desde sempre a criar canções em nome próprio que interrogam precisamente essa identidade, feita de múltiplas origens (Portugal, São Tomé e Príncipe e Goa).

A compilação abre com uma canção inédita, “Esse Meu Amor”, que marca o regresso à escrita de canções por Marta Dias e é uma parceria da cantora e letrista e do músico Carlos Barreto Xavier. Este músico tem acompanhado o percurso de Marta Dias desde o seu início, quer como compositor, quer como intérprete ou ainda produtor.

Nestes vinte anos, Marta Dias percorreu e fundiu géneros musicais diversos, tendo encontrado uma expressão própria, particularmente bem ilustrada na canção inédita que dá nome à antologia e abre um novo ciclo.

MODA AMERICANA EM SETÚBAL




















Decorem este nome: os Moda Americana são uma banda de rock alternativo de Lisboa com uma sonoridade psicadélica moderna e expansiva.

Oriundos de diversas esferas musicais, Afonso, Guilherme, Vítor (membros de Alice) e Hugo (Them Flying Monkeys) juntam-se a Nuno Fernandes para criar Moda Americana.

A lírica de Nuno Fernandes explora o quotidiano de forma fantasiosa e alegórica. A interacção entre personagens surreais inspiradas no íntimo contacto com a natureza e o imaginário geográfico demarcado no seu single de lançamento, Singapura, resultam numa viagem descomprometida pelo som da banda.

Em digressão pelo país para apresentar o trabalho de estreia, os Moda Ameriana param na Casa da Cultura de Setúbal no dia 29 de Abril para um concerto que promete ser um daqueles acontecimentos "eu estive lá". E ainda trazem na primeira parte os Madrepaz. Os bilhetes custam 3 euros e os concertos arrancam às 21h30.

quarta-feira, 19 de abril de 2017

SÃO PEDRO NA MORTESUL










O ex-homem forte dos Doismileoito tinha muitas ideias soltas no computador e no telemóvel que tinham de ser concretizadas. Um conjunto de canções que se foram escrevendo, guardando, deixando crescer. Estavam presas como pássaros numa gaiola ou balões numa rede. E precisavam de voar.

S. Pedro, abençoado, libertou-as. Primeiro construiu um estúdio analógico, uma oficina de artesão. E foi gravando com tempo, em fita magnética, aperfeiçoando arranjos, acrescentando instrumentos, e convidando amigos para colaborarem.

Assim nasceu “O Fim”, um disco pessoal e transmissível, feito de canções simples, histórias quotidianas e letras que nos fazem sorrir e pensar.

Canções nas quais nos reconhecemos, com versos que ficam a ressoar, alguns na ponta da língua. Métrica redonda, recorte clássico e pop diletante onde se busca o essencial, até porque “é o bis encore que torna feia a canção”.

Um álbum que viu a luz do dia em edição de autor e que encontrámos a navegar na net.

Um disco precioso que vai agora ganhar uma nova vida, uma nova cara e um novo corpo, com o selo da Nortesul. A nova edição está prevista para o próximo mês de Maio.

É tempo de descobrir S. Pedro, o novo artista da Nortesul.

E a melhor maneira de começar é ouvi-lo em concerto, no Teatro do Bairro Alto, em Lisboa, já no próximo sábado, dia 22 de Abril

BAZUUCA APRESENTA


CAPITÃO FAUSTO NOS TEATROS




















Os Capitão Fausto terminam a Digressão de Teatros este fim-de-semana com 2 espectáculos em Coimbra e Porto! :)
- 21 Abril – Coimbra / Teatro Académico Gil Vicente / 22h00
http://www.tagv.pt/capitao-fausto-os-dias-contados/

- 22 Abril – Porto / Casa da Música – Sala Suggia / 22h00
http://www.casadamusica.com/pt/agenda/2017/04/22-abril-2017-capitao-fausto/46838/?lang=pt#tab=0
Os bilhetes estão a voar e encontram-se à venda aqui:

- Coimbra https://tagv.bol.pt/Comprar/Bilhetes/46705-capitao_fausto_tem_os_dias_contados-tagv/

- Porto https://ticketline.sapo.pt/evento/capitao-fausto-tem-os-dias-contados-18134/sessao/50025_80_1492894800

“Somos uma banda rock de Lisboa”. A simplicidade com que os Capitão Fausto se descrevem desarma qualquer um. Porque é assim que se sentem e é assim que vivem.

A história de Tomás, Salvador, Francisco, Manuel e Domingos tem o seu primeiro capítulo em 2011, com “Gazela” – o Álbum de estreia. Ali encontramos a urgência das canções juvenis, dos hinos pop que se cantam e sabem sempre a pouco.

Em 2014 “Pesar o Sol” chega aos escaparates. E é neste segundo Álbum (muitas vezes o tudo ou nada de tantos Artistas) que se impõem como uma das mais originais e criativas propostas do nosso país. Defendem-no ao vivo, com Espectáculos memoráveis nos grandes e pequenos festivais, nos clubes, nos Teatros, um pouco por todo o Portugal que os recebe e obriga a crescer. Como cresce exponencialmente a sua base de fãs, agora transformada em legião.

Em 2016 são as canções de “Capitão Fausto Têm os Dias Contados” que os levam a superar todas as expectativas. Pouco mais de 30 minutos de música e palavras, em modo pop recheado de primor e requinte, que contam as estórias de vida de cada um dos Capitão Fausto, mas que são muito mais que isso, porque crescer é para todos. Não se poupam os elogios e os aplausos, que chegam em catadupa. Os Capitão Fausto “afirmam-se como a voz de uma geração”, diz quem sabe. E esta geração quer elevar a clássicos imediatos as oito canções que lhe são oferecidas.

A promessa é agora certeza e o primeiro lugar do Top nacional de vendas é uma das consequências. Incontornáveis, chegam ao primeiro lugar do Top Cision (que avalia a visibilidade mediática dos Artistas nacionais).

Num ápice esgotam (em menos de uma semana) os dois Espectáculos de apresentação no Lux, em Lisboa. Passam pelo Rock in Rio, Super Bock Super Rock, Festival de Paredes de Coura, Festival Sol da Caparica.

2016 confirma que os Capitão Fausto são, finalmente, uma aposta segura. Uma aposta no bom gosto musical e na sensibilidade apurada. Uma aposta na criatividade e no fulgor de uma banda que parece imparável. “Amanhã Tou Melhor” será seguramente um dos refrões mais cantados de 2016.

Em 2017 os Capitão Fausto apresentam o novo Álbum nas salas mais nobres do nosso país: os Teatros. E serão estes Teatros a mostrar a Banda que soube como crescer ao lado dos fãs. A mostrar a Banda que renasce a cada disco, que se renova com o cuidado de quem quer construir uma carreira sólida, de uma forma aparentemente galopante mas sem o torpor do deslumbramento.

Para os Capitão Fausto “Os Dias Estão Contados”. Porque crescer é inevitável. E sabendo isso, vão continuar a fazê-lo nesta Digressão de Teatros.

DA CHICK COM NOVO SIONGLE




















Depois de "Chick to Chick", LP de 2015 que destruiu as pistas de dança um pouco por todo o mundo, Da Chick está de volta em 2017 com um novo single, "Call Me Foxy" e novas sonoridades.

"Call Me Foxy" que também será o nome do EP sai Sexta-Feira dia 21 de Abril e surge numa nova fase da carreira da artista mais intensa e confiante, estado de espírito que estará bem patente nas novas músicas da artista.

"Call Me Foxy" é o primeiro avanço do EP homónimo produzido em parceria com o produtor francês Saintard que conheceu no Soundcloud e sairá no próximo dia 9 de Junho pela DISCOTEXAS apenas nas plataformas digitais e vinil.

MIKKEL SOLNADO AO VIVO

RESISTÊNCIA: 25 ANOS DE CANÇÕES E DE AMIGOS












A MEO Arena (13 de Outubro) e o Pavilhão Multiusos de Guimarães (14 de Outubro) são os palcos escolhidos para a celebração de duas décadas e meia de história por um dos mais importantes colectivos da música portuguesa

Resistência é sinónimo de história, de orgulho e de grandes canções. Este colectivo por onde passaram e continuam a passar alguns dos maiores nomes da música portuguesa das últimas décadas prepara-se para assinalar o importante marco de 25 anos de história com dois grandes concertos onde passarão em revista o seu legado levando consigo até ao palco alguns convidados especiais e amigos que prolongarão no presente uma viagem feita de entrega à nossa língua e às nossas canções.

A 13 de Outubro, o colectivo formado por Alexandre Frazão (bateria), Fernando Cunha (voz e guitarra 12 cordas) Fernando Judíce (baixo), José Salgueiro (percussões), Mario Delgado (guitarra), Miguel Ângelo (voz), Pedro Joia (guitarra clássica), Olavo Bilac (voz) e Tim (voz e guitarra) voltará ao palco para, como escreveu Pedro Ayres no texto que acompanhava a edição do DVD com o registo do concerto do álbum Horizonte, de 2015, voltar a fazer “a apologia da canção de autores portugueses da música eléctrica e dos concertos cantados pela comunidade do público”. Só assim, aliás, faz sentido celebrar.

Voltando a canções que são verdadeiros hinos geracionais como “Não Sou o Único”, “Nasce Selvagem”, “A Noite” ou “Amanhã é Sempre Longe Demais”, a Resistência reencontrará assim parte do seu mais celebrado e aplaudido reportório, aquele que se faz da sua particular forma de abordar os grandes temas de míticas formações como Xutos & Pontapés, Delfins, Sitiados, Rádio Macau ou Heróis do Mar. As mais recentes propostas incluídas em Horizonte e até algum reportório inédito nos concertos da Resistência – estão a ser preparadas algumas surpresas - irão render igualmente momentos especiais nesta celebração de 25 anos.

A Resistência coleccionou grandes marcos e memórias muito ricas nesta jornada de 25 anos, incluindo a edição muito recente do CD e DVD Ao Vivo em Lisboa e, em janeiro último, a sua histórica passagem pelo reaberto Bataclan de Paris, num concerto que esgotou vários dias antes e que marcou o encontro dos portugueses com quem tem na nossa língua uma ligação muito forte de identidade. Será assim igualmente no próximo mês de Outubro, quando a Resistência entoar mais canções de amor e de paz, de união e de sonho junto de um público que há 25 anos os acompanha de perto.

1 BIGO APRESENTA

DAN RIVERMAN COM NOVIDADES














Mês de Maio é sinónimo de lançamento para Dan Riverman. Dan e a sua banda ordenaram que o rei cantasse e, sem grandes hesitações, eis que surge este novo single, "Singing King", do quinteto oriundo de Santo Tirso. Com a produção a cargo de Nuxo Espinheira (Blind Zero), este tema é o primeiro single a integrar o próximo álbum, a ser editado ainda durante este ano.

A inclusão de três temas em duas telenovelas da TVI - "Anjo Meu" e "Mulheres" - e a viagem até Londres para produzir com Saul Davies (guitarrista dos icónicos James), são parte de uma carreira já recheada para Dan Riverman, projecto versátil e que funciona tanto em ambientes intimistas, assim como em palcos de grandes festivais. Actuações em espaços como a Casa da Música e o festival Noites Ritual, no Porto, o Music Box em Lisboa ou o Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, são exemplos palpáveis desta constatação. Destaca-se ainda a colaboração com o músico e compositor Davey Ray Moor (Costeau) para a produção do EP "Hers".

Com lançamento previsto para inícios de Maio, "Singing King" pode ser ouvido, ao vivo e em primeira mão, já no próximo sábado, dia 22 de Abril, no Centro Cultural Municipal de Vila das Aves na segunda edição do evento "Sonoridades".

TRIBUTO A NIRVANA NO HARD CLUB




















Tributo a NIRVANA - HARD CLUB, Porto - 28 de Abril, 22:00

 Bilhetes: 8€
Bilhetes à venda no Hard Club e nos escritórios da Brain na Senhora da Hora
Info: 919 530 905

Miguel Bello dos "Lulla Bye", Vasco Espinheira dos "Blind Zero", Pedro Alves e Pedro Afonso dos "Homem Mau" juntam-se numa homenagem aos Nirvana no mês em que se completam 23 anos da morte de Kurt Cobain e consequente fim da banda de Seattle.

Será uma noite em que amigos irão partilhar o palco prometendo uma viagem de revivalismo aos mega sucessos dos maiores prossecutores do Grunge.

HOMENAGEM A LEONARD COHEN












"As Canções de Leonard Cohen"

21 Setembro :: C.C. Olga Cadaval, Sintra
27 Setembro :: Casa da Música, Porto

David Fonseca, Jorge Palma, Márcia, Mazgani, Miguel Guedes e Samuel Úria foram convidados para homenagear Leonard Cohen no dia em que completaria 83 anos, a 21 de Setembro, com um espectáculo no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, e repetir o tributo dias mais tarde, a 27, na Casa da Música, no Porto.
No mesmo palco, estes que são alguns dos músicos mais aclamados do panorama musical português da actualidade, vão interpretar as suas músicas de eleição do vasto e rico repertório do cantor, compositor e poeta canadiano.

A acompanhar David Fonseca, Jorge Palma, Márcia, Mazgani, Miguel Guedes e Samuel Úria estará um colectivo de músicos formado por Pedro Vidal, na direcção musical e nas guitarras; João Correia, na bateria; Nuno Lucas, no baixo; Rúben Alves, nas teclas; e Paulo Ramos e Orlanda Guilande, nos coros.
Com produção do Bairro da Música e a chancela da Embaixada do Canadá em Portugal, estes dois espectáculos intitulados "As Canções de Leonard Cohen" apresentam-se como uma homenagem ao autor de canções como "Dance Me To The End Of Love", "Bird on The Wire", "Hallelujah", "I'm Your Man", "Sisters of Mercy" e "So Long, Marianne".
Recorde-se que Leonard Cohen faleceu aos 82 anos, no dia 7 de Novembro de 2016, um mês depois de ter editado o seu 14.º álbum de originais, "You Want It Darker".

Os bilhetes para o concerto no Centro Cultural Olga Cadaval, dia 21 de Setembro, custam 30€ (cadeiras orquestra); 25€ (1ª e 2ª plateias); e 20€ (balcão). Na Casa da Música, dia 27, o bilhete tem um custo único de 25€.
 
Leonard Cohen, poeta solitário e lúcido, abordou cáustica e genialmente, com ternura e sarcasmo, as labirínticas paixões da mente", Jorge Palma

"O Cohen é um daqueles raros talentos que conseguiu cruzar a música com a poesia sem atropelar nenhuma delas. Uma acaba por agigantar a outra num diálogo raro entre as palavras e os sons. Um dos grandes mestres da palavra do nosso século", David Fonseca

"A forma como Cohen se colou ao meu gira-discos foi sempre romântica e substituiu muitos livros de poesia. Poucos descreveram tão bem a perfeição. Cohen escreveu sobre ela e às tantas encarnou-a, confundia-se com ela quando cantava o que escrevia", Miguel Guedes
"Foi graças a ele que comecei a escrever canções. Por isso, julgo ser justo dizer que Leonard Cohen salvou-me a vida", Mazgani

terça-feira, 18 de abril de 2017

LOTUS FEVER NO SABOTAGE

Os Lotus Fever são Pedro Zuzarte, Diogo Teixeira de Abreu, Manuel Siqueira e Bernardo Afonso. Em Novembro passado, o quarteto lisboeta lançou o aguardado segundo registo de originais, “Still Alive for the Growth”, que tem sido amplamente elogiado pela crítica com os aplausos do público.

A digressão nacional de apresentação de “Still Alive for the Growth” tem percorrido todo o país.

A 22 de Abril os Lotus Fever actuam em Lisboa no Sabotage Club (Cais do Sodré) pelas 22h30.

Os Lotus Fever estrearam, entretanto, o videoclip do single “Dogs And Bones”, num registo que é, na sua própria escala, uma mega produção, realizada por Vasco Reis Ruivo. Cães, máscaras, pregos e ossos encaixam-se num vídeo que tem tanto de loucura como de relevância e actualidade.

"Se, por um lado, o filme procura fazer um ataque a um conformismo intemporal que tem na actualidade um maior pico de expressão, por outro, procura fazer uma ode à libertação pela arte. O conformismo manifesta-se primeiramente no sucumbir dos funcionários de uma fábrica a um modelo que promove a ausência de identidade, escondidos atrás de máscaras espelhadas que transfiguram as suas caras e identidades em não mais que um reflexo do trabalho que executam mecânica e desapaixonadamente, sob a olhar atento e ganancioso de um patrão excêntrico.

Numa segunda instância, esse modo de estar passivo surge personificado na família que, de forma literal, come o que lhe põe à frente, alheios ao prejuízo para si mesmos que daí resulta, bem como à origem e essência daquilo que se lhes apresenta como o que deve ser comido, metáfora trabalhada sob a ideia da refeição de carne com pregos. As crianças surgem como a visão inocente que se opõe à obrigatoriedade daquele comportamento mas que por pressão e aparente falta de alternativa sucumbem também à sua prática.

Na fábrica há quatro funcionários que se revoltam para tocar música dirigida ao perpetrador das injustiças, acabando mortos por cães, aqui fazendo-se a correlação literal com a música "Dogs And Bones". Os restos mortais são dados de comer aos restantes colegas da fábrica, contaminando-os com o vírus metafórico de "Lotus Fever", vírus que transforma todo o espaço claustrofóbico de exploração laboral numa realidade muito mais leve e festiva, bem como os próprios funcionários que largam o trabalho para descobrir um momento de libertação. Até o patrão, também ele inserido e vitimado por um sistema violento, opta por se deixar contaminar por esse vírus que carrega consigo a voz e a razão nos artistas que se levantaram contra esse sistema, ainda que sem efeito imediato - acabam esmagados por ele - mas com repercussões a longo prazo, tal é a imortalidade da arte e a extensão do seu efeito."

Vasco Reis Ruivo, Realizador