quarta-feira, 21 de junho de 2017

PROGRAMA DE 21/06/17

1 - Bizarra Locomotiva - Êxtases doirados
entrevista Pedro Galhoz (Rock Fest)
2 - The Poppers - Hey, lay your hands on me
3 - Galo Cant'Às Duas - marcha dos que voam
4 - Souls of Fire - Sei lá
5 - Os Azeitonas - Showbizz

"10000 anos depois no reino dos bonifácios" - crónica de João Pedro Cotrim

6 - Banda do Casaco - Aliciação - Espírito imundo
7 - Saga - Aprendiz de feiticeiro
8 - Petrus Castrus - A revolta
9 - Júlio Pereira - Rossio


10 - Paulo de Carvalho e Tozé Brito - Olá, então como vais?
11 - Monday - Yo yo
12 - Vaarwell - Still me

LOQ - "SWING LA LA"


ERMO COM NOVIDADES




















Os Ermo são a mais recente contratação da NorteSul. A dupla de Braga estreia-se com “Lo-Fi Moda”, um disco de electrónica pop, rompedor e impactante, que adopta o modelo da canção enquanto ponto de partida para um discurso inventivo, refrescante e surpreendente. A sua música já foi apelidada de ‘intervencionista’, descrevendo o estilo da banda como pop mergulhado em hip-hop e footwork com uma gíria pós-punk.

O novo álbum retrata o comportamento humano, engolido pelo mundo digital. Feito para intrigar, apresenta 9 faixas sobre dois humanos do lado de lá do espelho. ‘Lo-fi Moda’ funciona belissimamente como uma metáfora para vaidade, auto-validação e narcisismo.

Os Ermo começaram em 2012, com o lançamento do seu primeiro EP homónimo. No ano seguinte, ‘Vem por Aqui’ o seu primeiro longa duração, é editado pela NOS Discos. Bem recebido pela crítica, o álbum recebeu largos elogios pelo seu carácter inovador e desprendido de género. Com o alargamento do seu público, a banda percorreu a Europa e Brasil durante os 2 anos seguintes, lançando um novo EP ‘Amor vezes Quatro’ em 2015.

Agora, com “Lo-Fi Moda”, os Ermo marcam a produção nacional e confirmam-se como magnatas do incomum.


Alinhamento:

1 Vem nadar ao mar que enterra
2 Ctrl+c Ctrl+v
3 Circle J
4 Fa zer vu du
5 Raicevic.als
6 Púrpura pálido
7 - «»
8 Frito futuro
9 Contra

MOONSPELL APRESENTAM NOVO REGISTO














30 e 31 OUT - LISBOA AO VIVO, LISBOA
1 NOV - HARD CLUB, SALA 1, PORTO

Os MOONSPELL e a ALMA MATER RECORDS orgulham-se de apresentar os três primeiros concertos da tour 1755 numa data dupla em Lisboa (30 e 31 OUT) e num regresso muito aguardado ao Porto onde não tocam há mais de dois anos, no primeiro de novembro.

Estes concertos são produzidos e organizados pela própria banda, em parceria com a sua editora própria Alma Mater Records, com o apoio da Napalm Records. Um regresso às origens a vários níveis, nomeadamente, no que diz respeito à ligação direta com os seus fãs e ao envolvimento total em todas as fases de construção deste espetáculo: desde o conceito à sua realização. Não sendo um típico caso de crowdfunding é o modo que consideram ideal para que o fã de Moonspell possa apoiar e comprar diretamente à banda.

1755 é o novo disco dos Moonspell, cantado em Português, acerca do Grande Terramoto de Lisboa. Uma reflexão poética, musical e filosófica da banda sobre o evento de 1 de Novembro de 1755 em Lisboa e as suas repercussões no mundo civilizado. O novo disco será tocado na íntegra em Lisboa e no Porto, sendo que o alinhamento para estes concertos inclui também temas obscuros da carreira dos Moonspell.

Musicalmente, 1755 é um disco de raiz Metal, com riffs vibrantes, orquestrações épicas e vozes e letras que testemunham a agonia daquele dia. A banda preocupou-se também em recriar a época, existindo uma fusão com elementos percussivos e melódicos que remete para os fins do século e para a atmosfera que se vivia na capital Portuguesa na altura.

Serão dez temas que na carreira da banda encontram ecos longínquos em discos como "Under the Moonspell" ou "Alpha Noir" mas que apresentam, sobretudo, uns Moonspell como nunca os ouviram a cantar um Portugal e uma Lisboa que não é solarenga, nem turística, nem luminosa.

É um disco histórico, rigoroso e sério. A besta negra que fazia falta à Música contemporânea em Portugal.

Mais informações:

Os bilhetes para os concertos 1755 incluem como oferta uma das edições do disco que não estará disponível nas lojas até ao dia 3 de Novembro, data oficial de lançamento:

40 euros - bilhete para um espetáculo + oferta da edição 1755 em vinil duplo

30 euros - bilhete para um espetáculo + oferta da edição 1755 digipack

Os primeiros quinhentos compradores, terão as edições assinadas pela banda.

Reservas, informações e bilhetes disponíveis em: www.letsgo.pt.

O GAJO AO VIVO




















THE CODE NA AMÉRICA


















Dois anos após a primeira atuação em público na Ilha de São Miguel (Açores) de onde são oriundos, The Code editaram em Março o primeiro trabalho de originais, “Estrada”.

Percorrendo vários estilos, desde o funk ao pop, passando pelo rock e pelo jazz.

The Code são:

Marisa Oliveira (voz), Félix Medeiros (guitarra), Amadeu Medeiros (bateria), Hugo Medeiros (teclados) e André Ferreira (baixo).

The Code, um nome a fixar.

TRÊSPORCENTO COM NOVO VÍDEO

Os Trêsporcento regressaram em Abril deste ano com TERRITÓRIO DESCONHECIDO, novo longa duração que marcou também a colaboração entre a banda e Flak (Rádio Macau, Micro Audio Waves), que produziu este disco.

Depois do lançamento dos singles O SONHO, que passou várias semanas na liderança no ranking de temas mais votados pelos ouvintes da Antena 3, e TEMPOS MODERNOS, cujo vídeo realça a importância da preservação da nossa costa, chega o vídeo d'A CIÊNCIA, um dos temas mais orgânicos do disco, que capta de forma mais crua a energia criada pela banda na sala de ensaios. O vídeo pode ser visto aqui.

Realizado e editado por Francisco B. Froes, o vídeo é composto essencialmente por imagens do dia do concerto de apresentação de TERRITÓRIO DESCONHECIDO no Estúdio Time Out em Lisboa - o primeiro duma sequência de datas de apresentação do disco que incluirá ainda, entre outras a anunciar, presenças no Festival Mêda + (29 de Julho) e no Festival do Crato (26 de Agosto).

TERRITÓRIO DESCONHECIDO é o terceiro longa-duração de originais da banda, seguindo-se a «Hora Extraordinária» (2011) e «Quadro» (2012), tendo estes sucedido ao EP de estreia «Trêsporcento» (2009). Neste intervalo, a banda editou ainda «Lotação 136», um álbum gravado ao vivo no Teatro Aberto, em Lisboa, em 2014 e, em 2015, lançou dois singles, «Homem Novo» e «Aguentem-se os Fracos».

www.tresporcento.pt
www.facebook.com/tresporcento
 

OUT.RA APRESENTA















Avizinha-se um fim de semana de excelência no Barreiro, com dois eventos quase-surpresa marcados para sexta e sábado.

Na sexta-feira, dia 23, abrem-se as portas do inigualável espaço da Casa da Cultura da Baía do Tejo, para que Pedro Sousa, Rodrigo Pinheiro & Gabriel Ferrandini, três "altas patentes" do novo jazz português, mostrem algum do trabalho que lá estão a desenvolver, numa Residência Artística com o patrocínio da Baía do Tejo que se estende até início de Julho e culmina com um concerto final na Biblioteca Municipal.

No sábado, 24, vão pela primeira vez à especial Praia de Copacabana para a tradicional Summer Night Session, inserida nos Espaços Vivos 2017, e logo com um convidado do calibre de DJ Maboku, excelso representante da editora Príncipe Discos, que vem levando a todos os cantos da Europa a música dançante única que se vai fazendo nos bairros periféricos e "problemáticos" da Grande Lisboa: tarrachos, afrohouse, kuduro, e um vale-tudo electrónico numa da mais entusiasmante música de dança do presente e do futuro.

MODA AMERICANA COM NOVO SINGLE











Magia de Cabeça Encostada" é o novo single e um dos temas escolhidos para os Novos Talentos FNAC

Single é o terceiro avanço de "Singapura" e poderá ser ouvido Sábado no FNAC Live, no Village Underground.

Magia de Cabeça Encostada é uma ode à infantilidade e ingenuidade dos Moda Americana, uma banda que recusa apatia – o que é bem visível nos seus concertos – e toda a rotina associada à vida mundana. Este é o terceiro single do disco de estreia da banda, “Singapura”, que depois de uma tournée por todo o país com casas cheias, querem demonstrar que vieram para ficar.

O Realizador do vídeo, João Barriga, adapta-se à visão da banda deixando o seu cunho pessoal, retratando de uma maneira infantil e cómica, uma banda de amigos, completamente aptos para ser putos outra vez e sonhar em extravagâncias.

A música faz parte do disco Novos Talentos da Fnac 2017, que tem a curadoria do bem conhecido Henrique Amaro da Antena 3 e que é lançado hoje ao público. Os Moda Americana fazem também parte do alinhamento para o festival Fnac Live 2017 que vai acontecer no próximo Sábado no Village Underground Lisboa e que conta com nomes como Capicua, PZ, Noiserv, Flying Cages ou George Marvinson, só para enumerar alguns. A entrada é livre.

RESISTÊNCIA: 25 ANOS DE CANÇÕES E DE AMIGOS









Raquel Tavares é a mais recente voz a juntar-se à festa com que a Resistência pretende assinalar esta viagem de 25 anos feita de canções e de amigos. Depois do anúncio de António Zambujo, a confirmação de Raquel Tavares vem reforçar a ideia de que esta é, na verdade, uma celebração da própria música portuguesa, como sempre foi, aliás, o grande propósito da Resistência.

Quando Raquel Tavares ganhou a sua primeira gala da Grande Noite do Fado, com apenas 12 anos de idade, em 1997, já o colectivo de vozes e guitarras tinha lançado os álbuns Palavras ao Vento (1991), Mano a Mano (1992) e Ao Vivo no Armazém 22 (1993). A fadista ouviu-os provavelmente na rádio nesses tempos formativos, antes de se lançar na sua própria aventura que desembocou em Raquel, o seu álbum de 2016 em que canta Caetano Veloso e Mallu Magalhães, Rui Veloso e... António Zambujo. Faz sentido, claro, que ambos se juntem agora a quem sempre procurou celebrar essa mesma ideia de lusofonia capaz de atravessar décadas e oceanos.

Fernando Cunha confessou que ter a Raquel Tavares em palco foi uma grande conquista para a Resistência: "A Raquel já cruzou o mundo com a nossa língua, já foi aplaudida nalguns dos melhores palcos internacionais, sabe bem o que significa cantar em português, como a canção certa pode levar o espírito de um povo muito longe. Faz sentido tê-la ao nosso lado, ao lado do António Zambujo que também aceitou o nosso convite".

13 de Outubro no MEO Arena e a 14 de Outubro no Pavilão Multiusos de Guimarães, o colectivo formado por Alexandre Frazão (bateria), Fernando Cunha (voz e guitarra 12 cordas) Fernando Judíce (baixo), José Salgueiro (percussões), Mario Delgado (guitarra), Miguel Angelo (voz), Pedro Jóia (guitarra clássica), Olavo Bilac (voz) e Tim (voz e guitarra) voltará ao palco para, como escreveu Pedro Ayres no texto que acompanhava a edição do DVD com o registo do concerto do álbum Horizonte, de 2015, voltar a fazer “a apologia da canção de autores portugueses da música eléctrica e dos concertos cantados pela comunidade do público”. Só assim, aliás, faz sentido celebrar.
Informação de Bilheteira

MEO Arena | 13 outubro, 21h30
Preço dos bilhetes de €30 a €70 à venda nos locais habituais | www.ticketline.pt

Multiusos de Guimarães | 14 outubro, 21h30
Preço dos bilhetes de €25 a €60 à venda nos locais habituais | www.bol.pt

Reservas 18 20 (24 horas)

ATR FAZ 10 ANOS




















A hiperactiva Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus infames gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) continuam a celebrar 10 anos de ruído terapêutico ao longo de todo este ano, mas depois de terem cumprido oficialmente o seu aniversário em Maio, abrandam um pouco o seu imparável ritmo nos próximos meses!

Esta sexta-feira (23 de Junho) há o sexto acto da Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, residência mensal da ATR no Damas que desta feita incluirá uma prelecção sobre ruído delicado pelo duo italiano Comaneci (que regressa a Portugal depois de uma memorável passagem pelo nosso país em 2013 e das vindas a solo em 2014 e 2016 de Glauco Salvo aka Of Rivers and Trains), uma dissertação sobre ruído inefável pelo terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Desmarques e ainda uma palestra sobre ruído exótico pela doutora Candy Diaz! Para a ocasião será reeditado digitalmente através do bandcamp da ATR o álbum “Bear With Me” do terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Zé Trigueiros, juntamente com o seu novo single “Telhado”, dando continuação a uma série de reedições de discos que tiveram a colaboração da ATR! (+ info em baixo e aqui)
 
E no dia seguinte (sábado | 24 de Junho) Comaneci e Desmarques estarão também nas Caldas da Rainha para um "house concert" no Moinho Saloio, organizado pela boa gente do Grémio Caldense! (+ info aqui)



23 de Junho | sexta-feira | 23h

Comaneci (it)
Candy Diaz (dj set)

Rua da Voz do Operário, 60 - Lisboa
entrada livre


No cada vez mais fértil panorama das promotoras e demais agentes de disseminação cultural fundamentadas na crença e na verdade, é absolutamente obrigatório destacar o pioneirismo bravo do trabalho incansável desta Associação Terapêutica do Ruído contra todas as intempéries. Entidade gémea dos dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS que tem vindo a a inflamar o tecido cultural deste país com inúmeros concertos e actividades espalhados por todos os locais de interesse neste país, num exemplo de bravura ainda longe de estar devidamente cartografado, mas merecedor do maior respeito e admiração.

No ano em que celebram uma década de actividade, num exemplo quase único de resistência e visão por estes lados, esta cooperativa de meliantes e agitadores fundamentada num princípio comunal de honestidade e coração celebram esse mesmo feito com a Convenção Internacional do Ruído Terapêutico. Nova residência da ATR nesta casa que sempre os acolheu e que se vai estender ao longo deste ano em 10 aparições alinhadas com o espírito inconformista e a vontade que sempre guiou os seus instintos.


Com nome sacado à lendária ginasta Nadia Comaneci, este duo originário de Ravenna em Itália, regressa a Portugal novamente pela mão da ATR, num estreitar de relações desta comunidade fervilhante. A atravessar 12 anos de existência pejados de aparições um pouco por todo o mundo, partilhando palco com gente tão ilustre como Six Organs of Admittance, Howie Gelb ou Codeine, os Comaneci partem da folk e dos blues para as deixarem levitar num plano com tanto de intangível quanto comunal. Canções atmosféricas, feitas de sonho e nuance, num chamamento etéreo que em palco se assume como um ritual.


Alias de João Marques, um dos cabecilhas da ATR e guitarrista nos dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS - mas também membro dos hibernados Lemur e de outras divagações mais ou menos perenes - que aqui se apresenta em solitário e muito provavelmente com guitarra portuguesa. Militante do ruído, a solo mostra-nos uma faceta igualmente exploratória mas em levitação, com recurso a pedais e demais quitanços onde a tradição do instrumento é transfigurada numa outra música que não aquela a que normalmente é associada, mas igualmente rica e lírica. Planante, em curso desviante.


Co-autora do programa “A Floresta Encantada” na companhia de Tiago Castro (aka ACID ACID), Candy Diaz, de seu verdadeiro nome Ana Farinha, tem sido umas das mais activas e entusiasmantes divulgadoras de recantos mais ou menos - com todos os pontos intermédios - obscuros do garage e demais derivações psicadélicas e urgentes do rock em toda a sua cartografia. Nesta noite e em linha com o seu carácter disruptivo, abre essa panorâmica para abarcar também o experimentalismo, o espaço infinito do dub e o desconhecido.


textos: Bruno Silva


Entretanto já está disponível para escuta a mixtape “10 anos de ATR & dSCi (capítulo VI)” que a ATR e a stress.fm prepararam com temas de alguns dos projectos que já passaram ou que ainda vão passar por este terapêutico mês!

E também já está disponível “20min”, o primeiro disco de Kid, novo projecto de música electrónica do terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Boris Nunes, pela recém-criada editora Partícula!

FILHO ÚNICO APRESENTA

terça-feira, 20 de junho de 2017

JOÃO LOBO APRESENTA NOVO DISCO








Este sábado, dia 24 de Junho pelas 22:00H a Galeria Zé dos Bois recebe em primeira mão a apresentação dos novos trabalhos dos músicos João Lobo e Garcia da Selva.
 
Garcia da Selva é o heterónimo de Manuel Mesquita. Seja na música, no cinema ou nas artes performativas, a sua presença já é ominipresente no panorama nacional. Na tela, podemos vê-lo em filmes de João Nicolau, Miguel Gomes ou Sandro Aguilar, enquanto contribui com frequência para diversas trilhas sonoras ou instalações artísticas. Uma obra desde logo multifacetada e pertinente, suficiente para o distinguir como um dos ‘genuínos’ dos nossos tempos. Esta apresentação no Aquário da ZDB, será realmente especial. Marca antes de mais o lançamento, em primeiríssima mão, de um muito aguardado novo disco. Radical Savage é mais uma peça no seu puzzle biográfico – e igualmente na produção musical deste ano feita por cá.

Contemporâneo de outros fenomenais como Marco Franco ou Gabriel Ferrandini, a linguagem de Lobo assenta unicamente no acto de não assentar. O título ‘Nowruz’ nasce de uma referência cultural ao Fim de Ano iraniano cujo significado poderá ser traduzido de ‘novo dia’. É definitivamente uma nova fase para o baterista.

Após uma década de outras vidas e outras estórias, João Lobo apresentará pela primeira vez, o seu primeiro trabalho a solo ‘Nowruz’, lançado este ano. Gravado sem recurso a overdubs ou amplificação acústica, o sentimento telúrico fervilha como um vulcão. Esta apresentação singular levará o baterista a tocar precisamente no centro da sala, alterando assim a disposição habitual do espaço, criando uma atmosfera acolhedora e uma experiência distinta.

''João Lobo pegou num desafio e concretizou-o sem receio. (...) quem se interesse pela exploração musical e tenha curiosidade pela criatividade dos processos, encontrará neste disco um objecto profundamente recompensador.'' - Nuno Catarino (BodySpace)
 

COUPLE COFFEE COM NOVO DISCO

















Couple Coffee com álbum "Fausto Food" em homenagem a Fausto Bordalo Dias.
À venda a 23 de Junho

Descaradamente para ti

Este disco pode ser um choque. E será, seguramente, um “caso” que vai fazer-se ouvir e dar que falar por muito, muito tempo. Não apenas porque é indecentemente bom, mas porque abre uma porta que, até agora e no mundo inteiro, muito poucos se atreveram a transpor com êxito: (o)usar e mexer no que já é perfeito, retomando uma dúzia de velhas canções e transportando-as para uma outra dimensão sem que a essência de cada uma delas em momento algum se dilua ou se desfigure.
Este disco é um trabalho de inteligência. Propõe-nos, a partir de um conjunto de temas de um dos maiores criadores portugueses, uma outra escuta e uma outra leitura, universal e contemporânea, que as engrandece e acrescenta. Se dúvidas houvesse sobre a perenidade adjacente à obra de Fausto Bordalo Dias, bastaria ouvir estas canções, refeitas com muito engenho e grande arte: está aqui tudo o que já estava, mais o que lhes foi acrescentado, e o mais que se ouvirá.

Este disco é, pois, a prova de vários factos: que esta música está (esteve sempre) muito para lá do tempo e do espaço em que foi feita; que estas palavras e estes sons carregam em si toda uma visão dinâmica do mundo; que com talento e génio em doses certas não há mesmo limites para o que a música pode ser.

Este disco é o passo seguinte de uma das mais notáveis bandas de língua portuguesa. Luanda Cozetti e Norton Daiello são os Couple Coffee, ou pelo menos a sua parte mais visível. Na verdade, o duo é frequentemente um agregador de talentos vários (como aqui acontece, e aconteceu também nos registos anteriores), juntando vozes de diferentes quadrantes e sensibilidades, associando músicos com distintos percursos, e criando a partir daí como que uma outra identidade, concreta e definida, onde o total é sempre muito mais do que um somatório de partes avulsas.

Este disco é um caso de perfeita simbiose entre o amador e a coisa amada: entre Luanda, Norton e todos os músicos que tão prazenteiramente se nos apresentam, e o autor e as canções que escolheram para dar corpo a uma obra que é, só podia ser, um acto de amor. E, por isso, também um acto de partilha. Tomai e comei.

Este disco chama-se “Fausto Food”, e isso não é um acaso – como nada do que a Luanda e o Norton fazem é por acaso. Para os que, por simplicidade ou preguiça, se apressem a fazer a analogia fonética óbvia com qualquer tipo de comida rápida, dir-lhes-ei que esta “food” é antes uma refeição gourmet, para saborear intensa e vagarosamente como é próprio dos bons manjares. E, já agora, com o som bem alto, de preferência.

Este disco não é próprio para ouvidos calcificados, como não o é nenhum outro disco de Fausto ou dos Couple Coffee. Digo, com a certeza que me dá tudo o que (ou)vivi, que este é dos melhores trabalhos a que a língua portuguesa e música dela deram origem neste século.

Este disco pode ser um choque, e oxalá que sim. O Fausto, a Luanda, o Norton, e todos quantos lhe deram corpo e alma, merecem. E nós, ouvintes felizes, só temos de lhes agradecer este (en)canto.
Posto isto, apertem os cintos, e lá vamos nós. Descarada e alegremente, que o tempo não é de ais, mas de querer mais.

Viriato Teles
(escrito em profundo desacordo e sem nenhum respeito pelo “Acordo Ortográfico”)

FEEDBACK NO MONTIJO

PROGRAMA DE 20/06/17

1 - O Gajo - Há uma festa aqui ao lado
2 - Há Lobos Sem Ser Na Serra - Sarapateado
3 - Jorge Rivotti - Santa Apolónia
4 - Sebastião Antunes - Balada do desajeitado
5 - Um Corpo Estranho - Scarlett
6 - Capitão Capitão - Sessenta & quatro
7 - Os Azeitonas - Tanto de ti
8 - Souls OF Fire - Sei lá

9 - Carminho - Sabiá (c/ Fernanda Monte Negro)
10 - Cristina Branco - E às vezes dou por mim
11 - Teresa Salgueiro - Horizonte
12 - Sónia Oliveira - Lembra-me um sonho lindo
13 - Celina da Piedade - Acredito
14 - Terra Batida - Aldeia
15 - Medeiros/Lucas -  Fome de vento
16 - Filipe Sambado - Subo a montanha

VITOR BACALHAU COM NOVIDADES















"Dirty Little Girl" já se encontra disponível nas plataformas de música.

 O tema é o primeiro single do novo disco do Vítor Bacalhau - "Cosmic Attraction” que será lançado em Outubro deste ano com o selo da Mobydick Records. O músico algarvio tem vindo a dar provas de grande competência e maturidade no mundo do Blues/Rock nacional.

PROFJAM OFERECE MORTALHAS



















 
"Mortalhas" é o novo single de ProfJam. O sucessor de "Matar o Game" conta com a produção de Here's Johnny e Benji Price, e instrumental da Internet Money.

O vídeo, gravado em Londres e produzido por Gerssis David, já pode ser visto aqui.

Depois de "Xamã" e "Matar o Game", ProfJam volta a mostrar a sua versatilidade e a surpreender ao dar continuidade à afirmação estabelecida nos últimos dois temas, sendo já considerado uma das referências a seguir no hip hop nacional.

Há três anos atrás, ProfJam decidiu criar um novo universo no Hip-Hop nacional com “Big Banger Theory” e desde aí não tem parado. 2016 marcava o seu regresso com “Mixtakes”, marcado pelo sucesso do tema “Queq Queres”. Depois de estudar a lição em Londres no curso de produção musical, ProfJam voltou a Portugal em Setembro de 2016, onde atualmente já conta com uma carreira ao vivo nos melhores palcos nacionais, tendo regresso marcado ao Meo Sudoeste 2017, assim como vários espetáculos de norte a sul do país.
 

THE GIFT SÃO A MAIS RECENTE CONFIRMAÇÃO DO SBSR




















The Gift são a mais recente confirmação do cartaz oficial da 23ª edição do festival Super Bock Super Rock. Levam consigo o seu mais recente ALTAR, produzido por Brian Eno e misturado por Flood, numa atuação que acontece dia 14 de julho no Palco Super Bock.

Este que é dos maiores festivais de verão do país encerra assim o alinhamento para esta edição. No dia 14 de julho, a banda de Alcobaça divide o palco principal com Future e London Grammar.

Ainda antes de regressar aos palcos nacionais, a banda prepara-se para um concerto único em Central Park, Nova Iorque (EUA). No dia 24 de junho, este sábado, The Gift apresentam o seu mais recente trabalho ao público nova-iorquino no evento Summer Stage, promovido pelo Arte Institute. Um evento que acontece desde 1986 e oferece cerca de 100 espetáculos todos os verões aos habitantes da cidade.

ZÄTGEIST EDITAM PRIMEIRO SINGLE

A banda estreou-se ao vivo no Spot Leões das Furnas em Março de 2017 e tocou ainda no Churrasco de Engenharia Civil do Instituto Superior Técnico (IST) em Maio de 2017.

Atualmente os Zäitgeist estão a preparar-se para voltar a estúdio, na Lemon Drop Media, onde irá gravar desta vez um conjunto de músicas que ajudarão a consolidar o som da banda e a sua posição no panorama actual da música portuguesa.

Membros:

Filipe Carapeto – 05/12/1991
Tiago Vale – 10/02/1995
José Vasco – 03/09/1991
Patrícia Gonzalez – 18/10/1996

Biografia:

Zäitgeist é uma banda lisboeta, criada em 2016 por Filipe Carapeto. O seu som é uma mistura de um rock com harmonias vocais à la Beach Boys, alternando com um registo mais acústico, lembrando Dave Matthews Band, uma das muitas inspirações da banda.

A banda é actualmente formada por Filipe Carapeto (guitarras e vozes), Tiago Vale (baixo e vozes), José Vasco (bateria) e Patrícia Gonzalez (vozes).

A banda gravou o seu primeiro single “O Mundo é grande (mas não há lugar para corações solitários)” em Janeiro de 2017, no Namouche e posteriormente conclui-o e Fevereiro do mesmo ano. O single foi lançado dia 08/06/2017 e está agora a ser divulgado.
 

EM SETÚBAL










O que é que há melhor do que uma noite de boa música ao vivo? Exacto, duas noites de boa música ao vivo!

Este fim-de-semana, dia 23 e 24 de Junho, a Experimentáculo tem para oferecer dois dias de cantigas a sério, com Partisan Seed (dia 23), Azevedo Silva e De La Motta (ambos no dia 24), ao vivo na Casa da Cultura. E se o bilhete para cada dia custa 3 euros, há ainda a possibilidade de adquirir um passe para os dois por apenas 5 euros.

PARTISAN SEED

É um dos nossos cantautores favoritos de todo o sempre e não nos cansamos de o dizer. Partisan Seed, o alter-ego de Filipe Miranda, deu em 2013 um concerto incrível na Casa da Cultura e agora, que tem novo disco, não podí­amos deixar passar a oportunidade de o recebermos de novo. "Insomnia" é o nome do álbum que vamos poder ver no primeiro de dois dias de um fim-de-semana de grandes cantigas.

AZEVEDO SILVA

Azevedo Silva é um nome bem conhecido dos palcos setubalenses, onde o vimos dar alguns concertos memoráveis. O cantautor lisboeta, que em seis discos redefiniu a canção de intervenção e o cancioneiro nacional, está de volta às lides musicais, depois de um hiato mais ou menos prolongado. E para nossa delí­cia, vamos tê-lo de regressoà  Casa da Cultura.

DE LA MOTTA

Os manos Motta têm um currí­culo largo no que diz respeito à  sua atividade musical. Ao longo dos anos, habituamo-los a ver em algumas das melhores bandas setubalenses: dos Ash is a Robot aos Um Corpo Estranho, dos Marte aos Flowers on the Minefield... Agora, João e Gonçalo juntaram-se para darem vida às canções que tinham em casa. E enquanto não chega o muito aguardado álbum de estreia, vamos podendo ouvi-los e vê-los ao vivo. Com as suas cantigas a sério.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

PROGRAMA DE 19/06/17

1 - Rosemary Baby - I can't breathe
entrevista Bruno Rosmaninho (Rosemary Baby)
2 - Rosemary Baby - Selfish
3 - Souls of Fire - Sei lá
4 - Os Azeitonas - Circo zen

"Discos da casa" - crónica de Bruno Pires

"Letters from the boatman" - a Jigsaw
5 - Lion's eye louder
6 - New man waiting
7 - 
Letters from the boatman
8 - Candy


9 - Bloom - Rain dance
10 - Sean Riley & The Slowriders - Greetings
11 - Frankie Chavez - Long gone (ao vivo no TAGV em 2014)

ESTÁ A CHEGAR MONDAY




















«Yo-yo» é o nome do primeiro single de apresentação de Monday, novo projeto liderado por Cat Falcão, metade do duo Golden Slumbers. O tema, bem como o resto do disco de estreia cuja data de lançamento será divulgada em breve,​ foi produzido por António Vasconcelos Dias (Benjamim, Julie and the Carjackers, TAPE JUNk) e​ a banda que acompanha a Cat  é ​ composta por António Vasconcelos Dias na guitarra, Nuno Simões no baixo, Sérgio Nascimento na bateria e Zé Guilherme Vasconcelos Dias nas teclas.
 
«Yo-yo» fará também parte da coletânea Novos Talentos FNAC 2017, que será editada esta quarta-feira dia 21 de Junho, estando agendado um showcase de Monday no evento FNAC Live
2017 ​no Village Underground Lisboa​ no dia 24 de Junho, às 16h30 (entrada livre).

Link Bandcamp | Link Spotify | Link Facebook | Link Instagram
​​Ficha Técnica: Yo-yo

Músicas e letras: Cat Falcão
Produção: António Vasconcelos Dias
Gravação: Pedro Vidal (Estúdio Vale de Lobos)
Mistura: Hugo Valverde
Masterização: Miguel Pinheiro Mendes (SDB Mastering)

​​Vídeoclip
Realização: Filipa Simão
Produção: Catarina Falcão & Filipa Simão
DOP: Vasco Mascarenhas
Direção de Arte: Filipa Simão
Operação de Câmaras: André Pinto & Vasco Mascarenhas
Pós Produção: Ricardo Catarino & Filipa Simão
Edição & VFX: Filipa Simão

Fotografia Rita Coroado
Edição e Ilustração Manuela A. Peixoto
 

SERUSHIO LANÇAM NOVO VÍDEO OFICIAL “BELIEF”

A dupla portuense revela à Noite e Música Magazine o vídeo de "Belief". O novo single integra “Groove Lee”, álbum editado em abril deste ano.

 O vídeo foi realizado pelos criadores de Viagens 100 Nomes.

Viagens 100 Nomes é um projecto composto por um casal que acredita que viajar é um sinónimo de conhecimento. O nome diz tudo: ver muito, mas sem um destino óbvio. Estão neste momento na Ásia, sem bilhete de volta.

Começaram em Janeiro de 2017 no Nepal, desceram para a Índia e foram para o Sudeste Asiático. Ao longo dessa viagem querem estar o mais perto possível das culturas que preenchem os países por onde passam. Para isso tem utilizado plataformas como o Workaway, Couchsurfing e outras similares.

Desse modo podem contactar quem esteja disposto a hospedar em troca de algum serviço, que pode ir desde trabalho agrícola, de escritório, cozinha, contribuição artística ou até mesmo companhia.

Neste vídeo a simbiose entre letra e imagens é um feliz encontro. Maioritariamente as imagens são relativas a um WorkAway no Norte da Tailândia. Numa pequena vila chamada de Pasag Noi, a Ana e o João tiveram a oportunidade de fazer novas e boas amizades, de interagir com miúdos numa escola e de conhecer as profundezas da cultura tailandesa.

Sérgio Silva e José Vieira, os membros Serushio, já tinham revelado o vídeo para o tema "Bad News", a primeira amostra de Groove Lee.Este novo trabalho da dupla portuense foi gravado, misturado e masterizado por Zé Nando Pimenta em Lisboa, nos estúdios da IA/Meifumado. Fred (Orelha Negra), Zé Nando Pimenta (Paco Hunter), Diogo Ribeiro (Francis Dale) e Mariana Norton formam o leque de convidados.

Groove Lee tem sido apresentado ao vivo, em inumeros concertos e as próximas datas já confirmadas são:
3/4 agosto – Pestana Hotels, São Tomé e Príncipe
13 agosto – Vodafone Paredes de Coura

www.serushio.com | www.xinfrim.pt | Burgo
 

DESTAQUES DA SEMANA


SANTO NO ALTAR

SEI LÁ - Souls of Fire
(novo single )

Para ouvir todos os dias desta semana



DISCO RECORDAÇÃO

AZ - Os Azeitonas
(2013, EMI)

Para ouvir um tema diferente todos os dias desta semana

OIOAI DE REGRESSO














O regresso com a Xapa 13 e o single "Ela Melhora"

A história deste acerto de contas podia começar de várias maneiras… Por exemplo, com o momento em que cinco tipos a rondar os 40 anos resolvem entrar num estúdio para gravar o primeiro disco juntos.

Ou quando os quatro se reencontram no casamento de um quinto e sentem por uns instantes como seria bom voltarem a ser uma banda.

Ou até mesmo naquele pensamento insistente que nunca largou um deles, de que deviam concretizar o álbum tão desejado por aquele mesmo grupo quando ainda eram “uns putos irreverentes”.

De uma forma mais linear, podíamos começar assim:

Mais de dez anos depois do último concerto, a formação inicial dos OIOAI grava por fim o primeiro álbum de estúdio. Contam neste LP com um quinto elemento.

E ainda com mais uns bons anos de vida, feitos de várias outras bandas, muitas centenas de concertos e descendência abundante, num total de oito filhos.

O resultado? 12 faixas de Rock’n’Roll encorpado, que vão desde temas mais pessoais, como a perda de quem mais amamos, a reflexões sobre a passagem do tempo e um manifesto contra a exploração de petróleo na Costa Vicentina.

O casamento que agora faz parte da história de todos, foi no Verão de 2016. Do João Gil (Diabo na Cruz, You Cant’ Win Charlie Brown), o único membro novo desta formação. Os restantes são Pedro Puppe, João Neto, Bernardo Barata e João Pinheiro, os mesmos que se juntaram pela primeira vez em 2002 e que passaram o ano de 2004 a tocar todas as semanas no “Europa”, no Cais do Sodré, em Lisboa.

“Eram concertos memoráveis, ‘de vida ou de morte”, lembra Puppe.

Barata e Pinheiro abandonariam a banda mesmo antes do contrato com a EMI.

Entre 2006 e 2009, os OIOAI lançariam dois álbuns, “Oioai” e “Pela Primeira Vez”. Depois disso, encetariam outros projectos.

Mesmo quando a ideia é resolver o passado ou fumar o cachimbo da paz, há sempre o risco de a história se repetir. Sobretudo quando já se passou por tanto Rock’n’Roll juntos. Ainda assim, Puppe, depois de vários trabalhos a solo e com formações mais pequenas, como Miúda, não tem dúvidas: “Já compensou. Queria voltar a ter a sensação ‘de banda’ que só tive com eles. É um disco que tem cá muita amizade dentro.” E continua: “Ter uma banda é simultaneamente a melhor e a pior coisa do mundo. É ter quatro namoradas ao mesmo tempo, mas também sentir que estão cinco pessoas a trabalhar para a mesma coisa.”

O single “Ela Melhora”, em torno do sentido da vida, já passa na rádio. O álbum sai em Outubro de 2017.
 

THIS PENGUIN CAN FLY AO VIVO














Junho
24/ Festa da Primavera, Viana do Castelo

Julho
22/ TBA, Porto

Agosto
22/ Festival Vodafone Paredes de Coura

BED LEGS NA ESTRADA















Julho
8/ Festival Souto Rock, Barcelos
9/ Alameda Beer Fest, Faro
21/ Park Fest, Paços de Ferreira
29/ Gerês Rock Fest

Agosto
5/TBA
11/Douro Rock, Peso da Régua
25/TBA

Setembro
7/TBA

O FIM DE S. PEDRO A CHEGAR




















Pedro Pode já foi MC de hip-hop e até baterista de uma banda de metal, mas trocou o rap pelo canto e a bateria pela guitarra, e começou a compor canções.

Ganhou notoriedade enquanto líder dos doismileoito, e agora reinventa-se como S. Pedro.

A resposta às muitas ideias soltas que se acumulavam no computador e no telemóvel e que tinham de ser concretizadas. Um conjunto de canções que foi escrevendo, guardando, deixando crescer. Estavam presas como pássaros numa gaiola ou balões numa rede. E precisavam de voar.

S. Pedro libertou-as. Construiu um estúdio analógico, uma oficina de artesão. E foi gravando com tempo, em fita magnética, aperfeiçoando arranjos, acrescentando instrumentos, e convidando amigos para colaborarem.

Primeiro, o Tó Barbot, baixista de uma banda mítica de funk da Maia, malta do funk. Foi não só um cúmplice como ajudou a definir o som do grupo.

Depois o André Aires, que já tinha tocado nos doismileoito, tomou conta da bateria.
Entretanto, o Júnior Amaral, que já trabalhou em discos do Roberto Carlos, entre outros compatriotas, trouxe o perfume do Rio de Janeiro nas teclas.

Assim nasceu a banda S. Pedro e o disco “O Fim”, ainda com as colaborações de Sérgio Pacheco, trompete em “Que Azar”, Sónia Amorim, violoncelo em “Quim” e Andreia Teixeira, que fez coros em quase todas as músicas.

Um disco pessoal e transmissível, feito de canções simples, histórias quotidianas e letras que nos fazem sorrir e pensar.

Canções nas quais nos reconhecemos, com versos que ficam a ressoar, alguns na ponta da língua. Métrica redonda, recorte clássico e pop diletante onde se busca o essencial, até porque “é o bis encore que torna feia a canção”.

O tipo de coisa que se adivinhava de alguém que tem um gato chamado Samuel, joga matrecos e é fã do Porto.

“O Fim” vai ser o princípio de uma bela amizade…

WORKSHOP DA AMAIE









No próximo sábado, 24 de Junho, a AMAEI leva ao Centro de Inovação da Mouraria, em Lisboa, um novo workshop focado na importância da Propriedade Intelectual e no Licenciamento de Música.

Sob o título "A Importância de assinar contrato: edição, licenciamento, propriedade intelectual e direitos de autor", a AMAEI leva até à Sala Multiusos do Centro de Inovação da Mouraria, em Lisboa, o seu novo workshop. Direcionado para quem se inicia na edição fonográfica, focar-se-á nas vantagens do licenciamento, nos tipos de licenças possíveis de atribuir a diferentes obras e na importância de proteger o trabalho artístico.


O orador convidado para a sessão de dia 24 de Junho é o Dr. Francisco Borges, músico e advogado especializado em propriedade intelectual, direitos de autor e direitos conexos. Membro da AMAEI enquanto consultor jurídico, prestando assessoria jurídica à Associação e aos seus associados, licenciado em Direito e Mestre em Ciências Jurídicas Empresariais pela Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa; Pós-Graduado em Direito da Sociedade da Informação e Direitos de Autor pela Associação Portuguesa de Direito Intelectual, e autor do livro "Responsabilidade Civil nos Contratos de Espetáculo", editado em 2015 pela Wolters Kluwer.


O workshop é aberto ao público, precisando apenas de inscrição por e-mail (ana@amaei.org) até às 17h do dia 13 de Junho. Esta terá um preço de 10€, sendo que para associados AMAEI é de acesso gratuito.


Sobre a AMAEI:
A AMAEI, Associação Profissional de Músicos Artistas e Editoras Independentes em Portugal, é uma Associação Profissional Fonográfica que reúne os Produtores Fonográficos Independentes em Portugal, sejam eles editoras independentes ou músicos artistas auto-editados. É associada da WIN e da IMPALA. Defender, unir, organizar e promover o setor da música independente nacional, tanto em Portugal como no estrangeiro, é a sua missão.

domingo, 18 de junho de 2017

MALVEIRA EM FESTA












Realiza-se no próximo dia 4 de novembro, no Pavilhão Multiusos da Malveira (concelho de Mafra, distrito de Lisboa), a segunda edição do festival de Metal e Hardcore Oeste Underground Fest.

De cariz solidário, dado que visa auxiliar os bombeiros locais, o evento será constituído por 14 bandas portuguesas e estrangeiras, praticantes da melhor música pesada que atualmente se faz na Europa. Numa decisão arrojada, o festival abre-se pela primeira vez à inclusão de grupos estrangeiros.

O alinhamento já se encontra fechado, tendo como cabeças-de-cartaz os alemães Acranius. Antes, ainda, tocam os suíços Enzephalitis (cujo vocalista é Ricardo Proença, ex-Analepsy), os espanhóis Lapidated, os ucranianos sediados em Portugal Yar e os portugueses Raw Decimating Brutality (RDB), Bleeding Display, Sacred Sin, Revolution Within, Dead Meat, Konad, Humanart, Steal Your Crown, Ravensire e Trepid Elucidation, num pacote de luxo que, sem dúvida, irá satisfazer os fãs de Metal e Hardcore.

Na sequência do inegável êxito de que a edição inaugural (realizada a 5 de novembro de 2016) se revestiu , com 259 pagantes, a organização pretende uma vez mais realizar um evento de elevada qualidade, com forte impacto económico na área geográfica em que se insere.

Em simultâneo, é objetivo da organização preservar e exponenciar o espaço que o Oeste Underground Fest notoriamente já conquistou no mapa dos festivais underground em Portugal. Aliás, a realização anual do evento é um objetivo assumido pela organização.

Na edição anterior o evento revelou-se um enorme êxito, trazendo à Malveira cerca de 500 pessoas, entre público, bandas, imprensa e responsáveis de bancas de merchandise, de tal forma que os Bombeiros Voluntários locais ‘’exigiram’’ a realização de muitas mais edições. É para isso que trabalhamos!

Contactos

ESTA SEMANA NO SANTOS DA CASA
















Entrevistas:

17.06.19 19h00 - ROSEMARY BABY
17.06.21 19h00 - ROCK FEST

Para ouvir nos 107.9fm da Rádio Universidade de Coimbra ou em emissao.ruc.fm

13 FADOS 25/2017 (18JUN)

Um tema novo e sem alteração na frente esta semana

Saiu:
NURA PAKHANG (EU E TU) - Clã e Mangka

Aproximam-se:
FLOR SEM TEMPO - Paulo de Carvalho com Diogo Piçarra
A DAY OF SUN - Alexander Search
IDEAL - Lingua Franca


13 (02) 03 DE ALMA DESPIDA - Tatanka
12 (11) 04 AMAR PELOS DOIS - Salvador Sobral
11 (10) 15 CALA-TE E DANÇA - Manuel Fúria e os Náufragos
10 (05) 04 FATHER DEATH - Evols
09 (13) 18 PÁSSAROS A ESVOAÇAR (AO VIVO) - Mão Morta + Remix Ensemble
08 (04) 04 HEAVEN - Richie Campbell
07 (06) 03 I CAN'T BREATHE - Rosemary Baby
06 (12) 02 NADA - Rui Taipa
05 (--) 01 YOU HAVE WON - Blind Zero
04 (08) 09 PARTIR A LOIÇA - Pega Monstro
03 (09) 03 NÃO ME LEVES A MAL - HMB
02 (03) 04 SPEED OF SOUND - Holy Nothing
01 (01) 02 WHATEVER HAPPENED TO OUR LOVE - Frankie Chavez

Frankie Chavez lidera pela segunda semana

Entre todos os votantes temos dois premiados
ALBERTO MARQUES
DANIEL ROCHA
que serão contactados para o email de onde enviaram as votações

Votem, enviando 5 temas de bandas/artistas diferentes
para santosdacasa(a)ruc.pt
ou então por mensagem privada
para o facebook do santos da casa
e podem ganhar prémios


Nova tabela (26/2017) a 25JUN

sábado, 17 de junho de 2017

PROGRAMA DE 17/06/17

1 - Skypho - Contra relógio
2 - José Camilo - Eu penso, eu acho, eu si
3 - Projeto Sem Nome - Até amanhã
4 - Botequim Fantasma - Pecado
5 - oLUDO - Abraço
6 - Brando Fel -Bairro alto
7 - Malcontent - Go on
8 - Blind Zero - You have won
9 - Paraguaii - Ancient gurl
10 - Nice Weather For Ducks - Marigold
11 - You Can’t Win, Charlie Brown - Pro procrastinator
12 - Bruno Pernadas - Anywhere in spacetime
13 - RoseMary Baby - I can’t breathe
14 - Ditch Days - Zowee

sexta-feira, 16 de junho de 2017

PROGRAMA DE 16/06/17

1 - Big Band Júnior - A lua partida ao meio (com Mário Laginha)
2 - João Hasselberg & Pedro Branco - Eyes from above (com Afonso Cabral)
3 - Miss Cat eo Rapaz Cão - Do you wanna jazz?
4 - Rocky Marsiano - A story to be told
5 - The Legendary Tigerman - Do come home (Dj Ride remix)
6 - Trêsporcento - Tempos modernos
7 - Rua Direita - Mariana
8 - Malcontent - Your love is an empty place
9 - Blind Zero - You have won
10 - Sandy Kilpatrick & The Origins Band - Burlesque sky
11 - At Freddy's House - Rubber nose
12 - Sensible Soccers + Blac Koyote - Em tempos amei Pimpinha

PRÍNCIPE APRESENTA

Complementando a feliz ocasião de hoje ser o dia de lançamento do disco da Firma do Txiga - https://principediscos.bandcamp.com/album/firma-do-txiga a editora partilha o vídeo para ‘Gritos do Infinito’ do Puto Anderson (filmado pelo próprio, montado pelos Niagara.
 

EM PROENÇA-A-NOVA


















O SOL DA CAPARICA












Dança, Hip Hop e Grafitti também brilham sob o Sol da Caparica

A Show It, os Momentum Crew, a Afrobattle PT e os writers Smile e Robô levam outras artes até ao festival em que a totalidade da cultura portuguesa – em todas as suas vertentes e formas de expressão – se quer representada.

O Festival O Sol da Caparica – que acontece entre os próximos dias 10 e 13 de agosto – não se faz apenas de música e dos espetáculos que acontecem nos palcos. Há outras formas de presentear o público que irá marcar presença no Parque Urbano da Costa da Caparica, um espaço verde, privilegiado para desfrutar da melhor maneira possível de toda a arte que o Festival tem para oferecer.

A vibração do Palco Dança de volta ao Sol da Caparica!

A dança é uma das mais imaginativas formas de expressão contemporâneas, com os estilos mais urbanos a concentrarem grande parte das preferências dos mais jovens. Por isso mesmo, O Sol da Caparica desafiou a academia de dança Show It a assinar a curadoria da programação de dança dos três dias do festival.
MOMENTUM, Campeões Mundiais de Breakdance, em movimento, na Caparica!

Do Porto virá a Momentum Crew, equipa com títulos mundiais que também passará pelo Palco Dança d’O Sol da Caparica que juntará alguns dos melhores bailarinos e grupos de breakdance, Afro Battle, Kuduru e muito mais a nível nacional e internacional.

 Campeões mundiais de Breakdance, depois de vencerem as World Finals crew vs crew na Battle Pro (Marselha) em 2016, os Momentum Crew já conquistaram alguns dos maiores títulos a nível mundial em representação de Portugal. São convidados regulares dos maiores eventos de breakdance em todo o mundo e o seu líder, Max Oliveira, é o responsável por grandes eventos como “Eurobattle” e o recente despique “Porto World Battle”.

AFROBATTLE by Blaya, evento pioneiro na Caparica!

Criado e organizado por Blaya, a AfroBattlePT apresenta-se como um evento pioneiro de dança único, uma vez que o seu foco está no Afrohouse e Kuduro. A conexão entre Portugal e Angola é um laço que existe há muito tempo e que, na perspetiva musical, tem-se estreitado cada vez mais.

O Hip Hop terá ainda uma forte embaixada musical no cartaz do Festival, com Dealema e Holly Hood a representarem duas gerações de uma história que é rica em rimas e batidas.

Um dos mais sérios casos de culto em Portugal!

Os veteranos Dealema somam duas décadas de história e são um dos mais sérios casos de culto no nosso país com Fuse, Mundo Segundo, Expeão, Maze e Dj Guze a revelarem-se como cinco cabeças pensantes que desde o Expresso do Submundo ajudaram a empurrar esta cultura em direção ao século XXI.

A nova escola bem representada no Sol da Caparica!

Por outro lado, Holly Hood pode ser encarado como o representante de uma nova escola. O Homem da Linha da Azambuja que garante que é O Dread Que Matou Golias tem sido um dos mais sérios casos de sucesso nos últimos tempos e promete abalar as estruturas quando subir ao palco como homem do leme do fortíssimo colectivo de talentos que é a etiqueta Superbad.

Expressão de arte urbana ao mais alto nível!

Os writers Smile e Robô irão igualmente marcar presença nos murais d’O Sol da Caparica, mostrando todo o poder cromático das novas formas de expressão da arte urbana com peças que estão a ser cuidadosamente pensadas e preparadas para o evento, incluindo um par de sentidas homenagens que poderão passar pela história da cena musical de Almada e da vida da Costa da Caparica.

AGITAR ÁGUEDA














Vem aí a 12ª edição do AgitÁgueda! De 1 a 23 de Julho, o evento oferece 23 dias de intensa programação cultural com muitos espectáculos, animação de rua, DJ’s, performances, tasquinhas, o espaço Agitakids e o já célebre projecto de Arte Urbana, “The Umbrella Sky”, uma instalação artística de milhares de chapéus-de-chuva coloridos que flutuam pelas ruas da cidade. A entrada é gratuita!

O cartaz musical integra algumas das mais consagradas bandas nacionais e internacionais:

Sábado, 1 de Julho – Resistência
Domingo, 2 de Julho – Orquestra 12 de Abril com Manuela Azevedo
2ªf, 3 de Julho - Marta & S.O. + Eu Fúria
3ªf, 4 de Julho - Sofá Pra 2 & Orfeão de Águeda
5ªf, 6 de Julho - Hazmat Modine
6ªf, 7 de Julho - Amor Electro
Sábado, 8 de Julho - Mishlawi + XEG
Domingo,9 de Julho - Conservatório de Música de Águeda + Inês Santos
2ªf, 10 de Julho - Cão Q’Ladra
5ªf, 13 de Julho - Lura
6ªf, 14 de Julho - Ugly Kid Joe
Sábado, 15 de Julho - Piruka + Anthony B
2ªf, 17 de Julho - Santa Rita + ClipChic
3ªf, 18 de Julho - The Music Experience + Pinhão – Acoustic Sessions
4ªf, 19 de Julho - Norton
5ªf, 20 de Julho - Kočani Orkestar
6ªf, 21 de Julho - José Cid
Domingo, 23 de Julho - Gabriel O Pensador

Para além dos espectáculos, onde estarão presentes também projectos locais, o AgitÁgueda inclui uma Área AgitaKids, destinada aos mais jovens, e ainda performances, instalações artísticas, arte urbana, animação de rua, o encontro dos Homens-Estátua, o Carnaval Fora D' Horas, palco com DJ’s e 45 tasquinhas que mostrarão o melhor da gastronomia do concelho.

MALCONTENT EM PALCO














17 JUNHO / SMED / TROFA

"Criados em 2006, no Porto, com o intuito de preencher uma lacuna no panorama indie nacional, os malcontent têm vindo a ganhar admiradores e a criar uma discografia sólida com destaque para “Riot Sound Effects”, editado em 2014. Este é um “power trio” que arrasta guitarras por caminhos que conciliam o ruído e a harmonia. Com a chegada de 2016, os malcontent voltam às edições com um novo EP e um novo vídeo. “Denial” é composto por 4 temas que fizeram parte das gravações do álbum “Riot Sound Effects”, produzido por Álvaro Ramos e editado pela Honeysound. O EP tem uma edição limitada de 50 cópias. Mais uma noite a não perder no nosso Museu!"

Mais info » EVENSI

www.malcontent.com.pt
www.facebook.com/malcontentofficial
www.malcontent1.bandcamp.com
www.facebook.com/QuebraSentidos

THE PARTISAN SEED AO VIVO




















16 JUNHO / TEATRO GIL VICENTE - BARCELOS

"INSOMNIA é o título do quinto álbum de The Partisan Seed. Depois de uma viragem mais solar com o disco anterior, o músico está agora de regresso a andamentos mais obscuros, materializados numa obra instrumentalmente mais despojada e liricamente mais negra. Como habitual, traça neste álbum um resumo (quase) biográfico que desta vez o conduziu a um mergulho num mundo interior, capturado em som, audível entre a luz e a sombra. O álbum foi lançado no dia 7 de abril de 2017 e conta com a participação de Helena Ressurreição (vozes) e Fátima Abreu Ferreira (fotografia). Gravado entre Caminha, Esposende e Barcelona. Misturado por Marco Lima e Filipe Miranda no Hertzcontrol Studio e na Casa del Sol."

+Info > ver mais / evento FB

www.thepartisanseed.net
www.facebook.com/thepartisanseed
www.agenda.barcelos.pt/eventos/the-partisan-seed

quinta-feira, 15 de junho de 2017

PROGRAMA DE 15/06/17

1 - PZ - Olá
2 - Samuel Úria - É preciso que eu diminua
3 - Luís Severo - Boa companhia
4 - Capitão Fausto - Tem de ser
5 - Rua Direita - Mariana
6 - Bicho do Mato - A galinha dos ovos de ouro
7 - Blind Zero - You have won
8 - Malcontent - Happy fall
9 - Budda Power Blues & Maria João - I feel so blassed
10 - Serushio - Bad news (i don’t need you)
11 - Little Orange - Promissed land blues
12 - Frankie Chavez - My religion (c/ Same Alone)
13 - Grandfather’s House - My love
14 - The Poppers - Peyote
15 - Sean Riley And The Slowriders - Gipsy eyes
16 - Evols - Father death

NOISERV AO VIVO














É já amanhã, sexta-feira, que Noiserv tem a oportunidade de regressar a Évora para um concerto.
Desta vez para tocar no bonito "Festival Lá Fora":

#16 de Junho - Festival Lá Fora - 18h45 - Évora (Sexta-feira)
+info: http://www.fundacaoeugeniodealmeida.pt/festival-la-fora/4877.htm
 
www.noiserv.net
www.noiserv.bandcamp.com

quarta-feira, 14 de junho de 2017

PROGRAMA DE 14/06/17

1 - Souls of Fire - Sei lá
2 - Diabo a Sete - Figura de gente
3 - Paulo Bragança - Remar remar
4 - Genius Loki - Beautiful mess
5 - Bearbug - Mt. orchid
6 - Dog's Bollocks - Birds and bees
7 - Sizo - Cut it all
8 - Blind Zero - You have won
9 - Malcontent - She loves to hate

"10000 anos depois no reino dos bonifácios" - crónica de João Pedro Cotrim

   10 - José Cid - O último dia na terra
   11 - Fausto - O que a vida me deu
   12 - Rui Veloso - Fio de beque
   13 - Delfins - O último capítulo

14 - Flak - Sei onde me vou perder
15 - Luís Severo - Escola

TERROR EMPIRE COM NOVO TEMA













Os thrashers portugueses Terror Empire acabam de lançar uma nova música do próximo disco “Obscurity Rising”.

“A ‘Times of War’ é um exemplo perfeito de como fomos diretos ao que interessa neste álbum, ao mesmo tempo que experimentámos cenas que nunca tínhamos feito antes.”, diz o guitarrista Rui Alexandre. “Mistura tempos marados com batidas mais lentas e acaba a rasgar. Soou-nos mesmo muito bem. Ao contrário da música que lançámos há dias [“Burn the Flags”], que era um caos desenfreado, esta parece ser mais uma… demolição controlada.”

Em relação à letra, o vocalista Ricardo Martins revela a inspiração para a faixa: “Assistimos a provocações diárias e a uma escalada da tensão global levadas a cabo por líderes fracos e de visão belicista com toda uma indústria da guerra para agradar. Um jogo de poder perigoso que resultará num conflito global.”

O novo álbum tem data marcada para sair a 14 de julho pela Mosher Records, e as reservas podem ser feitas em www.mosherrecords.com. Trata-se do primeiro álbum depois de “The Empire Strikes Black”, lançado em 2015. Gravado nos Golden Jack Studios em Coimbra, também foi misturado e masterizado pelo baterista da banda, João Dourado.

Desenhada pelo artista André Coelho, a capa pode ser vista abaixo. Rui Alexandre adianta um pouco do seu significado, dizendo que “pode representar imensa coisa: uma lua nova, um poço de cobras - ou então ambos, por que não? É como se um novo ciclo de escuridão estivesse presente e nós basicamente estamos tramados. Mas também gosto que as pessoas interpretem à sua maneira. Estamos realmente contentes com o trabalho do André, ele é fantástico.”

Tendo recentemente partilhado o palco com os Hatebreed, os Terror Empire têm datas marcadas para o resto do ano, sendo uma delas o VOA Fest em agosto, e algumas no Norte de Espanha, ainda por anunciar

PEDRO JÓIA TRIO EM PALCO














26 de Junho - Mosteiro dos Jerónimos - 21h30
Participação Especial de NEY MATOGROSSO

"O Mosteiro dos Jerónimos é um lugar emblemático da arquitectura gótica/manuelina portuguesa", refere Pedro Jóia. "Representa um tributo à descoberta de novos mundos pelos portugueses de quinhentos e este concerto, de certa forma, representa a celebração de uma forte amizade de um músico português com um músico brasileiro, representante máximo de uma cultura musical de um mundo novo que revelámos há cinco séculos".

Este vai ser um concerto especial para Pedro Jóia: "Vou ter o enorme prazer de voltar a tocar com o Ney, com quem toquei durante quatro intensos anos, Brasil afora". E também porque, nesta noite, o público terá a oportunidade de assistir, em estreia, à apresentação de alguns dos temas que vão integrar o novo disco “Vendaval” do Pedro Jóia Trio. A data de lançamento deste álbum será anunciada em breve.

Neste espetáculo, ao talento originalíssimo de Ney Matogrosso e ao reconhecido virtuosismo de Pedro Jóia, juntam-se mais dois mestres da música – João Frade no acordeão e Norton Daiello no baixo. Os quatro, por uma noite, prometem levar os instrumentos até ao limite num repertório que incluirá folclore ibérico, música do Nordeste do Brasil e, obviamente, alguns temas incontornáveis da carreira de Ney Matogrosso, ouvidos como nunca antes.

Um momento musical ímpar pela qualidade dos artistas e pelo ambiente singular do Mosteiro dos Jerónimos.

Ao longo dos últimos 15 anos, Pedro e Ney desenvolveram uma relação, tanto pessoal como artística. Em 2003, para o seu disco 'Jacarandá’, Pedro Jóia convida Ney Matogrosso para colaborar no seu projeto musical. A cumplicidade criativa é tal que o artista brasileiro convida de imediato o músico português a integrar a sua banda. Dois discos ‘Vagabundo’ (2004) e ‘Canto em Qualquer Canto’ (2005) e duas digressões correspondentes aos discos dão lugar a quatro anos de intensa colaboração, muitas viagens e uma crescente intimidade artística entre voz e guitarra.

Bilhetes disponíveis na Ticketline e locais habituais.
 

VIAGEM AO PLANETA NOVE DE JOÃO C. SOUSA














Existem projetos que são de imediato reconhecidos e aclamados pelo público e pela crítica, e outros que levam uma vida a ser digeridos e apreciados como é suposto. João C. Sousa, o “viajante temporal” que se deu a conhecer em 2016 com um muito intrigante “How To Switch Dimensions”, alinha pela segunda ala: talvez incompreendido, decididamente em contraciclo com as propostas generalistas e facilmente descodificáveis dos nossos dias.

Depois da exploração entre realidades paralelas em “How to Switch Dimensions” e das experiências sónicas e científicas de “Emoto’s Water”, chega a vez de entrarmos na órbita de “Planet Nine”, corpo celeste de atmosfera cerrada, repleto de mistérios por decifrar, que encerra a odisseia sonora do disco.

“How to Switch Dimensions”, a mais imersiva e arrojada proposta da Music For All, encontra-se disponível em edição física e digital em plataformas como a Apple Music, Spotify, Amazon ou The Store. Para explorar sem reservas.

João C. Sousa é um compositor do Porto com um grande fascínio pelo mundo audiovisual. Desde a adolescência que compõe e grava a música que faz, tendo inclusivé feito parte de várias bandas de garagem em contexto pop. Em criança iniciou-se no estudo do piano na escola de Jazz do Porto, tendo já em adulto dedicado-se ao violoncelo, no Conservatório de Música da Maia.

Ao longo do seu percurso, João C. Sousa tem tido a oportunidade de musicar cinema e publicidade. Em 2005 foi agraciado com o prémio “Novos Criadores” na categoria de composição musical. Em 2007 compôs a banda sonora original para a longa-metragem “Sombras- Um Filme Sonâmbulo” de João Trabulo sobre os universos multifacetados do poeta Teixeira de Pascoaes. Em 2013 assinou a música para o spot publicitário do IIIº Festival Internacional de Cinema (CINECOA) e para a exposição “3 Mini” realizada na “Máquinas de Outros Tempos”. Dois anos mais tarde compôs a música para o vídeo promocional de suporte ao livro de fotografia de Júlio Aires intitulado “6:30 a.m.”. Melómano confesso, conserva na sua redoma intocável figuras como Bach, Purcell, Rameau, Laurie Anderson, John Lurie, Jeff Buckley, Kraftwerk, Einstürzende Neubauten, Swans, Depeche Mode, Dead Can Dance, Coil ou os portugueses Noiserv, Clã e Madredeus.

Acalenta ainda o sonho de poder vir a compor para teatro e para videojogos. No final de 2017 edita o seu primeiro longa-duração, intitulado “How to Switch Dimensions”.

10 ANOS DE ATR




















A hiperactiva Associação Terapêutica do Ruído (ATR) e os seus infames gémeos siameses dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) continuam a celebrar 10 anos de ruído terapêutico ao longo de todo este ano, mas depois de terem cumprido oficialmente o seu aniversário em Maio irão abrandar um pouco o seu imparável ritmo nos próximos meses!

Este sábado (17 de Junho) há a sexta sessão do Versus - Ciclo de Música Antagónica, ciclo mensal com curadoria da ATR e da Zaratan - Arte Contemporânea que nesta sessão terá como antagonistas Tiago Silva com as suas aventuras acústicas e Crónico com as suas desventuras cronológicas e como artista convidado o André Araújo! (+ info em baixo e aqui)

Na próxima semana (sexta-feira | 23 de Junho) haverá o sexto acto da Convenção Internacional do Ruído Terapêutico, residência mensal da ATR no Damas que desta feita incluirá uma prelecção sobre ruído delicado pelo duo italiano Comaneci (que regressa a Portugal depois de uma memorável passagem pelo nosso país em 2013 e das vindas a solo em 2014 e 2016 de Glauco Salvo aka Of Rivers and Trains), uma dissertação sobre ruído inefável pelo terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Desmarques e ainda uma palestra sobre ruído exótico pela doutora Candy Diaz! Para a ocasião será reeditado digitalmente através do bandcamp da ATR o álbum “Bear With Me” do terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Zé Trigueiros, juntamente com o seu novo single “Telhado”, dando continuação a uma série de reedições de discos que tiveram a colaboração da ATR! (+ info em breve e aqui)

Entretanto esta sexta-feira (16 de Junho) na Zaratan há o lançamento do disco de Kid, o novo projecto de música electrónica do terapeuta do ruído (e membro dos infames dSCi) Boris Nunes, pela recém-criada editora Partícula! (+ info aqui)

E já está disponível para venda o split-book "Corta-e-Cola: Discos e Histórias do Punk em Portugal (1978-1998) / Punk Comix: Banda Desenhada e Punk em Portugal" de Afonso Cortez e de Marcos Farrajota que foi editado no passado dia 10 de Junho na Feira do Livro pela Chili Com Carne e pela Thisco (com o apoio da Zerowork Records) e que inclui a compilação “Punk Comix” com faixas exclusivas de diversos projectos nacionais e internacionais como Presidente Drógado, The Dirty Coal Train, Putan Club, Melanie is Demented ou os infames dSCi (cujo tema “Caminhando” foi inspirado pelo livro “Caminhando com Samuel” de Tommi Musturi e conta com a participação especial de Vicente Nunes, o autor de uma das capas deste duplo livro)!

Versus - Ciclo de Música Antagónica

17 de Junho | sábado | 19h
Tiago Silva (pt) vs. Crónico (pt)
Versus VI
Zaratan
Rua de São Bento, 432 - Lisboa
entrada livre para sócios - quota anual sócio: 3 euros

A Associação Terapêutica do Ruído e a Zaratan - Arte Contemporânea apresentam Versus, um ciclo de concertos a acontecer mensalmente na Zaratan.

Seguindo um princípio ecléctico de programação, o pressuposto desta nova aventura musical é juntar projectos diferentes entre si, ou até mesmo opostos, numa mesma sessão. Neste aparente antagonismo procuramos pontos de contacto e/ou de divergência que ilustrem de algum modo a complexidade e diversidade das definições estilísticas da música contemporânea.
Em cada sessão haverá o lançamento de um cartaz em risografia realizado propositadamente para a ocasião. A convite da Zaratan, diferentes artistas recebem o desafio de criar uma imagem de alguma forma ligada ao tema do antagonismo, inspirada também nas sonoridades dos projectos convidados pela ATR a participar neste ciclo.

Tiago Silva
Guitarrista de Lisboa, já por diversas ocasiões tocou na Zaratan. A maior parte das vezes tocou a solo, mas também com o duo THE ORM (com Filipe Felizardo) e, no LEITMOTIV #5, com Luís Lopes. Em comum a todas as apresentações a guitarra eléctrica e algum volume. A propósito do Versus - Ciclo de Música Antagónica, Tiago Silva vai tocar guitarra acústica, antagonizando-se a si mesmo.

Crónico
Pedro Augusto desde pepino que orelhava na sala de sua avó aquele relógio cordado, aparedado, avé mariando por partes de hora. O clímax repicava às doze balambadas. Odiava-lhe o desbaratamento, por isso lhe rotativava as corduras. Morrida a avó, passados vários escombros, na garage da filha de sua avó dá de reencontrão com o maldito corujo. Várias macrofonias irão capotar a intervenção cirúrgenica de Augusto ao avé mariador, ruivos roncarão de sua pança seja o que os eus quiserem.


André Araújo
Nasceu no Porto em 1990 do signo Peixes, estudou Design na Universidade de Aveiro, actualmente reside e trabalha em Lisboa como designer gráfico. Adora redundâncias e objectivações, viaja frequentemente pelo seu próprio consciente sem um rumo definido apenas para se dar conta que raramente se encontra presente, assim que volta à realidade dedica-se à sua música e por consequência encontra a sua paz interior. Não se subjuga ao acordo ortográfico.