sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

PROGRAMA DE 15/02/19

1 - Manel Cruz - O navio dela
2 - Les Saint Armand - Uma forma de começar
3 - Paulo Praça - Sabes mãe
4 - O Amante Negro - Homem resolvido
5 - Jorge da Rocha - Simples canção
6 - Montanhas Azuis - Dezanove acordes
7 - Daniel Catarino - Vou fugir da cidade
8 - Buraka Som Sistema - Aqui para vocês
9 - Throes + The Shine - Balança
10 - Ivy - I miss myself
11 - Sequin - Loveless
12 - The Manchesters - Seven days
13 - Dead Men Talking - Where this forms
14 - Misfit Trauma Queen - Projection room
15 - Montalvor - Seven witches

MANUEL CRUZ COM DISCO A ROMPER












Manel Cruz :: "O Navio Dela" antecipa edição do álbum de estreia em nome próprio a 5 de Abril
 
Terminadas as gravações do álbum de estreia em nome próprio, Manel Cruz edita "Vida Nova" a 5 de Abril.

Aos singles "Cães e Ossos", "Ainda Não Acabei" e "Beija-Flor", segue-se agora "O Navio Dela". Com letra e música de Manel Cruz, "O Navio Dela" conta com arranjos de António Serginho, Eduardo Silva, Manel Cruz e Nico Tricot. Gravada por Manuel Reis no Estúdio do Bandido, foi misturada por Manuel Reis e Manel Cruz, assistido por João Brandão, no estúdio Sá da Bandeira, e masterizada por Nuno Mendes no estúdio ELSTUDIO. A imagem é da autoria de Manel Cruz.

 Além da banda que o acompanha, composta por António Serginho (percussão, piano, xilofone), Eduardo Silva (baixo, voz) e Nico Tricot (piano), Manel Cruz (voz, guitarra acústica, clarinete, percussões) conta, em "O Navio Dela", com a participação de Carina Albuquerque (violoncelo) e Daniel Dias (trombone, bombardino).

"Vida Nova" é o nome ao disco de estreia a solo do ex-vocalista dos Ornatos Violeta, Pluto, Foge Foge Bandido e Supernada que será editado a 5 de Abril pela Turbina, o selo independente através do qual também foi lançado Foge Foge Bandido.

Consequência da vontade de voltar ao estúdio e aos palcos, depois de um hiato criativo, estas novas músicas foram compostas maioritariamente no ukulele. Um regresso às origens que agradou a Manel Cruz e resultou num punhado de canções que lhe permitem antecipar a edição de novos discos.
 

O MUSICAL SOLIDÁRIO WORLD IN HARMONY




















ESPETÁCULO MUSICAL SOLIDÁRIO WORLD IN HARMONY: A MÚSICA QUE NOS UNE

NOVA CONFIRMAÇÃO: CUCA ROSETA

21 E 22 DE FEVEREIRO NO CASINO ESTORIL
Bilhetes já disponíveis: http://bit.ly/2HcqGMK

COM DIREÇÃO MUSICAL DE:
JORGE PARDO, PEDRO JÓIA, GERARDO DI GIUSTO

CONVIDADOS ESPECIAIS:
CARLOS DO CARMO, RUI VELOSO E CUCA ROSETA

O espetáculo musical World in Harmony tem a sua estreia mundial no Casino do Estoril nos dias 21 e 22 de fevereiro.

 Sendo um espetáculo de âmbito solidário, a venda de bilhetes reverte para a Cruz Vermelha, instituição que se tem destacado pelo seu trabalho de ação humanitária.

Conta com conceção e direção artística de Tomás Rodríguez-Pantoja, diplomata espanhol responsável pela escrita e direção de mais de 20 espetáculos, como 'Gypsy Passion' na Broadway pelo qual obteve um prémio do Estado de Nova Iorque, e direção musical de Jorge Pardo, Gerardo Di Giusto e Pedro Jóia, três músicos e compositores de referência internacional.

Acerca deste espetáculo solidário, Tomás Rodriguez-Pantoja refere: "Um dos problemas mais sérios que a humanidade tem hoje em dia como um todo é o dos deslocados. Movimentos maciços de homens, mulheres e crianças em busca de um mundo melhor. No entanto, na sua desesperada errância, deparam-se com a rejeição dos países de pretensa recepção.

 O World in Harmony visa aumentar a consciencialização sobre este problema e mostrar, através da música, que os seres humanos são todos iguais, independentemente das origens, e merecem tratamento igual em todas as circunstâncias."

Em palco reúnem-se mais de 50 músicos e bailarinos convidados de 14 países diferentes, incluindo a participação especial de artistas de referência portugueses como Carlos do Carmo e Rui Veloso, já anunciados, e agora Cuca Roseta, um dos maiores nomes do fado português.

Todos juntos por uma causa contam a história deste musical ao longo de 90 minutos de espetáculo e celebram, em palco, uma linguagem comum e universal: a música.

 Estes artistas dão vida a um espetáculo sublime que mostra como os seres humanos partilham sentimentos e emoções através da música, algo que os une num só mundo em harmonia.
(últimos bilhetes disponíveis para 21 de fevereiro)

O FIM DA DIGRESSÃO MUNDIAL DE MARIZA




















Mariza, a grande embaixadora da música cantada em português, anuncia que terminará a sua extensa digressão mundial do seu disco homónimo em Lisboa, na Altice Arena, a 7 de Dezembro.

O seu último disco de estúdio “Mariza” é um enorme êxito, nomeado para os Latin Grammys 2018, conquistou TOPs de vendas por diversas semanas e foi considerado um dos discos do ano pela conceituada revista britânica “Songlines”. Desde o seu lançamento esgotou 8 Coliseus, o Pavilhão Multiusos de Guimarães e devido à enorme afluência às bilheteiras registada, Mariza não quis deixar ninguém de fora e decidiu presentear todos os seus fãs ao terminar a sua digressão mundial em Portugal, na Altice Arena a 7 de Dezembro.

Mariza acaba também de anunciar o seu mais recente single “Oração”, uma canção com um poema da sua autoria, a primeira nos quase 20 anos de carreira. Um poema que foi entre papéis e acabou musicado por Tiago Machado. É nas palavras de Mariza “uma oração, para mim e para o meu coração.”

O vídeo está já disponível na sua página de YouTube e conta com excertos ao vivo da sua digressão mundial em 2018. “Oração” sucede ao single “Quem Me Dera”, considerado uma das canções de maior sucesso deste último ano que contabiliza mais de 15 milhões de visualizações no YouTube.

Reconhecida pela imprensa internacional como uma das melhores vozes de todos os tempos, Mariza tem colecionado galardões e distinções um pouco por todo o mundo, mais recentemente venceu o Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2018. Antes de terminar a World Tour 2019 em Portugal irá passar por países como a Bélgica, Holanda, Roménia, França, Luxemburgo e Alemanha, Brasil, Estados Unidos, Canadá, entre tantos outros países.

Os bilhetes encontram-se disponíveis nos locais habituais.


O DISCO DE ESTREIA DOS MONTANHAS AZUIS CHEGA HOJE














Chega hoje às lojas e aos palcos o disco de estreia dos Montanhas Azuis, trio composto por Marco Franco, Norberto Lobo e Bruno Pernadas. O longa duração tem selo Revolve e é apresentado, ao vivo, esta sexta, dia 15 de Fevereiro na Culturgest em Lisboa.

Norberto Lobo, Marco Franco e Bruno Pernadas não são o trio mais provável, pelo que a possibilidade de ouvir as suas expressões fluviais desaguar no mesmo oceano sonoro é uma delícia por si só. Falamos de um ecossistema em que os rendilhados bucólicos de Lobo, as notas de pesos vários de Franco, e a desenvoltura melódica de Pernadas coabitam harmoniosamente. Uma possibilidade que se reveste de êxtase e expectativa e parte de três entidades familiares, mas se forma numa nova terra, noutro hemisfério sónico.

“Ilha de Plástico”, selado pela Revolve, cruza as cores dos três virtuosos num quadro de tons pastel, em que tudo é intensidade e em que as intenções são conseguidas por osmose, não por disputa. O espaço acordado entre todos descentraliza Franco, Lobo e Pernadas das suas paragens ocidentais, levando-os a uma certa australidade, tão bem descrita na nomenclatura Montanhas Azuis. Serve o nome como prenúncio das insinuações simples da faixa-título e de “Faz faz”, dos harpejos ao piano em incessante namoro com a guitarra de tons azul-pentatónico de “Duas Ilhas”, ou a imagética garrida de “Flor de Montanha” e “Sururu”, em que uma base de synths prepara exploração harmónica em teclas com tendência solenes.

Em Montanhas Azuis há o contraste entre o que representa a cor e o calor que ela transmite, uma tensão entre binómios que surge em “Ilha de Plástico”, título que serve de convite a um disco composto maioritariamente por instrumentos analógicos, das guitarras aos sintetizadores. O tom azul descreve o calor e a rugosidade das expressões dos três músicos, como a intensidade da luz de uma estrela, e paralelamente deixa-nos antever as melodias frias, abandonadas em improvisações, que se ouvem invariavelmente no disco. Bem-vindos à “Ilha de Plástico”, o novo continente sonoro de Norberto Lobo, Marco Franco e Bruno Pernadas.

VEM AÍ O SEGUNDO DISCO DE SALVADOR SOBRAL




















Edita a 29 de Março o seu segundo álbum de originais – Paris, Lisboa

APPLE MUSIC | SPOTIFY | YOUTUBE | FACEBOOK | INSTAGRAM

Paris, Lisboa: o segundo disco de originais de Salvador Sobral tem nome e capa de homenagem ao clássico Paris, Texas de Wim Wenders.

Salvador Sobral edita a 29 de Março o seu segundo álbum de originais – Paris, Lisboa.

O álbum sairá em Portugal com o selo da Valentim de Carvalho e no resto do mundo sob a chancela da Warner Music Spain. A capa do disco já é conhecida. A fotografia é da fotógrafa Ana Paganini e traduz essa viagem sem partida nem chegada que procura uma ligação eternal entre Paris e Lisboa. Mas não é apenas isso. Tal como o nome do disco, a capa é também uma homenagem de Salvador Sobral ao clássico de Wim Wenders, Paris, Texas.

O álbum produzido por Joel Silva conta com 7 canções em português, das quais resultam dois duetos com convidados de luxo. São dois cantores por quem Salvador Sobral nutre uma grande admiração: António Zambujo numa nova versão de “Mano a Mano” e Luísa Sobral com uma canção de autoria da própria - “Prometo Não Prometer”.

Também o alinhamento das canções do disco já está disponível, ficando o mesmo em pré-venda em formato físico nas lojas e plataformas digitais a partir de 8 de Março.


ALINHAMENTO DO DISCO

1. 180, 181
2. Presságio
3. Cerca del Mar
4. Ela disse-me assim
5. Playing with the wind
6. Prometo Não Prometer (com Luísa Sobral)
7. Benjamin
8. Grandes Ilusiones
9. Mano a Mano (reprise com António Zambujo)
10. La Souffleuse
11. Paris, Tokyo II
12. Anda Estragar-me os Planos (canção bonus)

PAULO PRAÇA DE REGRESSO AOS ORIGINAIS







Com que é que rima gratidão? Qual o acorde certo para um sentimento? Tantos e ao mesmo tempo tão poucos que podem dizer tudo. Mas quem constrói pacientemente essas frágeis e preciosas jóias que são as canções tem sempre essa ambição.

É o caso de Paulo Praça, praticante consumado desses efémeros e essenciais momentos. E a sua nova canção, Sabes Mãe, é o perfeito exemplo da sua arte. Uma melodia uptempo, alegre e sem medo de refrão. Palavras para cantar em coro – e são perfeitas, as palavras de Valter Hugo Mãe - que dizem tudo o que queremos sentir e sorrir.

Sabes Mãe é um gesto de gratidão alegre de Paulo Praça. É uma carta de amor com destinatário identificado e no coração. Sabes Mãe é uma grande canção.

Nuno Miguel Guedes

"Este video é sobre a simplicidade de um final de tarde, de um breve passeio entre a mãe e o filho. É sobre partilhar as últimas novidades lá de casa. É um passeio até ao palco, onde não importa se o músico está em cima do palco ou fora dele, o apoio da mãe é incondicional." (Vasco Mendes).

NOVO SINGLE DE LUCA ARGEL

"Anos Doze" é o novo single do cantautor brasileiro Luca Argel, que vive neste momento na cidade do Porto. Este single é o segundo avanço do novo disco "Conversa de Fila" que será editado a 1 de março de 2019 e apresentado ao vivo pela primeira vez na Casa da Música a 6 de março, passando depois por Coimbra e Lisboa.

"Anos Doze" é um tema nostálgico e uma resposta ao igualmente saudoso tema de Chico Buarque, "Doze Anos", em que fala das peripécias de uma infância perdida, vivida no tempo em que as crianças brincavam soltas pelas ruas da cidade.

Luca Argel admite: "Sempre gostei dessa canção, mas nunca consegui realmente identificar-me com esse saudosismo, porque a infância da minha geração já foi muito diferente... E aí surgiu a ideia de Anos Doze. Uma canção saudosista para quem não é jovem há tanto tempo quanto o Chico..."

Em "Anos Doze" as brincadeiras de rua e a bola foram trocadas pela Nintendo, os Pokémons e o Mortal Kombat. É um tema que se relaciona diretamente com a geração que cresceu no fim dos anos 80 / princípio dos 90 e que conta com um teledisco, realizado pelo próprio Luca Argel, que vai fazendo alusão a várias dessas pequenas memórias.

"Conversa de Fila" é o novo disco de originais de Luca Argel. É editado no dia 1 de março de 2019 e apresentado pela primeira vez na Casa da Música no Porto a 6 de março, passando depois a 15 de março por Coimbra e a 24 do mesmo mês em Lisboa.

Sobre "Conversa de Fila" de Luca Argel:

Editado a 1 de março de 2019, "Conversa de Fila" é o segundo disco de originais de Luca Argel.

Das situações mais corriqueiras às vezes surgem as ideias mais extraordinárias. Tal como numa simples conversa com um desconhecido na fila do banco, do aeroporto, ou no balcão de um tasco qualquer, o novo álbum de Luca Argel captura despretensiosamente a nossa atenção.

Mas quando menos se espera, damos por nós passeando por outro hemisfério, onde no Natal faz muito calor; ou em outro planeta, passageiros de um foguetão; ou ainda em outra realidade, onde é a banana que come o macaco, e é a bola que chuta o craque.

Sem perder a singeleza das melodias e a doçura da voz, em "Conversa de Fila", e fazendo jus ao seu antecessor, "Bandeira", Luca Argel mais uma vez oferece-nos, em forma de música, um punhado de histórias cheias de humor e lirismo, que tanto instigam quanto divertem.

CONCERTOS DE APRESENTAÇÃO:
6 MARÇO - CASA DA MÚSICA, PORTO
15 MARÇO - SALÃO BRAZIL, COIMBRA
24 MARÇO - ESPAÇO ESPELHO D'ÁGUA, LISBOA                      

DISCO EDITADO A 1 DE MARÇO
PRÉ VENDA - http://bit.ly/2tgv2ss
Mais informações:

6 Março | Porto
21H30, Casa da Música
10€
Link: http://bit.ly/2NcH5jX

15 Março | Coimbra
22H00, Salão Brazil
Link: http://bit.ly/2BLAVCT

24 Março | Lisboa
18H00, Espaço Espelho D'Àgua
Link: http://bit.ly/2TLnUjs
 

FESTIVAL EMERGENTE

WENDY NAZARÈ EDITA NOVO SINGLE



















 
"Tree" é o novo single de Wendy Nazaré e é editado hoje em simultâneo em vários Paises; Portugal, Bélgica, Alemanha, Suiça, Luxemburgo e Espanha.


"Gravei essa música entre Portugal e a Bélgica, pouco antes do meu Anjo da guarda me deixar, para ocupar o seu lugar de direito no céu. Nós filmamos o videoclipe com ela dois meses antes de sua partida. Angel era a minha avó. Uma senhora incrível que era verdadeira, bonita e divertida. Caracterizavam-na uma fé luminosa e um amor juvenil pela vida. Ela era livre. Ela é a minha árvore."

Wendy Nazaré

TREE

TREE, é o nome do single de estreia e do álbum. As músicas são resultado das múltiplas linguagens e sons de todos os continentes que neste trabalho transformam-se em arte. Estas inspirações ecléticas convergem em um tronco, coerente através do olhar artístico tão característico da Wendy Nazaré, sempre positivo e cheio de amor.

TREE, a árvore da vida que a todos nos anima. A terra é a mesma, o sol é o mesmo, mas cada fruto é único. Alguns são doces, outros são um pouco amargos. Alguns frutos maduros caem ao pé da árvore, sem nenhum vislumbre de esperança para viajar. Outros serão levados pelo vento e voarão para lugares inauditos. Cada música é como uma fruta madura. Wendy Nazaré trouxe a luz e o fertilizante para cada uma delas, para ser você a escolher e a prová-las.

TREE, é o ciclo da vida. Tudo o que brilha vai desaparecer. Tudo o que cresce definhará. As frutas cairão e semearão novas árvores. Novos brotos, novas flores, novas músicas.

TREE, é um caminho sem olhar para trás. A escolha de novos caminhos, pistas ocultas, transformação pessoal radical. O broto cresce, e já fora da terra quer alcançar o sol. Mudança de país, mudança de vida, para mudar o mundo… com você.

JÁ À VENDA NAS PLATAFORMAS DIGITAIS
 

NOVO SINGLE DOS NOT THE SAME














Com alguns elementos do grupo que já tinham passado por vários projetos musicais e com uma paixão em comum - a música - a banda Not The Same decide unir-se a uma vocalista e juntar-se para o primeiro ensaio. Com o apoio de alguns músicos amigos e convidados, que têm acrescentado a sua magia ao projeto, os Not The Same apresentam-nos o single “Rise Again”, que já se encontra disponível nas principais plataformas digitais.

Individualmente cada membro da banda, suscitando curiosidade musical do que poderá emergir da criatividade de cada um. “Rise Again” é composto por uma sonoridade delicada, acompanhada pela voz poderosa, mas ao mesmo tempo melodiosa da vocalista Lúcia Costa. Um tema que já se encontra disponível nas principais plataformas, como Amazon, Spotify, Itunes, Googleplay, entre outras.

O primeiro ensaio aconteceu nos estúdios da LxPro em Odivelas, local que tem acolhido a banda e onde decidiram manter o seu laboratório de criação. Em Setembro de 2017, começaram a subir aos palcos com a participação no Concurso de Bandas inserido no Festival da Paiã, onde saíram vencedores. Desde então, que têm vindo a pisar vários palcos e onde conforto, carinho e aplausos são as palavras de ordem destes concertos.
O primeiro tema “Rise again”, extraído do EP For You, serviu de inspiração e motivação para os temas seguintes e com a criação do tema “Not The Same“, surgiu também o nome do projeto, fruto de várias influências que acompanham individualmente cada membro da banda, suscitando curiosidade musical do que poderá emergir da criatividade de cada um. “Rise Again” é composto por uma sonoridade delicada, acompanhada pela voz poderosa, mas ao mesmo tempo melodiosa da vocalista Lúcia Costa. Um tema que já se encontra disponível nas principais plataformas, como Amazon, Spotify, Itunes, Googleplay, entre outras.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

PROGRAMA DE 14/02/19

1 – Paulo Bragança – Rosa da noite
2 – António Zambujo – Sem palavras
3 – Medeiros/Lucas – Fado do salto
4 – João de Sousa – Sonho
5 – Homem Ao Mar - Adeus até mais ver
6 – Flak – Os tempos estão a mudar
7 - Throes + Shine – Balança
8 – Buraka Som Sistema – IC19

9 – Márcia – Tempestade
10 – Luísa Sobral – Dois namorados
11 – Haëma – Peixe voador
12 – Señoritas – Enlouqueci
13 – Sopa de Pedra – Os Bravos
13 – Danças Ocultas - O teu olhar (c/ Carminho)
14 – Cristina Branco - Aula de natação

NOVO EP DOS THE MANCHESTERS




















A semente dos The Manchesters foi um convite da editora Zona 22 para a participação num álbum de tributo aos Joy Division, “Day of the Lords”. Francisco Florentino na voz (The Fishtails), Pedro Temporão no baixo (Cello, Corsage e Raindogs) e Luís Ferreira na guitarra (K4 Quadrado Azul, DW Void), aceitaram o desafio e deram corpo a “Atmosphere”. Esta colaboração abriu-lhes o apetite para uma nova banda, algo que prestasse homenagem à cena de Manchester dos finais dos 80’s, início dos 90’s, que todos eles adoravam. Convidaram Alexandre Vermelho para as teclas e Emanuel Ramalho (Faíscas, Corpo Diplomático, Rádio Macau, Delfins, Miguel Gameiro) para a bateria, dando assim o início formal aos The Manchesters.

Os The Manchesters apresentaram-se ao público em 2018 com o EP “Camouflage Hellicopters”, quatro temas onde sintetizaram o ácido de uns Happy Mondays, o Madchester de uns Stone Roses ou a mordacidade de uns Smiths, conseguindo ainda ensaiar uma espécie de identidade. Afinaram-se ao vivo, passando por algumas salas portuguesas e pelo festival Europa Sur em Espanha, em concertos contagiantes, colhendo energia positiva e vontade de continuar. Voltam agora com o novo EP “Seven Days”, gravado no estúdio dos DW Void, produzido, misturado e masterizado por Emanuel Ramalho.
A apresentação do novo trabalho irá decorrer no Sabotage Club, dia 22 de fevereiro.

CAPITÃO FAUSTO ESTREIAM NOVO SINGLE E VÍDEO “AMOR, A NOSSA VIDA

Amor, a Nossa Vida” é o novo avanço para “A Invenção do Dia Claro”, o quarto álbum de originais de CAPITÃO FAUSTO, que tem lançamento agendado para Março deste ano.
O vídeo, filmado pelo parceiro do costume Ricardo Oliveira, centra-se na banda e nos seus instrumentos, isolando-os num fundo negro. Esta opção estética é também simbólica pois, sem artifícios, emerge uma simplicidade a preto e branco, sem distrações para aquilo que realmente interessa: a música. Os CAPITÃO FAUSTO enfrentam, em momentos, a câmara, olhando o espectador de frente criando um jogo de tensões e forças que, embora invisíveis, pretendem estimular o espectador.

Para descobrir aqui: https://CapitaoFaustoAmorANossaVida.lnk.to/csFzuPR

Amor, a Nossa Vida” sucede às canções “Sempre Bem” e “Faço as Vontades, que farão parte do alinhamento do álbum “A Invenção do Dia Claro”, gravado nos Red Bull Studios (São Paulo) por Rodrigo "Funai" Costa, assistido por Alejandra Luciani e Fernando Ianni, e produzido e misturado em Alvalade pelos Capitão Fausto. A masterização esteve a cargo de Brian Lucey no Magic Garden Mastering em Los Angeles. A capa é da responsabilidade de Vitor da Silva, ilustrador e designer gráfico responsável pela criação do grafismo de jornais notáveis como o “Expresso”, o “Tempo” e "Correio da Manhã".

Já são conhecidas também as primeiras datas de uma extensa digressão de apresentação que passará pela Casa da Música (Porto) no dia 4 de Abril, e pelo Capitólio (Lisboa) no dia 6 de Abril. Os bilhetes estão à venda a partir de hoje: Porto | Lisboa

Novas datas serão anunciadas em breve.

Antes do início da digressão de apresentação do novo álbum "A Invenção do Dia Claro", o grupo apresentar-se ao vivo na tour de clubes "Até que enfim!", que irá passar por sete cidades durante o mês de Fevereiro e onde o grupo apresentará pela primeira vez algumas das novas canções, antes de estas serem editadas.

"A Invenção do Dia Claro" é o sucessor de “Capitão Fausto Têm os Dias Contados”.

2019 prepara-se para receber de braços abertos, uma das bandas mais importantes da sua geração.

Capitão Fausto: Tomás Wallenstein, Salvador Seabra, Manuel Palha, Francisco Ferreira e Domingos Coimbra.

*Bilhetes concertos de apresentação*

 4 DE ABRIL – CASA DA MÚSICA (PORTO)
www.casadamusica.com/pt/canais/sro/buyticket?&event=55385

6 DE ABRIL – CAPITÓLIO (LISBOA)
www.blueticket.pt/Event/4234

BILHETES TOUR DE CLUBES: https://ticketline.sapo.pt/evento/39888
 

JACINTA APRESENTA DISCO E LIVRO









23 de Fevereiro 2019 no Hotel Moliceiro, Aveiro, pelas 18:30



"Leitura agradabilíssima e que se faz quase de um fôlego só."
(Maria Manuel Baptista, Professora Catedrática da Universidade de Aveiro, 2019)

Tanto “Semhora” (Disco) como “Práticas Performativas no Jazz Vocal – uma auto-etnografia críticoanalítica” (Livro), são resultado de anos de estudo de música popular (aqui entendida como espaço de inscrição de subjetividade), que culminou com a defesa do doutoramento em Junho de 2018.

O disco e o livro completam-se e não se podem dissociar dada a ligação teórica e temporal que levaram a cantora a gravar determinadas canções, num determinado contexto e com um formato específico. O mesmo se pode dizer do livro, uma vez que foi sendo criado em simultâneo.

“Penso que é uma leitura profunda aquela que faz, pregnante e muito inteligente, para além de um excelente exercício de rigor e seriedade, que vale bem a pena pelas respostas que nos traz, mas sobretudo pelas questões que nos deixa.(...)

Por isso, em nosso entender, esta obra constitui um excelente exemplo, uma inspiração, mas também um apelo para que se compreenda melhor, e se possa fazer mais e diferente, no que ao ensino, às artes e à cultura diz respeito” (Baptista, 2019).

“Semhora” é o sétimo álbum da cantora de jazz, Jacinta.

Este álbum é um trabalho arrojado onde Jacinta partilha o palco com um único instrumentista – de baixo

elétrico de seis cordas. É acompanhada por um baixista virtuoso da cena musical brasileira, Paulo Dantas, que aqui embarca em mais uma das suas aventuras. O registo do álbum foi realizado ao vivo, na cidade de Teresina, no Piauí. O álbum é constituído por seis grandes composições do repertório brasileiro e seis do repertório norte-americano, com arranjos da própria cantora.

Senhora de mim
Senhora do próprio destino
Senhora da minha música
Senhora sem hora... “Senhora”

Doutorada em Estudos Culturais, na área de Performance, pela Universidade do Minho, Portugal; professora assistente no curso de música da Universidade Federal do Piauí, Jacinta realiza pesquisa na área de Performance e Improvisação Jazz Vocal, que experiencia profissionalmente há mais de 25 anos. É mestre em Música pela Manhattan School of Music, Nova Iorque, instituição que lhe atribuiu bolsa de estudos completa na área de Canto Jazz Performance. Licenciada em Ensino de Música, na área de composição e música de câmara, pela Universidade de Aveiro. Cantora de jazz com carreira internacional e seis discos no mercado, Jacinta editou na Blue Note Recordse foi galardoada com disco de ouro pelo seu disco Tribute to Bessie Smith. Figura como representante portuguesa em mais de 20 coletâneas diferentes de jazz vocal onde aparece conjuntamente com artistas como Diana Krall, Cassandra Wilson, Diane Reaves, Jane Monheit, Norah Jones e Stacey Kent. Gravou o seu segundo album, Day Dream, com o saxofonista Greg Osby; e atuou em duo com os pianistas Jason Moran e Gonzalo Rubalcaba.

A ESTREIA DE IVY




















Sob o nome IVY, Rita Sampaio estreia-se a solo com o álbum Over and Out. I Miss Myself é o single de avanço do disco que será lançado no próximo mês pela Cosmic Burger.

IVY surge, em 2019, como o novo projeto a solo e nome artístico de Rita Sampaio, a vocalista dos bracarenses GrandFather’s House. A música de IVY é sombria, introspectiva, catártica e íntima. Fechada num mundo ao qual a própria já não consegue aceder, como representação de um ciclo que se fechou, uma metamorfose.

O álbum de estreia, Over and Out, assume-se como uma obra autobiográfica e extremamente íntima da artista. Produzido e gravado por Rita Sampaio, João Figueiredo e CASOTA Collective, o disco será lançado a 13 de março pela Cosmic Burger. I Miss Myself, o primeiro single, pode ser ouvido aqui.
 

SOUTO ROCK EM BARCELOS

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

PROGRAMA DE 13/02/19

1 – The Joy Of Nature - Sombras dos nossos ancestrais
2 – Morte Psíquica – Olham e sorriem
3 – Desolate Man – Maio
4 – Vulto Violeta – Esqueleto
5 – mARCIANO – Húmus-caos
6 – The Dreams Never End – Imagem
7 – Buraka Som Sistema - Kalemba (wegue wegue) (c/ Pongolove)
8 - Throes + The Shine – Balança
 9 – Antes Dementes – Mesmorizing memories
10 – Joseph K - Perfect pince
11 – The Black Archer – Dreaming of you
12 – Ghost Hunt – Red zone

PILOCO OFERECE PINA COLADA














Depois de temas como “Pssedução” e “Fagulha”, Piloco apresenta-nos mais uma vez, ritmos quentes e fogosos com o tema “Pina Colada”, um single eclético, que mistura de estilos como o Hip Hop, o Afro-beat e o R&B. “Pina Colada”, já se encontra disponível nas principais plataformas digitais, como Itunes, Amazon, GooglePlay, Spotify, entre outras.
 
Pela mão da Music For All, apresenta “Pina Colada”, do seu EP “Pilococktail”, um single que espelha ecletismo sonoro e cujo videoclip oficial ganhou um prémio nos International Portuguese Music Awards 2013, na categoria “Dance”, nos Estados Unidos da América. Piloco vai apresentar este e outros temas do EP, no próximo dia 24 de fevereiro, às 16h na FNAC Almada. Um showcase de entrada livre, que convida todos a estarem presentes.

ALLONESONG - "RAIN ON THE BEACH"

“Rain on the beach” foi o tema escolhido para o primeiro vídeo de apresentação do novo disco de Allonesong e contou com a realização de Leonel Gonçalves e Cláudio Mateus. As imagens captadas no rasto do Leslie na mata de Fôja (Fig. da Foz) dialogam com a canção que nasceu também na esteira de um furacão qualquer.

CUCA ROSETA COM NOVIDADES




















O novo single de CUCA ROSETA chama-se “QUERO” e é um dos temas que fará parte do alinhamento do espectáculo da cantora e compositora que acontece já amanhã, quinta-feira, 14 de Fevereiro, no COLISEU DE LISBOA, inserido no evento Montepio Às Vezes o Amor.

QUERO” faz parte do mais recente álbum de originais da cantora e compositora, “LUZ”, lançado em 2017 e produzido por Diogo Clemente. O registo inclui também os temas, “NÃO DEMORES”, “TRISTE SINA” (ver vídeo: https://youtu.be/so58gld0u9s) e o contagiante “BALELAS”, cujo vídeo contou com a participação do actor Ivo Canelas. Ver aqui: https://youtu.be/ChqwrvC6pe8

No passado mês de Novembro, CUCA ROSETA realizou o sonho antigo de cantar e gravar os maiores clássicos de Natal, lançando “Luz de Natal”. Paralelamente à edição isolada de “Luz de Natal”, foi também disponibilizada na FNAC uma edição especial limitada do último álbum “LUZ”, que também inclui este novo álbum.

ÁLBUNS DISPONÍVEIS

 “LUZ DE NATAL
"LUZ

Mais info:
https://cucaroseta.com
www.facebook.com/cucarosetafado
https://twitter.com/cucaroseta
https://instagram.com/cucaroseta
www.lovecuca.com

NO SALÃO BRAZIL




















Qui, 14 Fev, 22h00
Pedro Melo Alves / Jacqueline Kerrod / João Grilo / Mariana Dionísio

Ciclo de concertos e residências organizado por Pedro Melo Alves onde são desafiadas as almas mais inspiradoras e intrigantes do seu caminho para um diálogo improvisado a dois — sem antecedentes, apenas o silêncio infinito de mistérios e possibilidades a ser desvirtuado.

 Neste encontro, Melo Alves junta-se a alguns dos seus convidados, para uma partilha única em quarteto. Tratam-se de alguns dos improvisadores mais frescos e sensíveis do panorama nacional e internacional, com incursões nas linguagens e timbres da música contemporânea, do jazz e da electrónica.

 "O João Grilo (Grilo e a Longifolia / Glass Octopus) é um pianista portuense que nos faz ver cores novas. A Mariana Dionísio (LABMXX) é uma cantora que nos conecta com o além espaço-tempo. A Jacqueline Kerrod (Anthony Braxton / American Modern Ensemble) é uma harpista que se metamorfoseia e redefine as possibilidades deste instrumento. Nenhum deles ainda se conhece." (PMA)
Pedro Melo Alves - bateria
João Grilo - piano
Mariana Dionísio- voz
Jacqui Kerrod - harpa

Bilhete: 6,00€ (BOL) / 7,00€ (próprio dia)

NO PLANO B












CONCERTO: IAN
15 fev, 23h

Em Março do ano passado foi lançado o EP#1 e com esse disco fez as primeiras partes dos The Gift nos Coliseus e também em Moscovo e São Petersburgo. A ideia era de apresentar desde o zero o projecto. Seguiram-se concertos no Festival Mimo e mais recentemente em Braga com Festival para Gente Sentada e Super Bock em Stock - Lisboa.

 Foi também convidada para ser mestre de cerimónias no mais recente desfile da dupla de criadores Storytailors no ultimo Portugal Fashion. Tocou ao vivo toda a banda sonora do desfile.

Em palco a figura da IAN é enigmática e de um carisma único. Para alem de ser uma virtuosa do violino tem uma postura e imagem muito cativante.

A música é complexa mas ao mesmo tempo muito naive. Tem uma forte componente electrónica.

 Em palco a utilização de vídeos tornam a experiência muito emotiva apelativa.

MIL EM LISBOA












Festival de Música / Convenção

MIL - Lisbon International Music Network 2019

Site oficial | Facebook | Instagram

LULA PENA e LETRUX no espectáculo de abertura do MIL a fazer a ponte entre Portugal e Brasil

27 a 29 de Março
Cais do Sodré - Lisboa

Depois do anúncio da extensa programação artística e dos nomes confirmados para a convenção profissional, o MIL - Lisbon International Music Network anuncia o espectáculo de abertura da 3ª edição que reúne as actuações de Letrux e Lula Pena, e termina com a festa Noite Bacaneza.

O espectáculo acontece no dia 27 de Março no B’Leza e dá início à programação artística do festival, que se prolonga até 29 de Março e conta com mais de 70 actuações em diversos clubes nocturnos e salas de espectáculo do Cais do Sodré.

Com uma abordagem singular à canção popular global que a levaram a conquistar devotos por todo o mundo, Lula Pena convida a fazer uma travessia pelo mundo da lusofonia através da sua música. A relação ao Brasil e a ponte com a lusofonia são constantes no seu trabalho: as suas composições são influenciadas pela MPB e pela Bossa Nova e, nos seus trabalhos editados, tem revisitado vários temas de compositores como Chico Buarque, Ederaldo Gentil, Elomar e de autores como Jerusa Pires Ferreira.

De uma ponta do atlântico para o outro, Letrux - nova encarnação a solo de Letícia Novaes depois do fim do duo de MPB Letuce - é o nome que agita a música independente brasileira desde a sua estreia, em 2017. Nesta nova identidade, Letrux ganhou um novo destaque na cena brasileira com o disco "Noite de Climão", considerado um dos melhores álbuns do ano por diversos meios de comunicação, premiado mesmo como Melhor Disco nos Prémios Multishow. Como disse o crítico brasileiro Renato Gonçalves na revista Bravo: "Sem repetir fórmulas consagradas ou modas passageiras, Letrux cria para si uma linguagem sonora que privilegia a dramaticidade dos sintetizadores e as melodias prontas para grudar na cabeça (...) Letrux em noite de climão é o exercício livre da fantasia e do humor — que hoje é quase um ato de resistência — no difícil e sombrio Brasil pós-crise democrática. “Bota na tua cabeça que isso aqui vai render” (“Vai render”)."

Depois de duas actuações surpresa em versão intimista, Letrux regressa a Lisboa em "Noite de Climão" para sua estreia oficial com banda no MIL.

A 3ª edição do MIL - Lisbon International Music Network acontece de 27 a 29 de Março, em vários espaços do Cais do Sodré.

Confirmados estão mais de 70 dos melhores novos artistas nacionais e de expressão lusófona como é o caso de Blaya, Cave Story, Rubel, Conan Osiris, Conjunto Corona, Filho da Mãe, Ghost Hunt, PAUS, Scúru Fitchádu, Bateu Matou, Fogo Fogo, Melquiades, Môrus, a ex-vocalista dos Buraka Som Sistema Pongo, Pedro Mafama, entre muitos outros.

O Programa PRO, dirigido a profissionais e estudantes do sector da música, conta com mais de 30 debates, keynotes, masterclasses e diversas oportunidades de formação e networking.

Os destaques são deste ano vão para a presença de Simon Reynolds, conceituado crítico de música desde os anos 80 (Melody Maker, The Guardian, Mojo, Uncut, etc), Pete Kember (Sonic Boom), produtor e músico britânico, conhecido pelo seu grupo Spacemen 3, Pena Schmidt é uma figura incontornável na indústria da música brasileira, Fabiana Batistela, directora do festival SIM São Paulo, Christopher Abric, fundador do La Blogothèque; Christine Nitsch, VP Strategy & Analytics do Soundcloud.

Consultar programa completo do festival em millisboa.com/mil/artistas
Consultar programa completo da convenção em millisboa.com/mil/oradores

ALINHAMENTO COMPLETO

2de1 (BR) | 88BALAZ (TW) | A NEGRA (PT) | ANNIE SAMA (CAN) | BATEU MATOU (PT) | BEATRIZ PESSOA (PT) | BEAUTIFY JUNKYARDS (PT) | BIKE (BR) | BLAYA (PT) | BLU SAMU (BE) | BLUISH (PT) | BOBBIE JOHNSON (UK) | BRUNO BELISSIMO (IT) | CAVE STORY (PT) | CHARLIE & THE LESBIANS (NL) | CONAN OSIRIS (PT) | CONJUNTO CORONA (PT) | DITCH DAYS (PT) | DOPE SAINT JUDE (ZA) | EDGAR (BR) | ESC (IT) | F/E/A (ES) | FILHO DA MÃE (PT) | FOGO FOGO (PT) | GHOST HUNT (PT) | GUISS GUISS BOU BESS (SN/FR) | HYSJ (NO) | IBAAKU (SN) | INTANA (ES) | ITALIA 90 (UK) | JALOO (BR) | JOÃO PAIS FILIPE (PT) | KOMPROMAT (FR) | LA YEGROS (AR) | M¥SS KETA (IT) | MARC MELIÀ (BE) | MC BUSETA (ES) | MDCIII (BE) | MELQUIADES (PT) | MIROCA PARIS (CPV) | MONOLITHE NOIR (BE) | MOON GOGO (FR) | MÔRUS (PT) | NEEV (PT) | NOUVEAUX CLIMATS (FR) | OCTA PUSH (PT) | OMAR JR (FR) | OTROTORTO (PT) | PAUS (PT) | PEDRO MAFAMA (PT) | PONGO (PT) | RAMONZIN (BR) | REIS DA REPÚBLICA (PT) | RUBEL (BR) | RUMBO TUMBA (AR) | RYMZ (CAN) | SCÚRU FITCHÁDU (PT) | SEN (TW) | SOLAR CORONA (PT) | SOMEONE WHO ISN'T ME (GR) | STURLE DAGSLAND (DE) | THE HOMESICK (NL) | TOTY SA'MED (AO) | TRIBADE (ES) | VENGA VENGA (BR) | WEEKEND AFFAIR (FR)

SOPA DE PEDRA NO CAPITÓLIO













Convidados especiais: Amélia Muge, Cramol, Daniel Pereira Cristo, José Manuel David, José Salgueiro e Lula Pena

Reedição do álbum de estreia “Ao longe já se ouvia”
Amélia Muge, uma referência para as Sopa de Pedra, compôs "Pé de Sopa", a música que o grupo à capella vai estrear no próximo sábado, dia 16, no concerto agendado para o Cineteatro Capitólio. Com arranjo de Sara Yasmine, Teresa Campos e Mariana Gil, "Pé de Sopa" será uma das músicas do alinhamento a par dos temas que fazem parte do álbum "Ao longe já se ouvia".

Considerada a mais respeitada e prolífica compositora e cantora portuguesa da actualidade, Amélia Muge é uma das convidadas das Sopa de Pedra no concerto no Capitólio, a quem se juntam o grupo vocal feminino Cramol, o multi-instrumentista Daniel Pereira Cristo, José Manuel David (Gaiteiros de Lisboa), o percussionista José Salgueiro e a cantora Lula Pena.

Este concerto serve ainda para marcar a reedição do álbum de estreia, "Ao longe já se ouvia", que esgotou em apenas um ano. "Os Bravos", tema da música popular açoriana, tem agora um videoclip. O som foi captado ao vivo por Quico Serrano na Casa da Música, os arranjos são das Sopa de Pedra e a produção da Moonway Films.

Após o concerto no Capitólio, as Sopa de Pedra vão iniciar o próximo projecto com a pianista Joana Gama com quem vão revisitar o repertório de Lopes Graça, um dos maiores maestros e compositores do século XX.

 Para este ano está ainda prevista a edição em vinil de um novo álbum com temas originais das Sopa de Pedra.

Os bilhetes para o Cineteatro Capitólio, dia 16 de Fevereiro, custam 15€ e estão em venda em blueticket.pt e nos locais habituais.

"Aqui soa – reverbera – um universo múltiplo e maior. Com elas entramos numa outra coisa, onde ouvir é tudo o que pode ser escutado de muitas maneiras. Há uma força de viver, uma dor, uma alegria aqui doce, ali canalha, um indizível mistério, neste canto que a nada se acomoda – nem a modas, nem a tradições. Por isto tudo, aqui o tempo das cantigas é uma viagem no espaço dos encontros primordiais que dão este sabor que nos lembra a sopa rica da avó, a sopa fria das tardes quentes, o caldo de inverno e outros sabores de cheiros desconhecidos, vindos de longe, ou mesmo até, a estranheza dessas experiências que não conseguimos relacionar com mais nada. Ficamos com vontade de fazer uma vénia. De dar um abraço. De repetir a dose. Entre o consolo do sabor e o aroma dos vapores que daqui se emanam, decididamente, respiramos melhor.", Amélia Muge sobre as Sopa de Pedra.

As Sopa de Pedra nasceram em 2012, no Porto, e são um grupo de 10 mulheres que criam e interpretam à capella arranjos originais da música popular portuguesa. Habituadas a cantar desde pequenas, este grupo de amigas tem em comum o gosto pela música de raiz tradicional. Atraídas pela riqueza melódica e harmónica da música tradicional portuguesa, mas também pela forma como traduzem o modo de viver de um povo, falando dos seus ofícios e costumes, as Sopa de Pedra revisitam a história com rigor artístico, trazendo frescura com novas harmonizações e arranjos polifónicos. Em disco e ao vivo, o grupo explora a complexidade, riqueza e profundidade da música tradicional remetendo-a para o contexto da música actual.

O repertório das Sopa de Pedra inclui, sobretudo, música de tradição oral das várias regiões portuguesas, dos cânticos mirandeses de Trás-os-Montes às baladas açorianas, das cantigas de adufeiras da Beira Baixa ao Cante Alentejano, passando também pelo repertório de cantautores como Zeca Afonso, Amélia Muge, João Lóio ou grupos como Almanaque e GAC. Tal como no conto popular da Sopa de Pedra, a criação musical começa com uma base simples - uma pedra, uma tradição, uma melodia, um cantar – à qual se juntam novas vozes e ideas entrançadas. Certo é que cada vez que se canta, ou cada vez que se junta um amigo, a tradição se reinventa.

Depois da passagem por vários festivais, como o Bons Sons, Andanças, Noite Branca de Braga, NOS Primavera Sound, Festival de Músicas do Mundo, Small is Beautiful, entre muitos outros concertos, as Sopa de Pedra voltam aos auditórios com "Ao longe já se ouvia".
 

SEQUIN COM NOVO VÍDEO














Sequin apresenta videoclip para "Loveless", música que abre o seu mais recente disco "Born Backwards" e que é muito especial para a artista eborense.

"Loveless canta o fado do Loveless Bill, meu irmão de sangue, que é uma grande influência artística e inspiração para mim, e cuja imagem e essência eu quis cristalizar também no videoclip." Ana Miró aka Sequin

Realizado por Rui Gomes, com argumento de Gonçalo Duarte e produção de Laura Ribeiro, Miguel Mochila e Margarida Falcato, o vídeo conta com o próprio Loveless Bill como personagem principal.

Por último, importa dizer que Sequin regressa aos palcos em Março, dando continuidade à apresentação ao vivo de "Born Backwards". Álbum produzido por Xinobi, do qual fazem parte os badalados singles "Honey Bun" e "Queen".

08.Março | Titanic Sur Mer (Punch Sessions), Lisboa (info em breve)
22.Março | Maus Hábitos, Porto (info)

"Born Backwards" disponível em:

Streaming
Bandcamp
Facebook
Fnac
Flur
Louie Louie

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

PROGRAMA DE 12/02/19

1 - Allonesong - Rain on the beach
2 - Cacilhas - Surrender
3 - Xinobi e Gisela João - Fado para esta noite
4 - Dada Garbeck - A not so confortable nap in chaos
5 - Best Youth - Nightfalls (demo tapes vol 2)
6 - Throes + The Shine - Balança
7 - Buraka Som Sistema - Luanda Lisboa
8 - Tara Perdida - O comboio
9 - Somma - O sonho da nova chama
10 - Xutos & Pontapés - Espanta-espíritos
11 - Nowhere to be Found - Traverse ft Matty Mullins
12 - Juseph - Great Isaac

O VÍDEO DE QUEEN OF GAYA














Realizadora portuguesa assina o novo vídeo para o primeiro single de Queen of Gaya, alter ego musical da atriz e poeta Sónia Balacó. O filme, disponível a partir de hoje, mostra uma personagem que ao atravessar o cosmos depara-se com a estranheza da vida no planeta Terra.

A realização ficou a cargo de Sónia Balacó e Leonor Bettencourt Loureiro, jovem cineasta cujas pegadas revelam firmes passos que cruzam o cinema com moda, arte e música. I Will Bring The Water marca a primeira vez que Leonor co-realiza um videoclipe, tendo já realizado sozinha filmes para artistas nacionais como GROGnation ou Keep Razors Sharp.

Ainda em 2019, Bettencourt Loureiro deu vida cinematográfica à nova programação do MAAT (vídeo aqui). Nos dois anos anteriores, ganhou consecutivamente o prémio de Melhor Filme no Fashion Film Festival, o único festival português num circuito de competições internacionais de filmes de moda.

O mote de Leonor é I don't do no cherry picking, expressão que resume a forma como trabalha e encara a vida. Cherry picking é um termo de basquetebol e significa ficar à espera, algo que LBL não sabe nem quer fazer.
 

SOMMA - "O SONHO DA NOVA CHAMA"

LONE LISBONAIRES AO VIVO

 Os Lone Lisbonaires vão levar "Varina Voodoo" aos palcos do Porto e Lisboa para as primeiras apresentações ao vivo.
 
20 Fevereiro às 21h30 - Café Concerto da Casa da Música do Porto
28 Devereiro às 22h30 - Sabotage, em Lisboa

O projecto formado em 2012 por Moorish Boy (voz, guitarra e foot drum) e Spranger P. (harmónica), a quem posteriormente se reuniram Fernando Raposo (bateria), Afonso Serro (teclas) e John Klima (baixo) apresenta o segundo álbum da banda, “Varina Voodoo”.

Os Lone Lisbonaires inspiram-se na cultura musical afro-americana do delta Mississipi, filtrada pela luz particular de uma tarde à beira Tejo. Cultivam o gosto pelas expressões mais rudimentares do blues e da folk, actualizadas pela energia rock’n’roll que transforma os concertos em momentos de partilha intensos. Tendo como ponto de partida o blues do princípio do sec. XX (já bem presente em
“Deported Songs” – primeiro álbum, editado em 2015), os Lone Lisbonaires aprofundam agora essa deriva numa ligação natural a Portugal e à cidade de Lisboa.

“Varina Voodoo” dá nome ao segundo longa duração dos Lone Lisbonaires, tendo agora a língua portuguesa como espaço privilegiado de criação das novas canções que incluem o disco.

https://lonelisbonaires.bandcamp.com/

CACILHAS EDITA DISCO




















Cacilhas é o duo luso-escandinavo formado pelo teclista e pianista português Shela (LAmA, Riding Pânico) e o vocalista dinamarquês Casper Clausen (Efterklang, Liima, Captain Casablanca). Nasceram na margem sul, fizeram-se no festival Silêncio, passaram pelas margens do Cávado por alturas do Milhões de Festa e neste inicio de 2019 oferecem-nos o primeiro trabalho conjunto. Quatro músicas feitas na antiga doca de pesca de Ginjal, em Cacilhas, do outro lado do Tejo, olhando e escutando o rio, os locais e a cidade do outro lado.

Ouvir disco
 

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

PROGRAMA DE 11/02/19

1 - Paraguaii - Wild horse
2 - Defrosted Pork Chops - Folk
3 - Budda Power Blues - Fifteen long years
4 - Tricycles - All the mornings
5 - Ah Nuc - The river stream
6 - DD Peartree - Dreamer disease
7 - Sargento - Love me till sunshine
8 - Throes + The Shine - Balança
9 - Buraka Som Sistema - Sound of kuduro
10 - Urso Bardo - Terra queimada
11 - Montanhas Azuis - Faz faz
entrevista Marco Franco (Montanhas Azuis)
12 - Montanhas Azuis - Flor de montanha
13 - Montanhas Azuis - Coral de recife
14 - Susana Travassos - Não doeu
15 - Lobo Mau - Se ela soubesse

TRICYCLES ANUNCIAM DISCO DE ESTREIA

Imaginem um triciclo no alto de uma duna, a ver o mar, a sentir o sol quente nas rodas pintalgadas de areia, com uma certa comichão no volante por causa da humidade salgada, e a pensar: “Apetece-me apanhar o próximo barco para Marte e desviá-lo até ao centro do Sol”. É mais ou menos isto que os Tricycles são. Uma coisa vagamente improvável, um conjunto de kidadults de rumo duvidoso mas com histórias para contar, cheias de pessoas que poderiam existir. E de facto existem, em calmas músicas prontas a explodir, lentamente, a mil à hora, com suavidade, ou em rugidos de guitarras zangadas e pianos falsamente corteses, de rudes baixos a conversar com educadas baterias.

Os Tricycles são tudo isto e, claro, não são absolutamente nada disto, porque “isto” não passa de palavras que tentam descrever música - algo que, sabemos todos, é impossível de se fazer apropriadamente. Portanto, façamos uma pergunta para a qual tenhamos uma resposta: quem são os Tricycles? Os Tricycles são: o João Taborda (António Olaio & João Taborda), o Afonso Almeida (Cosmic City Blues, Sequoia), o Edgar Gomes (Terb) e o Sérgio Dias. Os Tricycles começaram a ser fabricados quando o Sérgio (bateria) e o Edgar (baixo) se juntaram ao Afonso (guitarra, voz) e ao João (guitarra, teclas, voz), que já andavam a fazer música juntos há algum tempo.

Os Tricycles gostam de andar na estrada, como qualquer veículo digno desse nome. A energia da lua no alcatrão quente sobe pelos pedais até ao volante e explode em concertos onde o público e a banda comungam raivas e melodias.

Os Tricycles gostam do estúdio, onde brincam como putos irrequietos no parque infantil. O single “All the mornings” é o primeiro exemplo dessas brincadeiras, um jogo de reflexos que poderia dar uma história, um irónico lamento contra o tic tac do relógio. Este single é o tema de avanço para o álbum Tricycles, primeiro da banda, gravado e produzido pelo Nelson Carvalho com os Tricycles, a sair a 29 de Março de 2019, editado pela Lux Records.

https://tricyclesband.wixsite.com/tricycles

NOVIDADES DE LUIZ CARACOL














"Ora” é o tema que mostra em modo de antestreia, o que virá a ser o próximo trabalho do Luiz Caracol, que se chamará “só.tão”, que será editado no final do ano, e que será um álbum mais despido e mais despojado que os seus dois anteriores álbuns.

“Só.tão” irá ser sem qualquer dúvida uma viagem musical bastante particular, pois será um trabalho onde o Luiz Caracol irá ser o autor de todas as letras e todas músicas e onde tocará todos os instrumentos que estarão presentes no álbum

No dia 23 de Fevereiro o músico apresenta-nos o seu novo concerto e conceito a solo “só.tão”, no Centro Cultural Olga Cadaval ás 21h30.
  

SINGLE NOVO DE ACHERO

Achero é um MC da nova escola, natural dos subúrbios de Lisboa, mais especificamente do Lumiar.
Aos18 anos e com influências musicais de Eminem, Achero mostrou uma letra a LumiKingnum beatdanet, chamando desde logo a sua atenção levando-o ao produtor ZOO e começaram aí a trabalhar na sua carreira.

Com apenas19 anos, apareceu no inicio de2018com o tema “Tou No Estúdio Ocupado”, causando uma forte impressão tanto a nível visual como auditivo, de flow acutilante e atrevido.
 
Agora aos vinte e após mais três singles,“Lumi King”, “Falam” e “Dream” em 2018, surge novo som para 2019: “Capital DoTchilo”,um apontamento com o mesmo atrevimento de sempre mas também de conteúdo mais político e social que saiu no dia10deFevereiro.
 
Os seus vídeos de visual arrojado, com conceitos bem estudados e música e rimas ao nível da imagem, Achero promete muito para este ano com o lançamento do aguardado EP,conform e os 6.000 subscritores e mais de 500.000 visualizações no seu canal de YouTube o atestam.
 
O Lumiar volta a estar no mapa do Hip Hop Nacional, directamente da Lumi King Street.
 

DEFROSTED PORK CHOPS - "FOLK"


NOVO SINGLE DE TARA PERDIDA











Depois de esgotar o Lisboa ao Vivo num concerto que devolveu os Tara Perdida aos bons velhos tempos e Lisboa às concorridas e suadas noites de Punk Rock, a banda começa o mês de Fevereiro com o "Comboio", novo single que antecipa o novo álbum de originais, "Reza" com saída marcada para o mês de Março.

Depois da tempestade o sol voltou a brilhar no céu dos Tara Perdida e com uma energia renovada e a ambição que sempre os caracterizou, entram no novo ciclo iniciando a viagem no Novo Mundo. Após o lançamento de "Nada Me Vai Parar", em Setembro, e de "Reza" no final do ano, "Comboio" continua a antecipar o novo álbum da icónica banda portuguesa, que sairá já neste trimestre.

SARGENTO AO VIVO

THE LAZY FAITHFUL EM PALCO











"Nice Price", o próximo álbum dos The Lazy Faithful, sai dia 21 de Fevereiro. Editado pela pontiaq, "Nice Price" vai ser apresentado ao vivo nos dias 1 e 2 de Março, no Hard Club (Porto) e no Musicbox Lisboa. Preparam-se noites nada polémicas, nada cómicas, nem trágicas; noites sem rótulo nem nicotina pós-coito.

No Porto, a banda joga em casa e prepara uma noite diferente daquela que se está à espera com convidados especiais e com a abertura por parte dos Flying Cages, amigos conimbricenses do rock, dos finos não combinados em qualquer parte do país e da busca pelo novo rock.

Em Lisboa, os The Lazy Faithful prometem outra noite diferente, também, com convidados especiais e com a abertura a cargo dos Basset Hounds, companhia repetida das actuações na capital, fiéis ao som da loucura imaginativa que cada pedal nem sonha dar, amigos da pontiaq e da troca dos finos por imperiais. Vamos a isso!

Concertos de Apresentação "Nice Price"

01 Mar - Hard Club, Porto | 1ª parte Flying Cages Evento FB
02 Mar - Musicbox Lisboa | 1ª parte Basset Hounds Evento FB

"Warning Signs" foi a primeira música que os The Lazy Faithful deram a conhecer de "Nice Price". A sua génese no rock barroco levou o tratamento western americano da guitarra de João Ramos e, acompanhado pelo seu videoclip contemplativo e introspectivo, aborda, de maneira abstracta, os sinais de perigo de quem alguma vez pensou no seu propósito, neste universo. Estes são os vossos sinais de perigo, aprendam a apreciá-los, pois estarão convosco para o resto da vossa vida... onde quer que vão.

Sobre The Lazy Faithful

The Lazy Faithful é Tommy Hogg, João Ramos, Miguel Pinto e Zandré, mas nem sempre foi assim.

A banda conta com dois discos de originais: “Easy Target”, lançado em 2014, e “Bringer of a Good Time”, lançado em 2017, com os quais percorreram milhares de quilómetros, tendo actuado em palcos nacionais emblemáticos como o Vodafone Mexefest, MEO Marés Vivas, Vilar de Mouros, Mêda+ e Festival Monte Verde, mas também pelas principais salas de espectáculo em Espanha, França, Itália e Bélgica, onde contam com uma forte base de fãs.
 

 

PARAGUAII COM NOVO SINGLE












Em 2019 os Paraguaii estão de volta com um novo álbum, o terceiro longa-duração que sucede a “Dream About the Things You Never Do” editado em 2017.

O tema de avanço chama-se “Wild Horse” e mostra um lado mais denso da eletrónica da banda, uma mudança estética de tonalidades que se vestem das cores dos tempos que correm. Se já em trabalhos anteriores a libertação e o apelo à igualdade eram uma tónica presente na narrativa de Paraguaii, podemos agora ouvir e encontrar um grito mais sombrio e escuro, num vaguear duma realidade que se mistura com o receio de ditaduras do passado e que cria novas barreiras entre povos.

“Take me out!!! *uck all the fences!! Break all the borders of all nations!!”

Aos novos muros que se constroem os Paraguaii dão este grito de revolta; às novas barreiras que nos separam, há em “Wild Horse” o apelo à união e este mistura-se numa sonoridade mais pesada, negra e que vai beber ao mais fundo de nós mesmos. Há uma luz ao fundo do túnel para todos nós mas até lá chegarmos, precisamos de ouvir a escuridão que temos de percorrer para lá chegar.

O videoclip foi realizado pela banda, com filmagem de Daniel Fernandes e edição de Giliano Boucinha e retrata esse lado inspiracional mais negro que acompanha o novo disco e que certamente fará parte dos espectáculos ao vivo.

Paraguaii é o projecto formado por Giliano Boucinha na guitarra, voz e synths e Zé Pedro Correia nos synths e Baixo. Ao vivo a banda apresenta-se com um baterista convidado. O novo disco tem edição prevista para 8 de Março e será apresentado numa digressão nacional. Estas são as primeiras datas confirmadas:

8 Mar | Teatrão | Coimbra
9 Mar | Gatilho | Amarante
22 Mar | Casa Independente | Lisboa
29 Mar | Club | Vila Real
30 Mar | Novo Labranza |Bueu (ES)
31 Mai | Café Avenida | Aveiro

TOUR "ESTRANGEIRA" 2019 DE CATI FREITAS INTERROMPIDA

site oficial | facebook | instagram | youtube | spotify

Informa-se que, lamentavelmente, a tour do álbum "Estrangeira" de Cati Freitas teve de ser suspendida por tempo indeterminado, devido a motivos de saúde da cantora.

Ainda que Cati tenha tido um começo arrebatador no Centro Cultural Olga Cadaval no passado dia 25 de Janeiro, é com pesar que se vê forçada a interromper e a reagendar os concertos previstos para Coimbra e para o Porto, para data a definir.

Todos os que já adquiriram bilhetes, dever-se-ão dirigir ao local de compra dos mesmos para reembolso.

Desejamos que esteja para breve o regresso de Cati Freitas ao activo para poder continuar a encantar-nos a cada apresentação pública.

FESTIVAL EMERGENTE ESTREIA JÁ DIAS 15 E 16 NO LISBOA AO VIVO




















O desafio é irresistível: são 13 bandas, 2 Dj Sets, num total de 18 horas de música ao longo de dois dias. Tudo acontece na sala LAV - Lisboa ao Vivo, em Marvila, um dos bairros mais emergentes de Lisboa.

Quanto à música – e é disso que se trata – o FESTIVAL EMERGENTE assume uma linha muito clara nas opções que faz e aposta em dar um empurrão à nova geração de músicos, portugueses, mas não só: de Madrid, com o seu rock psicadélico, vêm os Tourjets; de São Paulo, a dupla de Djs Venga Venga, traz o folclore do futuro.

Do rock progressivo à música de dança, das sonoridades mais experimentais e pessoais ao Punk Rock, o FESTIVAL EMERGENTE promete uma descarga de intensidade e energia como os corações estão a precisar.

De acordo com Carlos Gomes, organizador do festival, o FE surge para mediar o espaço entre os gigs ao longo do ano de cada uma das bandas e os festivais de verão, oferecendo ao público a possibilidade de assistir aos concertos que quiser, sem o stress da sobreposição de horários. Já para as bandas, a ideia é que seja um momento de concentração, de crescimento, de motivação e de celebração, no encontro com o seu e outros públicos e com os seus pares.  

CARTAZ:

DIA 15 – SEXTA.FEIRA

COSMIC MASS / SUN BLOSSOMS / TIME FOR T / TUORJETS (ESP) / FILIPE SAMBADO e os ACOMPANHANTES DE LUXO / PEDRO MAFAMA / DJ SET - VENGA VENGA (BRA)

DIA 16 – SÁBADO

MÔRUS / ELEPHANT MAZE / PALMERS / OSSOS D’OUVIDO / CAVE STORY / SUN FLOWERS / STONE DEAD / DJ SET - DJI JAYS

BILHETES (maiores de 12 anos)

PASSE 2 DIAS: 20€

BILHETE DIÁRIO: 15€

CAMPANHA "FEzada"! – PARA GRUPOS
(disponível até ao dia 14 às 24h00, tal como os bilhetes online! Depois só à porta.)

Na compra de 5 passes, paga 4/ Na compra de 5 bilhetes diários, paga 4

Na compra de 10 passes, paga 8/ Na compra de 10 bilhetes diários, paga 8

MIRAMAR COM NOVO SINGLE












Frankie Chavez e Peixe unidos pelo seu trabalho com a Guitarra, formam Miramar. Agora apresentam o segundo single, "Nazaré", do disco homónimo que acaba de ser lançado.

Depois do 1.º single “I’m Leaving”, que reúne uma guitarra acústica com uma 'slide guitar’, “Nazaré” é agora a escolha perfeita para continuar a ilustrar o disco "Miramar".

Segundo Frankie Chavez e Peixe: "escolhemos o tema “Nazaré” para 2.º single do nosso álbum, na sequência de uma proposta do realizador Paulo Cunha Martins que, entusiasmado com o tema, nos apresentou a ideia de realizar um vídeo em que imagens de ondas e mar seriam projetadas sobre os músicos. Isso agradou-nos de imediato, não só pelo entusiasmo do Paulo mas também porque “Nazaré” é talvez o tema com a instrumentação mais inusitada do álbum, apresentando um diálogo raro entre uma guitarra portuguesa e uma guitarra elétrica."

O tema “Nazaré” foi inspirado no oceano, mais concretamente no mar que chega à Praia do Norte, na vila da Nazaré. Nessa zona, devido ao fenómeno natural conhecido como o Canhão da Nazaré (um desfiladeiro submarino a cerca de 500 metros da costa), as ondas chegam a ultrapassar os 30 metros de altura.

 O tema, com a sua cadência embalante e crescendo de uma forma constante, tenta contar a historia de como o mar pode evoluir de ondas de 1 metro até ondas de 30 metros.

O novo disco "Miramar" é apresentado ao vivo pela primeira vez no mês de março em 3 concertos agendados para 14 de março na Casa da Música, Porto, 26 de março no Teatro Villaret, Lisboa e a 30 de março no Salão Brazil em Coimbra, este último no âmbito do Festival Santos da Casa. Estes espetáculos contam com uma forte componente visual em que imagens de arquivo escolhidas por Jorge Quintela vão servir de pano de fundo aos concertos.

O álbum de Miramar foi editado em CD e LP no fim de janeiro, pela Rastilho Records.

Mais informação:

Concertos de apresentação:

Porto | 14 Março
Casa da Música
Hora: 21H30
Preço: 10€
Link: http://bit.ly/2sz0ths

Lisboa | 26 Março
Teatro Villaret
Hora: 21H30
Preço: 12€
Link: http://bit.ly/2T5susF

Coimbra | 30 Março
Salão Brazil
Festival Santos da Casa
Hora: 22H00
Preço: 10€
Link: http://bit.ly/miramar_sb

domingo, 10 de fevereiro de 2019

LITTLE FRIEND LANÇAM NOVO DISCO NO DIA 5 DE ABRIL

Com concerto de apresentação no Hard Club e 1.ª parte de Time For T.

5 anos depois de We Will Destroy Each Other, álbum de estreia que os deu a conhecer, os Little Friend estão de regresso com o segundo álbum, A Substitute for Sadness. O projecto de John Almeida esteve ausente durante um período em que houve uma desconstrução gradual de tudo que estava a ser escrito e vivido, até ser inevitável uma reconstrução quase total da música, do som, e até da identidade do projecto. Depois de mudanças profundas, tanto a nível pessoal como criativo, este disco pretende chegar a uma nova sonoridade, com mais arranjos, orquestração, e uma produção mais cuidada, sem nunca perder o objectivo de escrever canções. De novo numa parceria e colaboração muito próxima com o seu produtor André Tentugal, também responsável pelos arranjos e composição, os Little Friend têm como single de avanço Sombre Song, que reflete o fascínio pela fronteira sonora entre a estética de cantautor dos finais dos anos 60 e a orquestração do início da década de 70, que trouxe temas mais sombrios para as letras e tentou alargar os limites da produção. Gravado, misturado nos Estúdios Sá da Bandeira, no Porto, por João Brandão, este tema dá-nos um sinal do que virá brevemente. O desconcertante videoclip, com a presença intensa do actor Tommy Luther, foi também realizado por André Tentugal.

Sigam-nos no:
FACEBOOK
INSTAGRAM

Próximos concertos:
16.02 Convívio, Guimarães
17.02 Concerto Secreto, Porto
07.03 Plano B (concerto de abertura para Chantal Acda), Porto
08.03 Sabotage (concerto de abertura para Chantal Acda), Lisboa
05.04 Lançamento do disco com Time for T na primeira parte, Hard Club, Porto
  

HELENA SILVA APRESENTA-SE

Helena Silva serve-se apenas do violino e de uma loopstation para desenvolver temas que transitam entre o minimalismo contemporâneo e a experimentação acústica.

 Com uma pegada única em Portugal, Helena Silva conta já com passagens por salas como a Casa da Música, CCB, Coliseu do Porto, Teatro Aveirense, Teatro Sá de Miranda e Theatro Circo, para além de ter acompanhado Antony and the Johnsons no litúrgico espectáculo que deram no NOS Primavera Sound 2015. Nos últimos anos, para além de ter feito parte dos Indignu, colaborou também, em disco e ao vivo, com Grutera e Gobi Bear.

Sigam-na no FACEBOOK.

Próximos concertos:
29.03 CLAV, Vermil
06.04 Piano Bar, Aveiro