quarta-feira, 23 de junho de 2021

VEM AìÍ DISCO DOS ALVES BABY
















A banda lisboeta Alves Baby acaba de lançar o primeiro single do seu muito aguardado álbum Bonito Serviço. O tema Sarrafo já se encontra disponível em todas as plataformas digitais de música.

Sem grandes definições de si próprios enquanto banda, os Alves Baby acabam de lançar o single Sarrafo que é acompanhado por videoclip.

A banda lisboeta encontra-se neste momento a ultimar a gravação e edição do álbum Bonito Serviço, que deverá estar disponível ainda em 2021.

Com uma sonoridade assente no rock instrumental alternativo, os Alves Baby prometem trazer uma fresca e nova abordagem ao género. Afinal, trata-se de uma banda que faz das narrativas construídas sem voz, mas com uma enorme paleta de vocábulos sonoros, o seu modus operandi. Em cada canção, uma viagem. Em cada acorde, um bilhete para uma nova paisagem sonora. Com influências demasiado grandes para nomear, os Alves Baby fazem canções em rock instrumental, com influências de rock alternativo, indie rock, música ambiente, space rock, neopsicodelia, dream pop, shoegazing, chillwave ou tudo aquilo que se lhes queira ser apontado. Bandas como os portugueses Linda Martini ou os escoceses Mogwai podem ser consideradas como influências. Entre muitas outras. Na verdade, a banda não perde um minuto a pensar nisso.

Com efeito, não é na pertença a um género musical, que o coletivo se foca. Ao invés disso, é nas narrativas e nos enredos musicais dos seus temas, nas viagens ambientais e nas explosões de som, que André Sousa, na guitarra; Bruno Gonçalves, no baixo; e Hugo Pinto, na bateria; se focam. Todos eles oriundos da cidade de Lisboa, tão cheia de narrativas sonoras em si mesma, e membros de outros projetos e paragens musicais ao longo dos últimos 20 anos, iniciaram o seu percurso, enquanto Alves Baby, em 2012, quando lançaram, a título experimental, o EP Rissol Aquecido. Desde então, vários temas têm sido trabalhados e pensados. E 2021 é o ano do lançamento de nova música para esta banda. O primeiro tema intitulado Sarrafo já está disponível em todas as plataformas digitais de música e o seu videoclip pode ser encontrado no site Youtube.

CONECIDOS SÁBADO VENCEDORES DO FESTIVAL METAMORFOSE














Ao longo de sete semanas, assistimos às atuações em direto de Duarte Papel, Fugue, M1ndFull, Rara, Rosa Luxemburgo, Terminal e The Jeggas. Tivemos regressos aos palcos e estreias, vários estilos e muitas músicas originais. E começaram as transformações que o Festival quer proporcionar!

No dia 26 de junho, sábado, às 21h30, chega ao final a primeira edição do Festival Metamorfose, uma organização da Associação Asas à Imaginação, que conta com os apoios do Intermarché Condeixa-Mealhada-Taveiro e dos municípios de Coimbra e Condeixa-a-Nova. O anúncio dos projetos vencedores, que vão receber prémios monetários no valor de 3.000 euros, será feito em direto, no Facebook e Youtube, com a presença de todos os concorrentes.

Desde 1 de maio, semanalmente, aos sábados à noite, José Rebola e Pedro Ferreira foram anfitriões dos sete projetos musicais a concurso: Duarte Papel, Fugue, M1ndFull, Rara, Rosa Luxemburgo, Terminal e The Jeggas. Os concorrentes do Festival foram escolhidos, a partir de um concurso nacional, por um júri constituído por Carlos Gago, Katia Guerreiro, Manuel Rocha e Tiago Nogueira.

Foram sete semanas em que projetos que esperavam uma oportunidade e bandas que tiveram os seus planos interrompidos pela pandemia, tiveram "palco" nos estúdios da Academia de Música de Coimbra, situados em Condeixa-a-Nova.

Pedro Ferreira, criador e diretor do Festival, considera que se confirmou a necessidade do surgimento de uma iniciativa inédita para divulgar, promover e apoiar projetos musicais, dar oportunidade a projetos emergentes/inéditos e criar pontes entre o público e a arte — e a música em particular — num contexto tão singular. "Transformação foi a palavra ordem e o balanço não poderia ser mais positivo", indica Pedro Ferreira que salienta que "foram milhares que assistiram aos episódios ao longo de dois meses, bem como os votos ao longo dos quatro dias de votação destinado ao público". "Números que surpreendem e que convidam à continuidade do projeto", conclui o responsável.

Os sete programas estão disponíveis no Facebook e Youtube.

NOVO DISCO DE GABRIEL FERRANDINI






















Hair of the Dog é o novo disco de Gabriel Ferrandini. Resulta de 5 anos de trabalho a solo e reúne três composições que procuram explorar os contrastes entre o acústico e os sons amplificados, combinando a bateria com pedais de volume, sub-graves, baixas frequências e feedbacks. Para esta gravação, o Gabriel escreveu para uma seção de sopros, utilizou material editado pelo compositor Carlo Gesualdo (1566-1613) e contou ainda com o processamento electrónico de Pedro Tavares (Império Pacífico, funcionário). É uma experiência intensa que nos vai fazer questionar os limites da música, explorando novos territórios.

O disco será editado em Julho pela CANTO, a minha nova editora, mas já pode ser ouvido, na íntegra, no bandcamp. Depois da estreia ao vivo no Teatro Viriato em Viseu, segue-se apresentação no Jazz em Agosto da Fundação Calouste de Gulbenkian (6 de Agosto). Para estes espetáculos foi delineada uma dramaturgia especial com uma componente visual próxima da instalação sonora/performance.

A CANTO servirá, finalmente, para eu poder editar os trabalhos que tenho vindo a instigar através de residências artísticas e de projectos especiais desenvolvidos com músicos que me são próximos.

FESTIVAL JARDINS DO MARQUÊS


 








A manutenção de fortes restrições à circulação internacional devidas à pandemia da COVID-19, que impõem quarentena aos passageiros oriundos nomeadamente do Brasil, obriga ao adiamento da noite de 2 de julho que contava com o concerto de Seu Jorge e Daniel Jobim, com Rua das Pretas na primeira parte, para nova data a anunciar brevemente.

Todas as restantes noites e respetivos concertos mantêm-se confirmados:

4 de julho
MARIA JOÃO PIRES | JÚLIO RESENDE

6 de julho
RUFUS WAINWRIGHT | VICENTE PALMA 8 de julho
ANTÓNIO ZAMBUJO | TAINÁ

9 de julho
BONGA | MAYRA ANDRADE

10 de julho
CAMANÉ E MÁRIO LAGINHA | JORGE PALMA

11 de julho
RUI VELOSO | TITO PARIS

Bilhetes à venda em meoblueticket.pt e nos locais habituais.


De 4 a 11 de julho, 6 noites de verão nos Jardins do Marquês em Oeiras

www.jardinsdomarques.pt

www.facebook.com/jardinsdomarques | www.instagram.com/jardinsdomarques

"NADAR DE COSTAS" É O NOVO SINGLE DOS THE HAPPY MESS






















“Nadar de Costas”, o novo single dos The Happy Mess, é um tema de Verão cheio de ironia e que nos apresenta as desventuras de um jovem com enorme inabilidade na sedução. É uma canção com uma sonoridade inspirada nos anos 80, marcada por sintetizadores analógicos e guitarras funk. "Nadar de Costas" é um dos temas que antecipa o novo disco da banda, o primeiro cantado integralmente em Português, e que celebra 10 anos de canções. O 4º registo de originais dos The Happy Mess vai ser editado no final do Verão, quando a banda entrou em estúdio, pela primeira vez, em 2011, e conta com uma série de convidados especiais, entre músicos, escritores, poetas...

O vídeo de "Nadar de Costas", realizado por Paulinho Ribeiro e produzido pela P.nuts, mergulha na estética visual de séries clássicas como “Miami Vice” ou “Baywatch - Marés Vivas”.

Ao quarto disco, os The Happy Mess sintetizam uma sonoridade que transporta uma década de palcos e canções, com alguns dos seus singles - "Morning Sun", "Backyard Girl", "Waltz for Lovers" - a alcançar os primeiros lugares dos tops nacionais.

Nos 10 anos de existência, a banda tem percorrido o país e o estrangeiro, tendo participado em festivais como Eurosonic (Holanda), Festival NOS Alive, Vodafone Paredes de Coura, Super Bock Super Rock, MEO Marés Vivas, Sol da Caparica, Festival do Crato, entre muitos outros, e em salas emblemáticas como Casa da Música, Hard Club ou Centro Cultural de Belém.

JERÓNIMO LANÇAM VIDEO INÉDITO


Versões e temas inéditos gravados em ambiente intimista, é esta a proposta dos Omnichord Outtakes, série de vídeos a serem lançados ao longo do ano nas plataformas da promotora, editora e produtora. O segundo episódio, lançado hoje, apresenta um tema inédito de Jerónimo, onde desconstroem Collective Silence, o primeiro single do seu próximo disco lançado a 12 de fevereiro deste ano. Em modo de celebração do 9º aniversário da Omnichord e durante um direto na página de instagram do Café Central fazem uma surpresa e tocam o tema ao vivo, com o qual fazem um medley com “2012”, canção de Nice Weather For Ducks, que estreou a editora, nesse mesmo ano.

JERÓNIMO são Gil, Nuno e Luís, três irmãos que já tinham mostrado o que valem em projetos como Nice Weather For Ducks, Les Crazy Coconuts e Few Fingers, mas nunca tinham tocado juntos. Decidiram criar um projeto familiar em que juntam a eletrónica em formato canção às suas três vozes em harmonia. Arrancaram em 2019 com “Big Bites” e chegaram a festivais como o Bons Sons ou o A Porta e lançaram uma versão colaborativa com Surma do tema "Drog".

FAUSTO BORDALO DIAS NO PORTO













Depois de esgotar os dois concertos agendados para o Centro Cultural de Belém, em Maio, Fausto Bordalo Dias leva o espetáculo “Atrás dos Tempos Vêm Tempos” à cidade do Porto. No dia 4 de Setembro, a Casa da Música será palco de um dos artistas mais icónicos da música portuguesa.

E outros tempos hão-de vir, tempos em que o que no presente é estranho, no futuro há-de apenas ser memória. E celebrar, como, de resto, navegar, não só é preciso, é também urgente. Outros tempos, como noutros tempos cantou Fausto, hão-de certamente vir. E nesses outros tempos iremos, uma vez mais aplaudi-lo. Porque Fausto é um dos maiores tesouros guardados nos campos da música portuguesa, um património vivo que nos deu canções que também ajudam a fazer de nós o que somos.

“Atrás dos Tempos Vêm Tempos”, uma canção que Fausto primeiro cantou na Madrugada dos Trapeiros, corria o ano de 1977, com o aroma dos cravos ainda fresco na memória de todos. Quase 20 anos depois, esse título haveria de servir para uma antologia da sua obra. Agora, volta a recuperar-se para nomear um espectáculo raro. Não apenas raro porque Fausto é parcimonioso a pisar as tábuas dos palcos, ele que sempre preferiu a reserva à exposição, a ausência à luz da ribalta. É raro porque quase sempre que Fausto levou as suas criações para o palco o fez com a ideia de que o presente, e não a memória, é que lhe merecia a atenção. Normalmente, um concerto significava a exploração do último trabalho, a oportunidade de expor ao vivo aquilo que se tinha tão minuciosamente criado em estúdio. A ideia de “grandes êxitos” nunca encontrou grande eco no espírito do senhor Bordalo Dias. E, no entanto, é inegável que nas suas 5 décadas de aplaudida carreira, o homem que subiu um rio, saltou para lá das cordilheiras, pisou terra ardente e escalou montanhas, deixou muitos marcos no seu caminho.

O espetáculo “Atrás dos Tempos Vêm Tempos” ruma agora ao Porto no dia 4 de Setembro. É aí que Fausto irá encher os corações da plateia da Casa da Música, em mais um marco num mundo que já se espera diferente.

A viagem passará por etapas importantes da carreira de Fausto: de Pró Que Der e Vier, trabalho lançado logo em 1974, e Madrugada dos Trapeiros, disco de 1977, ao inevitável Por Este Rio Acima de 1982, O Despertar dos Alquimistas de 1985, Para Além das Cordilheiras de 1987 e ainda Crónicas da Terra Ardente de 1994, A Ópera Mágica do Cantor Maldito de 2003 ou Em Busca das Montanhas Azuis, o trabalho de 2011 que continua a ser o seu registo de originais mais recente. Desses marcos escutar-se-ão temas eternos como “Ao Som do Mar e do Vento”, “Todo este Céu”, “Lembra-me Um Sonho Lindo”, “Navegar Navegar”, “Rosalinda”, “Porque Me Olhas Assim”, “Carta de París”, “A Guerra é a Guerra” ou, entre muitas outras, a canção que dá o mote ao espetáculo, “Atrás dos Tempos Vêm Tempos”, numa viagem com duas dezenas de canções que já se libertaram do tempo para se tornarem matéria omnipresente nas nossas memórias e identidades.

Rodeado de músicos e amigos com quem se cruzou em diferentes momentos da sua frutuosa carreira, Fausto irá navegar por uma memória feita de grandes descobertas. Viriato Teles escreveu, não há muito tempo, sobre Fausto e Por este Rio Acima no livro Cento e Onze Discos Portugueses com que a Antena 3 celebrou oito décadas de rádio pública. Aí sublinhava a relevância de um trabalho que não sendo necessariamente o “melhor”, era um claro marco distinto e nobre num percurso a todos os títulos singular. “É isso, e apenas isso, que faz de Por Este Rio Acima um disco a todos os títulos histórico”, referia o veterano jornalista, “já que antes de depois dessa obra Fausto criou alguns dos mais belos temas da música portuguesa de todos os tempos – de "Rosalinda" a "Atrás dos Tempos", passando por todo O Despertar dos Alquimistas, pela revisitação da infância de A Preto e Branco, pelo reencontro com a Europa de Para Além das Cordilheiras, ou pelo resto da viagem contada e cantada em Crónicas da Terra Ardente e Em Busca das Montanhas Azuis, os dois outros títulos da trilogia de Fausto sobre a diáspora portuguesa”. É essa obra que todos iremos agora poder aplaudir. Porque atrás dos tempos vêm tempos, e outros tempos hão-de vir.

Os bilhetes para o espetáculo “Atrás dos Tempos Vêm Tempos” de Fausto Bordalo Dias na Casa da Música, no dia 4 de Setembro, estão à venda tanto na bilheteira da Casa da Música como também pela Ticketline, e custam 30€.

terça-feira, 22 de junho de 2021

PROGRAMA DE 22/06/21

1 – Ece Canli – Animancia
2 – Maria Villanueva/Vânia Couto/Lucas Centi/Sandra Pérez/Yoshida Carvalho – Canção da roda
3 – The Joy Of Nature – Mar eterno
4 – mema. – Perdi o norte
5 – Gisela João - Canção do coração
6 – Júlio Resende – Profecia (c/ Lina Rodrigues)
7 – Mekong – Karkow
8 – Sweet Nico - Panda heart

9 – Hist – Wanna be your pet
10 – Ode Filipica – My eyes are burning
11- ET3R – The world outsider
12 – Matadevice – Dysfuncional cyborg
13 – João Vairinhos – Vébia
14 – Misfist Trauma Queen - Enter noise
15 – Mira Quebec - Soulvaki

AGENDA ALAIN VACHIER























JUNHO

24 Jun|21H00 – HOMENS DO SUL – Parque do Palácio - Tavira

24 Jun|21H00 – SEBASTIÃO ANTUNES & QUADRILHA- Auditório da Associação Musical e Artística Lourinhanense - Lourinhã

26 Jun|21H30 – MARIA ALICE & JON LUZ – Jardim Público de Évora - Festival Imaterial

JULHO

06 Jul|21H00 - DUARTE - Igreja de AVESSAC (Redon – França)

09 Jul|21H30 - ANA SOFIA VARELA – Ringue de Patinagem -Trafaria

09 Jul|22H00 – DUARTE – Ringue de Patinagem - Trafaria

17 Jul|21H30 - DUARTE – Barragem dos Patudos – Alpiarça

24 Jul|21H30 –DUARTE– Jardins do Castelo - FIMM - Marvão 

ALL MUSIC FEST EM MELGAÇO

 




















O All Music Fest vai regressar a Melgaço esta semana. O concerto está marcado para o dia 25, na Casa da Cultura.
A atuação dos portugueses Galandum Galundaina abre a nova temporada de espetáculos, cumprindo sempre todos os requisitos indicados pela DGS.
O concerto tem início pelas 21h30 e já podem reservar os bilhetes (valor de 8€) na Casa da Cultura ou via telefone 251 410 060.

Nos últimos anos, várias bandas e géneros musicais passaram pela Casa da Cultura, nomeadamente Manuel Fúria, Few Fingers, Hourglass, TT Syndicate, Lince, Zurich Dada, Torcido, Noiserv, Hot Air Walloon ou Fado Violado. Com mais uma edição desta iniciativa, a autarquia pretende enriquecer o programa cultural que oferece, dinamizando também a oferta turística.

25 Junho 2021 - 21h30
Casa da Cultura - Melgaço
Galandum Galundaina

NUNO RIBEIRO TEM NOVO SINGLE E NOVO VÍDEO






















No preciso momento em que todos nós sonhamos com as férias e com o Verão, Nuno Ribeiro oferece-nos “Nas Ondas Do Mar” com a participação especial do artista brasileiro Nick Cruz. O novo single ficará disponível em todas as plataformas já esta sexta-feira, dia 25 de Junho.

A novíssima canção do talentoso cantor e compositor da nova geração de músicos portugueses sabe a praia, mar, pôr do sol de Verão, a férias e a romance e promete ser uma das canções do Verão 2021.

“Nas Ondas Do Mar” tem letra de Nuno Ribeiro e Nick Cruz e a música é de Nuno Ribeiro. Produção esteve a cargo de Nuno Ribeiro e Pedro Villas.

O vídeo foi realizado por André Ribeiro e a direcção de fotografia é de Bruno Nacarato. De destacar também a participação dos actores Paula Medeiros e Gonçalo Paquete.

Nuno Ribeiro é hoje um dos músicos mais respeitados do panorama musical nacional. Já com inúmeros êxitos como “Longe”, “Para Lá Das Oito” feat. Rogg, “O Que Fomos” feat. David Carreira, “Tarde Demais” ou o mais recente “Por Ti” (com Ainoa Buitrago), não pára de nos surpreender a cada novo lançamento, razão também pela qual frequentemente é solicitado para compor canções para os mais distintos artistas.

“Nas Ondas Do Mar” conta também com a voz de uma das maiores promessas da música pop do Brasil, o jovem artista de 23 anos Nick Cruz.

Nick Cruz começou a sua ligação à música aos 9 anos de idade a cantar com a sua família em bares de Karaoke. Em 2018 escreve a sua primeira canção, “Me Sinto Bem”, depois de um período onde, após ter saído de casa aos 15 anos de idade, teve de sobreviver trabalhando em várias outras actividades. Seguiu-se o caminho de actuações em pequenos bares e com a idade de 21 anos, Nick actuou no stand da Warner Music Brasil no Rock In Rio 2019 e assinou contrato de artista exclusivo com a editora em pleno Festival. O seu mais recente single é “Sol No Peito” canção em que aborda pela primeira vez a defesa do movimento LGBT no seu trabalho artístico e cruzando mesmo a ficção com a sua história real.

NOVO DISCO DE MARTA REN
















Mauris commodo massa tortor, u sit amet,consectetur adipisicing Nunc fermentum neque quam, sodales eleifend elit imperdiet vitae. Aliquam id euismod nulla. Suspendisse imperdiet, sem et sollicitudin egestas, urna nunc auctor massa, vulputate pharetra mi odio nec tortor. Ut ultricies massa viverra quis.


A 28 de Dezembro de 2019, Marta Ren concretizou um sonho antigo: “inundar” a Avenida dos Aliados no Porto com uma onda de groove ao lado de uma das suas orquestras favoritas - “a incrível Orquestra Jazz de Matosinhos”. Foi uma noite mágica onde, juntos, recriaram o seu primeiro disco a solo, "Stop, Look, Listen" revisitando, também, alguns dos seus clássicos preferidos do cancioneiro americano.

É comum o pico da carreira de um artista em Portugal ser assinalado por um concerto ou disco com Orquestra mas a carreira de Marta Ren não atingiu (ainda) o seu pico e este encontro nada teve de fortuito: Marta cresceu em Matosinhos, viveu no Porto onde se formou em artes e na prática musical, em que se inclui o canto Jazz.

Mas este encontro não se fica como mais um episódio no seu rico percurso. Foi motivo de ensaios, novas escolhas, novos arranjos e assume-se como mais uma contribuição para a música de inspiração negra feita em Portugal.

O seu registo em disco intitula-se “Marta Ren convida Orquestra Jazz de Matosinhos ao Vivo nos Aliados” e será lançado a 18 de Junho em Portugal pela Rastilho Records.

“Dezassete músicos amplificam a rainha do soul-funk. Agarrem-se!”, assim o descreveu, com entusiasmo, o maestro da Orquestra, Pedro Guedes, na preparação deste espectáculo especial, que voltará a subir ao palco assim que as condições o permitam.
Neste disco, a cumplicidade entre a cantora e compositora e o maestro pode ser sentida em “Smiling Faces”, uma composição sua que se mantém um êxito de rádio escondido, ou em “Nature Boy”, uma escolha muito pessoal do Songbook de Jazz, que Marta Ren transforma numa versão mágica e de assinatura sua.

Tracklist, CD
01. Worth it
02. Release me
03. I´m not your regular woman
04. Smiling Faces
05. Nature Boy
06. Summer´s Gone (Didn´t swim)
07. So Long
08. Lets talk about the kids

NO SALÃO BRAZIL


















16 de Junho, 18h30
K. Wolf | Salão Azul

Projeto a solo do músico Gonçalo Parreirão. Esquecendo a deambulante parafernália a que recorre para sonorizar filmes antigos, apresenta-se desta vez apenas com a sua fiel companheira - a guitarra.

A Blue House, em colaboração com o Salão Brazil, apresentam o regresso do ciclo de showcases “SALÃO AZUL”. Entre Maio e Julho de 2021, a produtora e a sala conimbricenses farão a produção e curadoria de diversos espectáculos solidários com a União Audiovisual. Esta associação nasceu durante a pandemia com o objectivo de ajudar, exclusivamente através de bens alimentares, o grande número de profissionais da área audiovisual que ficaram sem trabalho, devido à enorme redução do número de espectáculos realizados. Sendo esta uma situação dramática e urgente, a Blue House e o Salão Brazil, como apoio da Music Light e da Associação de Músicos e Técnicos, juntaram-se para se associar a esta causa e irão promover diversos “mini-concertos”, às quarta-feiras, pelas 18h30.

Bilhete: Gratuito na entrega de um alimento

24 e 25 de Junho, 22h00
Festival Apura apresenta Ferro e Wakadelics

A proposta final para o mês de Junho, acontece nos dias 24 e 25, marcando o retorno de uma parceria entre o Salão Brazil e o Festival Apura. O festival de música e arte independente, viu impedida a sua ação de divulgação de projetos artísticos e musicais independentes através da sua celebração anual fruto da pandemia, no entanto, é com entusiasmo que a parceria retorna ao espaço do Jazz ao Centro Clube, tendo como intuito dar oportunidade a artistas que estiveram em atividade durante este período mais problemático, sendo agora, a prioridade da aposta do projeto de divulgação artística na cidade de Coimbra. Dia 25 de Junho, o Festival Apura estreia dois projetos no palco do Salão Brazil. Ferro, apresenta temas que desenvolveu durante a pandemia, após o seu álbum Timeless de Agosto de 2019, tem lançado singles de uma forma contínua, tendo oportunidade de os apresentar ao vivo, num formato a solo como está habituado, tornando-se condutor de uma viagem pautada por loops, riffs, melodias e ritmos, em que todo o universo sonoro é composto no momento, apresentando a possibilidade de seguir caminhos imprevisíveis. Wakadelics é a segunda estreia que o Festival Apura propõe neste evento em parceria com o Salão Brazil. A banda com diversos elementos albicastrenses, tem o seu álbum de estreia preparado para ser apresentado, é apenas por motivos pandémicos que este trabalho ainda não viu a luz do dia, sendo que no dia 25 de Junho haverá oportunidade de ouvir os temas do seu álbum assim como temas desenvolvidos durante a pandemia na integra. É um projeto que pinta o seu universo musical com cores entre o psicadelismo, o progressivo, demonstrando uma musicalidade também ela imprevisível havendo diversos momentos de improvisação ao longo da performance.

Bilhete: 6,00€
Apenas por reserva para: reservas.jazzaocentro@gmail.com

2 de Julho, 21h45
dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS

Depois destes tempos difíceis, os dSCi, regressam à estrada para apresentar o seu explosivo concerto e alguns temas do próximo disco, um 10 polegadas que verá a luz do dia ainda em 2021.

Nesta mini tour tocam na Smup na Parede, no Salão Brazil em Coimbra e na Casa Salgueiros no Porto.
Formados em 2007, os dUASsEMIcOLCHEIASiNVERTIDAS (dSCi) são uma banda sediada em Lisboa com
um currículo tão intenso como a sua música, que pode ser descrita como urgente, energética e feroz.
Em termos de discografia lançaram dois EPs ("I"; em 2008 e "I"; em 2009), uma cassete

(“SADITREVNiSAIEHCLOcIMEsSAUd“ em 2010), um LP em vinil (“4” em 2012), duas split-tapes (“dSCi/Cangarra” em 2013 e “Chains Split Tape Vol. 2” em 2016), um single e um split em vinil (“Poda/Enco” em 2018 e dSCi/Parpar em 2018), três álbuns ao vivo com o seu projecto paralelo de improvisação electroacústica dOISsEMIcIRCUITOSiNVERTIDOS e dois álbuns como dOISsEMIcARDÍACOSiNVERTIDOS, resultado da junção com os Cardíaco, entre várias participações em diversas compilações nacionais e internacionais.

Quanto a apresentações ao vivo, contam já com mais de quatro centenas de concertos, incluindo inúmeros festivais e treze digressões que os levaram a países como Espanha, França, Alemanha, Suíça, Itália, Bélgica, Holanda, República Checa, Eslováquia, Hungria, Eslovénia e Rússia.

Além de tudo isto têm estado envolvidos em muitos outros projectos e colaborações ao longo dos anos,
nomeadamente com a Associação Terapêutica do Ruído (ATR), entidade informal e paralela à banda que se dedica principalmente à organização e promoção de concertos, mas também à edição e distribuição de discos e graças à qual já receberam centenas de músicos e bandas de todo o mundo.

Bilhete: 5,00€

BEAUTIFY JUNKYARDS APRESENTAM 'COSMORAMA' AO VIVO NO TEATRO DA TRINDADE INATEL






















26 DE JUNHO | 20H30
LISBOA

No dia 26 de junho, às 20h30, o sexteto lisboeta Beautify Junkyards apresentará ao vivo pela primeira vez o seu novo disco "COSMORAMA". O local escolhido para esta estreia foi o Teatro da Trindade Inatel em Lisboa, estando os bilhetes disponíveis para compra no site da BOL.

Nina Miranda cantora e compositora inglesa que nasceu no Brasil, sobe também a palco neste concerto de apresentação de "COSMORAMA", sendo a convidada especial dos Beautify Junkyards.

O percurso da artista foi feito em várias bandas inovadoras e aclamadas pela crítica internacional, incluindo Smoke City (que atingiram sucesso mundial com o tema "Underwater Love"), Shirft e Zeep, trabalhando, ao mesmo tempo, com nomes como Da Lata, Nitin Sawhney, António Chainho, Faze Action, Robert Miles, Jan Wobble, entre outros. A sua voz é descrita como “etérea e flutuante e outras vezes forte e rítmica”.

Nina Miranda participou em três temas de "COSMORAMA", entre eles “Reverie“, segundo single de apresentação do disco.

LUÍS COELHO EDITA "CONTOS DE CORDAS"






















Luís Coelho apresenta o seu disco de estreia "Contos de Cordas", editado pelo Museu do Fado. Com composições originais de sua autoria, o trabalho musical de Luís Coelho assenta em sons da guitarra portuguesa, guitarra clássica, contrabaixo e harpa, apresentando uma paisagem sonora inspirada na música tradicional portuguesa e na música erudita, procurando um equilíbrio na sua fronteira. Com Salomé Pais Matos na harpa, Carlos Menezes no contrabaixo e participações especiais de Sofia Neide, Carlos Leitão, Luís Peixoto e Pedro Janela.

«O abandono à guitarra portuguesa levou-me a criar com a guitarra uma relação dialética. Quem se entrega inebria-se pelo seu timbre e muitas vezes imagina palavras nos sons gemidos ou gritados das suas cordas, como se a própria guitarra nos falasse... O encantamento pode ser tal que nos transporta a um tempo no qual as tradições orais - e os contos - nos faziam olhar para dentro de nós próprios e para o nosso Fado.

As cordas da Guitarra Portuguesa têm este encanto do “era uma vez” que nos apaixona e que aqui se documenta através da linguagem intimista dos contos. Uma narrativa entre as cordas da Guitarra Portuguesa, da Harpa e do Contrabaixo, com alguns apontamentos de Viola de Fado e Sanfona.»

Luís Coelho

Autoria dos temas: Luís Coelho
excepto tema 6: Luís Coelho e Rodrigo Pascoal
Músicos
Luís Coelho: Guitarra Portuguesa
Salomé Pais Matos: Harpa
Carlos Menezes: Contrabaixo
Sofia Neide: Contrabaixo no tema Niilismo
Carlos Leitão: Viola de Fado no tema Fado do Lirismo
Luís Peixoto: Sanfona no tema A Vida no Campo
Pedro Janela: Arranjo de cordas e Sintetizadores no tema Crepúsculo
Gravado nos estúdios Atlântico Blue Studios por Fernando Nunes
Mistura e Masterização: Estúdios Pé de Vento por Fernando Nunes
Produção em Estúdio: Custódio Castelo, Fernando Nunes e Luís Coelho

Edição: Museu do Fado / Egeac

Lançamento
15 Julho . 19h . Museu do Fado . Esgotado

Há Fado no Cais
17 SETEMBRO . CCB
19h Presencial / 21h30 Online

JASMIM NA ZDB


 












Acordado ou a Sonhar
Lançamento do álbum

Terça-feira ⟡ 29 de Junho ⟡ 19h
NOVO NEGÓCIO
Rua do Açúcar nº 52, Armazém 3, Marvila

Quem se lembra de Martim nas andanças rock, no coração da família SpringToast e por cima dos teclados de Mighty Sands, certamente não será indiferente às incursões folk sob o alter-ego de Jasmim. Entrou nas nossas vidas em 2016 com a demo Primavera e em 2019, surpreendeu-nos com o Culto da Brisa, um disco de plena contemplação e invariáveis arranjos ancestrais. Levantou as almas do aquário da ZDB na sua apresentação e agora volta para um concerto no Novo Negócio, onde vai apresentar Acordado ou a Sonhar. Pode dizer-se que é o regresso de Jasmim à sua casa de partida. E é também um convite para uma bonita viagem comandada por teclas bucólicas ou por guitarras verdejantes de espírito folk embaladas por uma voz serena — como sol em tarde de Verão —, sempre sujeita à primorosa flauta transversal ou às harmonias do violino acompanhadas por uma banda onde se destacam Violeta (flauta transversal), Bia Diniz (baixo) e Humberto Dias (percussão e bateria).

Acordado ou a Sonhar está repleto de canções que indicam a ténue linha que separa a intimidade do sonho e a literatura da vida real, porém indica o caminho para a liberdade em A Vida Não É Aqui. Tudo/Nada revela-se sonhadora ao colo de Walt Whitman: “folhas de erva, gotas de água”, cita Jasmim. Ora solitário ao piano iluminado, ora acompanhado por uma magnífica banda, Acordado ou a Sonhar deverá permanecer entre nós como uma das mais belas obras deste ano que terá lugar para ganhar o seu espaço e dimensão no NOVO NEGÓCIO.

LISBOA MISTURA ESTÁ DE REGRESSO





















25 a 27 de JUNHO
Jardim do Palácio Pimenta - Museu de Lisboa

Com participação de:
SELMA UAMUSSE “KAYA KWERTHU” + CONVIDADOS
STEREOSSAURO "BAIRRO DA PONTE" + CONVIDADOS

Programação inclui ainda a Festa Intercultural e a apresentação da OPA 2021 com warm up de DJ Cruzfader

O Lisboa Mistura está de regresso em 2021 para uma edição especial que reúne músicos, artistas e actores sociais que contribuem para a construção e vivência de uma Lisboa inclusiva e multicultural.

De 25 a 27 de junho, o Jardim do Palácio Pimenta - Museu de Lisboa acolhe o Lisboa Mistura que integra espetáculos de Selma Uamusse e convidados, Stereossauro e convidados, a Festa Intercultural e a OPA 2021 - programação completa abaixo.

A programação Lisboa Mistura também integra dois conteúdos associados ao projecto D’Improviso: o debate “Cidadania em Acção” que reúne as entidades envolvidas no neste projecto, desenvolvido pela Associação Sons da Lusofonia (ASL) e focado em criar ferramentas inovadoras para os participantes de forma a combater a exclusão social e artística explorando os paradoxos da música improvisada ou do jazz e o concerto “D’ Improviso - Ritmo e Improvisação” com Carlos Martins Quinteto. O projecto D'Improviso é cofinanciado pelo Programa Lisboa 2020, Portugal 2020 e União Europeia através do Fundo Social Europeu.

O Lisboa Mistura tem-se afirmado ao longo de 15 anos como um espaço intercultural destinado ao conhecimento e à inscrição de novas linguagens e tendências que nascem dos encontros urbanos que marcam a contemporaneidade criativa da cidade de Lisboa.
Nos últimos anos tornou-se num reflexo do enriquecimento, partilha, celebração e saudável confronto que têm origem no ecossistema sociocultural da cidade de Lisboa.

Lisboa Mistura é também um momento de construção da alegria necessária para se viver lado a lado, resistindo à normalização da diferença e (re)construindo laços apoiados na inclusão através de propostas culturais que representam e integram o ecossistema da cidade de Lisboa.

PROGRAMAÇÃO LISBOA MISTURA 2021

DIA 25 DE JUNHO

20H30
SELMA UAMUSSE “KAYA KWERTHU” + CONVIDADOS:
_ Gospel Collective
_ Rodrigo Leão
_ Sara Tavares
_ Tó Trips

DIA 26 de JUNHO

17H00
CONCERTO “D’ Improviso - Ritmo e Improvisação”
com Carlos Martins Quinteto: Carlos Martins - saxofone, Mário Delgado - guitarra, Carlos Barretto - contrabaixo, Hugo Menezes - percussão, Alexandre Frazão - bateria.

18H00
DEBATE - “Cidadania em Acção”

20H30
STEREOSSAURO "BAIRRO DA PONTE" + CONVIDADOS:
_ Camané
_ Capicua
_ Carlão
_ Chullage
_ NBC
_ Ricardo Gordo
WARM UP: Beatbombers X Cabrita

DIA 27 DE JUNHO

15H30
FESTA INTERCULTURAL
Com participação de:
_ Braima e Canango (Guiné-Bissau)
_ Cheong Li (Macau)
_ Jhalak (Índia)
_ Fado Bicha (Portugal)
_ Baque Mulher (Brasil)

18h00
DJ CRUZFADER (Warm up)

19H00
OPA - Oficina Portátil de Artes 2021

ACESSO AO EVENTO

A entrada para este evento é gratuita e limitada ao número de lugares disponíveis de forma a cumprir todas as regras de higiene e segurança definidas pela DGS à altura do evento.

Os bilhetes são diários e só podem ser levantados no próprio dia do espetáculo a que se referem.
Cada pessoa pode levantar 2 bilhetes no máximo.

A bilheteira está aberta das 10h00 até 22h00 de dia 25 e 26 de junho e das 10h00 até 20h00 de dia 27 de junho.

Sobre o Lisboa Mistura:

Vive do cruzamento intercultural e funciona como um lugar de observação e acção na cidade para compreender melhor os possíveis caminhos que se vão criando através das Misturas, simples e complexas, que a toda a hora se concretizam e que tornam o espaço público num organismo vivo e em constante mutação.

No seu carácter inovador o Lisboa Mistura tem trazido ao centro da cidade vários projectos distintos dos bairros de Lisboa tornando a cidade um lugar de inclusão através dos encontros de artes, pessoas culturais e de iniciativas em que a qualidade artística causa um grande impacto social.

A cultura musical urbana é uma ponte para as dimensões sociais e políticas que integram o cosmopolitismo de uma Lisboa que, como outras grandes cidades mundiais, é afectada por mudanças bruscas e menos humanas do que gostaríamos. De regresso ao seu grande dinamismo, a cidade respira agora positivas contradições e desafios que, embora globais, são intensamente íntimos, particulares.

Desde sempre que o Lisboa Mistura se questiona sobre o humanismo da construção metapolítica, sobre a actividade cultural que precede o pensamento organizacional.

Como podem as iniciativas sócio-culturais influenciar positivamente o discurso político e cívico e moldar o ambiente urbano na cidade de Lisboa que se quer uma Cidade Aberta?

Como podem estas Associações/ Instituições influenciar o pensamento dos cidadãos e as ações dos políticos para criar uma cidade sustentável e permeável?

Como podem estas Associações e entidades várias trabalhar em conjunto para, em rede, maximizar um conjunto muito sério de actividades que são o pulmão sociocultural dos lisboetas de todas as proveniências?

Estas são algumas das questões que sustentam o trabalho da Associação Sons da Lusofonia no desenvolvimento deste conceito único.

NOVO DISCO DE THE PARTISAN SEED



























Este ano - em que se comemoram 15 anos desde a edição do primeiro disco -, é lançado esta semana “Old Songs For a New Sun”, o sexto álbum de longa-duração de The Partisan Seed. Filipe Miranda contou com a colaboração de José Ferreira para produzir e gravar o disco e com a participação de Lisete Santos, João Miguel Fernandes, José Almeida e Tin Khan. O disco tem uma edição física limitada - disponível a partir do dia 25 de Junho - apenas nos concertos e em encomenda online através da Honeysound (Portugal) e da King Forward Records (Holanda).

Para audição > BANDCAMP

Datas de apresentação confirmadas:
03 Julho - Theatro Gil Vicente, Barcelos
11 Julho - Museu Abade de Baçal, Bragança
25 Julho - Jardim do Núcleo Museológico de Dume, Braga
13 Agosto - Devesa Sunset, VN Famalicão

www.thepartisanseed.net
www.facebook.com/thepartisanseed
www.thepartisanseed.bandcamp.com
www.kingforwardrecords.com
www.honeysound.com

O MANIPULADOR NO FESTIVAL SANTOS DA CASA













25 de junho
Centro Cultural Penedo da Saudade18h00
Para assistir presencialmente, faça já a sua reserva para 𝗰𝘂𝗹𝘁𝘂𝗿𝗮@𝗶𝗽𝗰.𝗽𝘁
O concerto será também transmitido online.

O Manipulador é a one-man-band de Manuel Molarinho, influenciada por bandas de rock alternativo e ética DIY, que encontra inspiração em paisagens industrias abandonadas, nos ritmos e melodias das conversas e na experimentação.

A originalidade do músico tem passado pela criação de peças e canções somente através do uso do baixo, pedais, loop station e voz, dando ao baixo o papel principal de instrumento de percussão, textural e melódico.

'Doppler' é o 4o registo de O Manipulador (depois de' Boxing', 'Chess' e 'Lop'). Com o selo da editora portuense Saliva Diva, representa o culminar do trabalho de investigação e experimentação da utilização do baixo eléctrico como instrumento total. É um álbum sobre percepção e sobre o efeito do tempo e distância na mesma. Um conjunto de 9 temas compostos ao longo da década, marcadamente autobiográficos e reflexivos, que são um ponto de chegada desta sua fase artística, apresentando

segunda-feira, 21 de junho de 2021

PROGRAMA DE 21/06/21

1 - Príncipe - Estendo o dedo parto a mão
entrevista Sebastião Macedo (Príncipe)
2 - Príncipe - Ponte sobre nada
3 - Mekong - Krakow
4 -Sweet Nico - Panda heart
5 - André Dal - Beyond the Tagus river
entrevista André Dal (André Dal)
6 - André Dal - October's hornpipe
7 - Fogo Fogo - Hora di bai