sábado, 28 de fevereiro de 2015

PROGRAMA DE 28/02/15

1 - Los Mokes - Slippery transition (c/ Pedro Calhau)
2 - Les Crazy Coconuts - Belong
3 - The Walks - Backfire
4 - Thee Magnetics - Going out
5 - Thee Eviltones - Evil son
6 - The Jack Shits - Bring it home
7 - Deau - Andorinha (c/ Expeão)
8 - Expeão - Sente o impacto

9 - Quarto C - Um sitio para ficar
10 - Bruno Pato - Um velho idiota
11 - Nuno Prata - Andando sobre as águas
12 - Um Corpo Estranho - Corpo estranho
13 - Prana - A valsa do cúpido, esse sacana
14 - Elias - Cientista profissional
15 - Flávio Torres - Feliz é o louco
16 - Macaco Egoísta - Respirar

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

PROGRAMA DE 27/02/15

1 - The Sunflowers - Mama Kim
entrevista Carlos de Jesus (The Sunflowers)
2 - The Sunflowers - I saw a ghost
3 - Deau - Andorinha (com Expeão)
4 - Expeão - A história, a luta ... (com Mundo e Marta Ren)
5 - Ana Cláudia - João e o pé de feijão
6 - Os Eléctricos - Equivalência a ti
7 - Real Combo Lisbonense - Saudades de você
8 - B Fachada - Crus
9 - The Legendary Tigerman - Love ride
10 - Savanna - The lab
11 - Vespa - Terra
12 - Desidério Lázaro - Subtractive colors (com Carolina Varela)

EM ALCOBAÇA


HOMENAGEM A JOÂO CAPELA




















“Kaüzpellaplatz II” é o segundo volume de uma compilação que visa homenagear João Capela, músico, artista, escritor, activista, terapeuta do ruído e amigo que nos deixou em Fevereiro de 2014 e que tocou a alma e o coração de todos os que com ele conviveram (mesmo que apenas em fugazes encontros ocasionais), deixando um vácuo na comunidade musical, artística e activista nacional e internacional.

Depois de um primeiro volume com temas de bandas e músicos portugueses, este segundo volume junta diversos projectos internacionais que em colaboração com a Associação Terapêutica do Ruído (ATR), promotora musical portuguesa underground à qual João Capela também pertencia, se uniram para honrar a sua memória e angariar fundos de modo a garantir a edição de uma colecção de escritos da sua autoria.

A compilação, cujo artwork é mais uma vez da autoria do José Smith Vargas, já está disponível para escuta livre e download pago através do bandcamp da ATR, sendo que todos os fundos garantidos serão canalizados para a edição do livro com os seus textos.

O SEGUNDO DISCO DE PEIXE

A desagregação de um conjunto leva inevitavelmente a um tipo de centrifugação estilhaçante, onde os fragmentos são um produto da irradiação de uma sinergia anterior agregadora de uma totalidade homogénea. Isto acontece freneticamente no mundo da música quando partes decidem pôr termo a um corpo, formando novos corpos à parte.
 
O caminho de Peixe, um dos mais notáveis guitarristas portugueses da actualidade, é assimum caminho de deriva e diáspora, próprio de artistas em nome próprio que se vão afastando da carruagem do conjunto. Para trás, e para lá dos já míticos Ornatos Violeta, Peixe deixa colaborações com os Pluto, Zelig, DEP e a Orquestra de Guitarras e Baixos Eléctricos.

Essa empresa unipessoal começou o seu percurso com Apneia (2012), o seu primeiro álbum a solo e imerecidamente votado a uma certa apneia crítica. Um título apto para quem responde pelo nom de plume de Peixe, apontando para uma suspensão de fôlego metálica a partir de uma técnica de nylon, deixava entrever uma matriz clássica numa entrega paisagisticamente ácida. Esta via totalmente instrumental estende-se agora a Motor, o sucessor ou retomador da linha de continuidade acústica adivinhada no seu primeiro esforço.

Com Motor, e apesar da relativa surpresa do nome, convocando desde logo um certo temor pela motosserra musical onde o virtuosismo se agrilhoa na monotonia motorizada das capacidades espúrias do seu executante e aliena integralmente o seu escutador, Peixe nada aparentemente não tanto em rodas dentadas ou pistões de virtuosismo, mas, e não obstante ser um virtuoso, em máquinas orgânicas mais ambientais, diria blocos de corais embebidos em líquido amniótico. A sua identidade é ambiental. O problema com este tipo de qualificação é a sua temível relação com elevadores e outros espaços de espera e de suspensão de tempo não propriamente apreciados por músicos de assinatura. Motor, apesar de prolongar a apneia através da contínua suspensão da respiração por via da prótese da guitarra, e desse ponto de vista levar a uma respiração motorizada, não se reduz a uma agregação de sons mais ou menos inteligentes para preencher espaços, nem tampouco de um passatempo egotista de um virtuoso. É antes um tempo para habitar um espaço. A sua audição repetida convoca, aliás, o princípio do prazer que só a repetição oferece sem a sensação de dèjá-écouté, apesar de várias faixas repetirem internamente esse equilíbrio de prazer através da reiteração de frases. Este mosaico constitui um tipo de Aranjuez da lezíria, onde uma fulgurante espacialidade se alia à minúcia da nota certa, como se Peixe fosse uma espécie de recolector de cerejas na guitarra. Sem procurar impor-se ao escutador, Motor, longe do ruído monotonal da máquina, é à uma recém-conhecido, amigo do utilizador e companheiro de alma. Aliás, o carácter contrastivo do seu título com a slow-food que nos é servida é também visível na capa do disco (como se Paula Rego tivesse pintado Os Comedores de Batatas).

A dificuldade em alijar a mera pirotecnia da execução, a qual, por mais respeitável que seja enquanto actividade de ginasta, deixa poucos espaços para serem preenchidos pelo escutador, em nome da composição e da beleza harmónica do conjunto, é um atributo dos melhores. A improvisação aliada à repetição de blocos estruturantes faz de Motor um disco fundamentalmente coeso, em que a guitarra, à uma melíflua e precisa, sugere, no seu dedilhar de grandes espaços, uma decantação vibrátil de regato percutindo um travelling de arpejos e visitando lugares de excepção, entre os quais “lamento imenso” ou “improvisação #22”, apesar de aqui e ali desertar uma certa hipnose do conjunto em favor da inclusão da resonator e da flauta transversal que convocam a polivalência de composição de Peixe, especificamente na escrita para teatro.

No mapa português tem sido tão admirável quanto surpreendente uma certa garimpagem recente no domínio da guitarra acústica. Há repentinamente um punhado de nomes que desafiando a rarefeita tradição acústica portuguesa (excepção feita, evidentemente, à guitarra portuguesa) tem desenhado um percurso admirável de técnica e inovação. Se quisermos dedicar-nos ao exercício de arranjar uma mancheia de guitarristas de assinatura, não é possível excluirmos Peixe deste lote que não é nenhum cardume. E Motor é certamente um disco que não pode permanecer em apneia auditiva.

Daniel Jonas


EMBAIXADOR - "OS DEDOS E OS ANÉIS"

AFONSO PAIS COM NOVO DISCO

AFONSO PAIS EDITA “TERRA CONCRETA”
Afonso Pais, duos com: Albert Sanz, Luísa Sobral, Beatriz Nunes, Joana Espadinha, Rita Martins, João Firmino

Terra Concreta nasceu da ideia de levar a música de volta à sua primeira origem, a natureza.  Este é um projecto de Duos, no qual a música foi criada tendo o meio natural como veículo de inspiração e influência. Este regresso às origens implicou o inevitável abandono dos espaços fechados e lugares comuns de gravação. Fora do estúdio ou da habitual sala de espectáculo, cada uma das composições foi registada nas zonas mais remotas dos nossos Parques Naturais, e também na ilha do Bornéu (Vale do Danum), onde a floresta intocada é a mais fértil na paisagem sonora que apresenta. Feito sem geradores, só com instrumentos acústicos e com a textura irrepetível dos sons naturais como mote, o registo em disco representa cerca de um ano de incursões no campo, resultando na selecção de temas que melhor representa o momento espontâneo e consequente do meio-envolvente.

Na raiz deste projecto está a ideia de um reencontro com um momento há muito perdido, o instante em que a criação musical se torna consequente e indissociada de um meio envolvente específico que é para nós atávico: o natural.

Na procura dos locais mais remotos, simultaneamente em termos de preservação natural e maior proliferação de vida selvagem, a importância da natureza revela-se essencial nos vários passos de metamorfose do processo criativo: na transição de ideia abstrata para conceito musical, de esboço de canção a arranjo final da mesma, e finalmente, da música já escrita à sua gravação ao vivo e no meio natural, sem edições, concreta.

A escolha da "gravação ideal" de cada peça apresentada, tem como imperativo a máximasimbiose música / momento e local naturais, propondo ilustrar sonoramente o momento natural, irrepetível.As versões constantes no trabalho discográfico reflectem o carácter tempestivo e clara integração musicais, patentes nas interpretações, improvisos, paisagens sonoras, e, ocasionalmente, nas interacções entre avifauna e músicos.

O resultado é absolutamente original, um documento sincero de gratidão para com quem antesde mim pôde usufruir da inesgotável inspiração que dela podemos extrair, e com generosidade heróica quis a ela dever a determinação de viabilizar a inspiração de futuros pelo seu usufruto, preservando-a.

Terra Concreta, ponto simultâneo de partida e chegada, sempre, mas nunca de passagem.

Afonso Pais

D'ALVA APRESENTA NOVO VIDEO














#LLS - Livre, Leve e Solto: "O SW∀G de um Black, que faz o que ninguém consegue sem nunca perder o controle". Assim é o mote do novo single dos D'Alva que em 2015 recebe um retratamento ou seja uma nova versão acompanhada de videoclip.

A banda de Alex D'Alva Teixeira e Ben Monteiro mergulha de cabeça na internet, nada nas hashtags, e diverte-se no universo visual do Instagramer e Designer Wandson Lisboa, numa colaboração entre ambos que no fundo só a internet faria nascer. Wandson foi este mês considerado o 4º Instagramer mais criativo a seguir, pelo Huffington Post.

A realização fica a cargo de Angie Silva que não só fundiu, como expandiu para o ecrã estes dois universos que são D'Alva e a persona que é Wandson, num vídeo que esteticamente é no mínimo do mais doce "eye candy" graças ao trabalho de William Sossai (Director de Fotografia) numa produção da BRO dos irmãos Mário e Pedro Patrocínio. 

Em #LLS os D'Alva continuam seriamente a divertirem-se ou a divertirem-se seriamente.

Ficha Técnica

Produtora: BRO
Produtor Executivo: Mário Patrocinio
Diretora de Produção: Delfina Marques
Realizador: Ângelo Silva
Diretor de Fotografia: William Sossai
Cam. Assist: Tomás Raposo
Grip: Henrique Monteiro
Gaffer: João Silva
Pós-Produção: PUSH VFX
Make up / Wardrobe: Lívia Oliveira
Stylist: Daniela Duarte
Filmado na Fábrica 22

BATIDAS GORDAS NO CAPARICA PRIMAVERA SURF FEST











Agir, Dj Ride, Dj Overule e DJ Glue garantem dose generosa de batidas gordas - hip hop, novo R&B, dubstep e demais derivados - na edição inaugural do Caparica Primavera Surf Fest que decorre entre 26 de Março e 4 de Abril e onde estão envolvidos cerca de 20 djs e uma dezena de bandas.

Agir, que acaba de apresentar o single "Tempo é dinheiro", avanço para o tão esperado álbum #Levameaserio, move-se entre o hip hop, R&B e novas linguagens como o trap e é um dos mais aplaudidos artistas da nova geração, estatuto conquistado graças ao material do ep Alma Gémea e da mixtape #agiriscoming e de diversas colaborações com artistas consagrados deste meio. Este espectáculo promete agitar as águas e afirmar o nome de Agir.

DJ Ride dispensa, claro, apresentações. Campeão de scratch com títulos internacionais, DJ Ride possui uma sólida carreira a solo e encontra-se actualmente a preparar novo álbum, sucessor do aclamado Life in Loops. Entretanto, a faceta de produtor de Ride tem evoluído em paralelo com o seu cada vez mais afirmado perfil de dj graças a trabalho realizado para artistas como Jimmy P ou Capicua. Atrás dos pratos, Ride é um dos mais vigorosos nomes desta cultura e portanto espera-se festa grossa no Caparica Primavera Surf Fest.

Mr Superstar é o título de um dos mais recentes trabalhos de DJ Overule, título apropriado para um dos mais incansáveis djs nacionais, um artista que construiu nome a pulso com uma agenda intensa de apresentações em clubes de todo o país. E como está sempre um passo à frente, Rule acaba de largar um bootleg que o cruza com Major Lazer, mais uma bomba para largar sobre as multidões que o seguem.

Finalmente, cereja em cima do bolo hip hop do Caparica Surf Fest, há DJ Glue para uma vez mais dar batidas gordas à multidão. Glue tem no currículo a ligação íntima a um dos maiores nomes que esta cultura já gerou, os Da Weasel, e experiência generosa em cabines de djs, incluindo a sua já mítica residência no Lux. Adivinha-se por isso mesmo intensidade máxima na sua apresentação.

Norton - Salão Brazil (Coimbra) - 26/02/15














A pop invadiu o Salão Brazil.
Pop de contornos mais dançáveis.
Os Norton mereciam mais público.
A pouca gente que estava na sala mereceu os Norton, que se entregaram de corpo e alma.
Em revista os dois últimos discos.
Ao fim de 12 anos de vida, os Nortan  continuam a teimar em fazer boas canções.
Esta noite provaram  que sabem escrever canções simples, de bonitos arranjos, que nos florescem a alma. 
E apesar  do corpo ainda continuar a dançar, é tempo  agora de repousar e levar para o sonho muitas cores pop.














Texto & Fotos Nuno Ávila

TOMBA LOBOS EDITA DISCO





















Tomba Lobos — Adeus
GR_34

"Tomba Lobos é o pseudónimo de José Cardoso, artista que tem vindo a construir o que eu considero ser uma das carreiras mais interessantes em Portugal não só nos campos da ilustração e design, mas também no campo da música. Juntamente com Leonel Sousa, é um dos fundadores da Gentle-Records, editora que obviamente acolhe o seu primeiro longa duração: “Adeus” que é do que devo falar neste momento. O primeiro álbum a solo de José Cardoso, vai beber à pop, tão solarenga quanto melancólica do seu primeiro single “Júlio Verne” assim como às texturas de “FANNY EP”. Nunca abandonando o aconchego ronfônho do LO-FI, por vezes encontramos canções completamente despidas, somente à guitarra e voz em falsete, embebidas em reverbs e ecos, por vezes encontramo-las frenéticas, guiadas por percussões sintetizadas, cheias de fuzz e distorção, outras vezes nem umas nem outras, encontramos belos exemplos de POP ASSOMBRADO. Mas todas elas são qualquer coisa que me faz qualquer coisa. Talvez seja pela honestidade do zé, talvez seja pelas letras se prenderem muitas vezes a coisas muito próprias de alguém que vive agora. Sejam elas memórias, desejos, sejam elas desabafos sobre a vida neste momento, sobre as “Mensagens do Facebook” ou simplesmente sobre algumas manias que andam a afectar a cabacinha do pessoal, como essa parvoíce de tudo ser empreendedorismo. Há ainda umas coisas que eu não percebo e ainda bem, porque fica a minha ideia, e para mim isso é muito do que importa na música. Convido-vos a ouvir também o disco e ficarem com a vossa ideia."

João Sarnadas sobre o album “Adeus” de Tomba Lobos.

Download gratuito em gentlerecords.com
Mais informação em tombalobos.bandcamp
E ainda mais informação em gentle-records.bandcamp
E AINDA mais informação no facebook da Gentle Records

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

PROGRAMA DE 26/02/15

1 - Cityspark - Sun will shine
2 - Isaura - Useless
3 - Mimicat - Savior
4 - Golden Slumbers - Fading away
5 - The Ramblers - Blues nest
6 - The Stonewolf Band - Texas
7 - The Legendary Tigerman - Rainy nights
8 - Expeão - Noites frias
9 - Deau - Andorinha (com Expeão)  
10 - Norton - Drifting ballet
entrevista Manuel Simões e Pedro Afonso (Norton) 
11 - Norton - Hours & days


O JAZZ-ROCK DE GILENO SANTANA





















Novo álbum “METAMORPHOSIS”
Calígola Records

Concerto de apresentação
28 de Março - 18h20
13ª Festa do Jazz do Teatro de S. Luiz
Teatro Estúdio Mário Viegas



Muitos conhecem Gileno Santana como lead trompetist da Orquestra Jazz de Matosinhos.

Muitos conhecem Gileno Santana como um dos responsáveis pelos brilhantes arranjos de metais de trabalhos de nomes como Pedro Abrunhosa, Expensive Soul, entre tantos outros.

Gileno Santana é, em suma, um dos melhores compositores e trompetistas da actualidade.

Com apenas 26 anos, este brasileiro radicado em Portugal, prepara-se agora para dar o grande passo na sua carreira em nome próprio.

“Metamorphosis” é o álbum intimista onde não só mostra todo o seu virtuosismo como músico e intérprete Jazz, como demonstra uma sensibilidade e criatividade desconcertantemente pop como compositor.

Pop Rock Jazz ou Jazz Pop Rock? “Metamorphosis” é o conjunto de temas que mostra um artista seguro da sua identidade e à vontade no seu estilo inconformado.

"I'm Not Miles" é o single de avanço, tema que presta homenagem ao grande Miles Davis e no qualGileno Santana nos leva numa viagem irresistível que, ora nos faz acelerar ora nos faz abrandar, sem nunca distrair os nossos sentidos do seu sopro inconfundível.

O concerto de apresentação vai ter lugar no âmbito da 13ª Festa do Jazz do Teatro S. Luiz.  Dia 28 de Março, às 18h20, no Teatro Estúdio Mário Viegas, Gileno Santana apresenta, pela primeira vez, "Metamorphosis" na companhia de Miguel Moreira (guitarra), Joaquim Rodrigues (teclas), José Carlos Barbosa (baixo) e Mário Costa (bateria).

CONVERSA EXPLORATÓRIA DE MÚSICA TRADICIONAL









O ponto de partida é a importância das recolhas, passa pela ruptura que se dá com o 25 de Abril, os grupos de referência e as novas abordagens à música tradicional com instrumentos de outras culturas e fusões.

Duas gerações de músicos, um exímio conhecedor das músicas do mundo e um jornalista contam as estórias da história da música tradicional portuguesa a anteceder o Ciclo Exploratório de Música Tradicional que se realiza nos dias 31 de Março e 1 de Abril no Teatro São Luiz.

UHF COM A REVISTA BLITZ




















O CD oferta da revista Blitz deste mês de Março celebra os UHF e os 35 anos dos “Cavalos de Corrida”, génese do rock português, configurado em duas versões: a maqueta original de 1980, que levaria o grupo até ao Valentim de Carvalho, e uma gravação ao vivo captada na Aula Magna em 2008, com Renato Gomes, autor da música, como convidado.

São dez pérolas do arquivo dos UHF. O filão começa em 1979 e termina em 2014. Inclui um original, “Um MMS Teu”, que fecha o disco “Uma História Secreta Dos UHF” – a pele e a alma do grupo sob múltiplas formas que os fãs e coleccionadores apreciam.

Nas bancas a partir de amanhã.

MÍSIA AO VIVO


EM SESIMBRA


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

PROGRAMA DE 25/02/15

1 – João Martins – Brigas, nunca mais
2 – Joana Gama e Luís Fernandes – Night drive
3 - João Lobo e Norberto Lobo – Magri
4 – Grutera – Esperaste
5 – Lisboa String Trio – Fado ao lado
6 – Ricardo Dias Ensemble – Sede e morte
7 – Expeão – Guerra dos anjos
8 – Deau – Andorinha (c/ Expeão)
9 – Peeeedro – Samsara
10 – Jos D’Almeida – Bland of maori
11 – Sensible Soccers – AFG

ARTIGO 21 APRESENTAM DISCO




















Os Artigo 21 apresentam o seu disco de estreia no próximo Sábado, 28 de Fevereiro, no Sabotage Club, no Cais do Sodré, em Lisboa.

Gravado e misturado por Miguel "Vegeta" Marques no Generator Studios e masterizado por Miguel Carvalho (D'Alma Produções), o disco de estreia dos Artigo 21 tem melodia, agressividade q.b., letras conscientes e inteligentes, velocidade, criatividade, honestidade, intensidade e refrões fortes e contagiantes. Tudo o que é necessário numa banda Punk-Rock para cativar e "agarrar" o público, os Artigo 21 oferecem.


As bandas convidadas para abrilhantar a festa são os About Time (com membros de Piss!!, FxPxMx, Groove Mood e X-Katedra) e os jovens Rés-do-Chão.

Ao palco irão subir alguns convidados ao longo da noite, entre eles Chalé (Twelve 2 Go), Covas Frazão (ViraLata, SickSin, Re-Censurados) e João "Punker" Alves (Decreto 77).

As portas do Sabotage Club abrem às 22h00 e a entrada vale 8€ com oferta do disco de estreia dos Artigo 21.

www.facebook.com/artigo21punk
www.facebook.com/sabotagerockclub
www.facebook.com/bandaresdochao


EM ESTARREJA












Depois de lançarem o disco-livro “Chá, Café e Etc.”, Rui Reininho e Armando Teixeira apresentam o projeto no Café-Concerto do CTE, esta sexta-feira, dia 27 de fevereiro, pelas 22h. Música e poesia ao ritmo de esplanada, um frenesim contado pelo vocalista dos GNR e com cenário musical assinado pelo homem Balla.


SEX 27 FEV 22H00
Chá, Café e Etc. - Rui Reininho e Armando Teixeira

Rui Reininho voz
Armando Teixeira música
[MÚSICA/POESIA] 5€ / 3€ (Cartão Amigo, Cartão Sénior e Jovem Municipal)

http://www.cineteatroestarreja.com
http://www.facebook.com/cinestarreja
http://twitter.com/CTE__
 

MÍSIA APRESENTA “DELIKATESSEN CAFÉ CONCERTO” EM BRAGA














“Delikatessen Café Concerto” traz Mísia de volta aos álbuns e, pela primeira vez, ao palco principal do Theatro Circo (6 de Março, 21h30) para um concerto inserido no ciclo “Luluzinha: Menino não Entra!”.

Dona de um papel ativo na revolução do fado contemporâneo, para este trabalho Mísia convidou nomes provenientes dos vários pontos cardeais da música. Da interacção com músicos como Adriana Calcanhotto, Iggy Pop, Dead Combo, The Legendary Tigerman ou Melech Mechaya resultou o que Mísia define como «um menu de canções».

Da “ementa” que, ao vivo, a cantora serve acompanhada pelo piano de Fabrizio Romano constam dois fados, canções em espanhol e francês e a recuperação inédita de um tema de Tony de Matos e de outro de Max.

«A ideia e a vontade do repertório «Delikatessen Café Concerto» funciona como uma refeição mágica onde podemos encontrar (saborear) as canções que eu adoro, originárias de diferentes culturas, épocas ou géneros, mas que proporcionam sensações de uma essencialidade e de um “gosto” musical muito forte», explica Mísia.

Mísia foi uma das responsáveis pela revolução no meio do Fado, não só através de textos de poetas contemporâneos, que escreveram especialmente para a sua voz como José Saramago, Agustina Bessa-Luís, Lídia Jorge ou Vasco Graça Moura mas também por criar uma sonoridade própria ao trazer para o fado, instrumentos como o violino, acordeão e o piano.

Uma das mais internacionais artistas portuguesas, foi distinguida com a Ordem de Oficier des Arts et des Lèttres pelo Governo Francês em 2011, depois de já ter recebido a Ordem de Mérito Civil em Portugal. Nesse mesmo ano, recebeu em Florença o Prémio Gilda no 33° Festival Cinema e Donne pela sua participação no filme «Passione» dirigido pelo actor e realizador John Turturro. Em 2012, Mísia foi ainda galardoada com o Prémio Amália Rodrigues na categoria “Divulgação Internacional” pelo seu trabalho além-fronteiras.

Ingressos, a 15 euros, disponíveis em www.theatrocirco.bilheteiraonline.pt, na bilheteira do Theatro Circo, lojas Fnac e estações CTT aderentes.

MURDERING TRIPPING BLUES AO VIVO














7 de março – Sabotage Club, Lisboa (+ The Big Church of Fire)
20 de março – States, Coimbra
21 de março – Beat Club, Leiria
24 de abril - Centro de Artes e Espetáculos (CAEP), Portalegre

CAIXA RIBEIRA











12 e 13 de junho, Ribeira do Porto

www.caixaribeira.pt | www.facebook.com/caixaribeira

Palco Caixa, Palácio da Bolsa – Pátio das Nações e Salão Árabe, Mercado Ferreira Borges ,Hard Club 1 e 2, Igreja de São Francisco, Fado à Janela, Barco no Douro, Cave no cais da Estiva, Antiga Junta de Freguesia de São Nicolau.

A 12 e 13 de junho, o Fado assenta arraiais na Ribeira do Porto e aos fadistas já anunciados juntam-se agora mais 3 grandes nomes: Cidália Moreira, Filipa Cardoso e Marco Rodrigues.

Cidália Moreira dispensa apresentações. A “fadista cigana” canta com uma garra inigualável há mais de 4 décadas e é um dos nomes mais reconhecidos do Fado. A carreira longa de Cidália Moreira, para além de ter ecoado em muitos palcos do planeta, passou também pelo Teatro de Revista. Ressoa nos nossos dias, sempre em forma, numa das mais importantes casas de Fado de Lisboa, a Casa de Linhares (Bacalhau de Molho).

Filipa Cardoso cresceu no bairro típico do “Alto do Pina” e passou a sua infância com os sons da guitarra portuguesa e vozes como a de Fernando Mauricio nos ouvidos. Por isso outro futuro não se lhe poderia avizinhar. Começou a cantar em casamentos e restaurantes desde os 10, encantando meio mundo até aos 25, ano em que vence brilhantemente a Grande Noite do Fado. No ano seguinte lançou o seu primeiro álbum “Fragmento do Fado” e em 2009 o segundo registo com “Cumprir Seu Fado”. Em 2015 estará presente no Porto para a 1ª Edição do Caixa Ribeira.

Marco Rodrigues, fadista e violista residente no Café Luso, tem uma carreira relativamente recente, mas já com uma mão cheia de edições, colaborando com nomes grandes do Fado, e com outros do mundo pop como a brasileira Maria Gadú. Em 2013 lançou “EntreTanto” registo onde Marco Rodrigues assume de forma sublinhada o seu lado autoral, responsabilizando-se pela maioria das composições e pela execução da viola de Fado.

Estes três novos nomes vêm à já anunciada Carolina compondo o elenco que actuará no Pátio das Nações do Palácio da Bolsa.

O bilhete único para os dois dias tem o preço de 28€, passando a 35€ nos dias do Festival, sendo que os clientes da Caixa terão um desconto de 10% na compra de bilhetes com cartão da Caixa no Palácio da Bolsa. Deverá ser trocado pelo próprio, nas bilheteiras do Festival sediadas no Palácio da Bolsa, a partir de dia 11 de junho. Pulseira essa que dará acesso a todos os espaços do Festival até ao limite de lotação de cada um.

Já confirmados:
Camané, Carminho, Carolina, Cidália Moreira, Filipa Cardoso, Florência, Gisela João, Katia Guerreiro, Maria da Fé, Marco Rodrigues, Ricardo Ribeiro

Locais de venda:
Locais de venda:www.blueticket.pt - Call Center 707 780 000, lojas FNAC, lojas Worten, El Corte Inglês (Lisboa e V. N. Gaia), Centros Comerciais Dolce Vita (Amadora, Porto, Vila Real, Ovar, Coimbra e Funchal), CC MMM, CC Mundicenter, Casino Lisboa, Galeria Comercial Campo Pequeno, ABEP, Estações de Correios,www.ctt.pt, lojas Media Markt, Turismo de Lisboa, www.ticketline.pt - Reservas e informações 1820 (24 horas)

MIMICAT - "SAIVIOR"

JÚLIO PEREIRA AO VIVO


GRUTERA COM NOVO CLIP

Grutera é o alter-ego de Guilherme Efe, guitarrista nascido na Nazaré. Um ano depois de se apresentar de Norte a Sul do país com o álbum "Palavras Gastas", regressou com um novo disco, ‘O Passado Volta Sempre’.
Este álbum foi gravado no mosteiro de Santa Maria de Cós, em Alcobaça, um edifício datado do séc. XIII, revestido a azulejo e com uma reverberação natural estonteante.

É a partir deste álbum que surge o novo videoclip da música "Esperaste" sob realização e montagem de Ricardo Leite.

FICHA TÉCNICA:
Produção, Argumento, Realização e Montagem: Ricardo Leite
Dir. de Fotografia: Cláudio Oliveira
Som: Rita Manarte
Dir. Artística: Daniela Cruz
Música : Grutera - Esperaste

KONONO Nº1 MEETS BATIDA









Com o incrível som dos kissanjes electrificados e uma secção rítmica tribal, os congoleses Konono Nº1 fizeram o público ocidental perder-se de amores pela banda após o lançamento do primeiro disco, "Congotronics".

Uma década depois, são presença assídua nos maiores festivais de rock do mundo e os convites para colaborar com outras artistas sucedem-se. Bjørk convidou os Konono Nº1 para gravar o tema “Earth Intruders” no álbum “Volta”; e Herbie Hancock contactou-os para participar no The Imagine Project, a par de Seal, Pink, India.Arie, Jeff Beck e Oumou Sangare. Esta colaboração valeu-lhes um Grammy para Best Pop Collaboration no tema “Imagine”.

De regresso a Portugal, as novidades continuam. Em Lisboa para preparar o novo disco, que conta com co-produção de Pedro Coquenão, os Konono Nº1 apresentam-se ao vivo no LUX Frágil, em Lisboa, dia 6 de Março, e no TAGV de Coimbra, no dia seguinte, e contam com a participação especial dos Batida.
Os bilhetes já estão à venda e custam 15€, no LUX Frágil, e 10€, no TAGV. 


ATR APRESENTA


terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

WOODROCK FESTIVAL

~


















A banda de Rock norte americana "THE BELLRAYS" serão os cabeças de cartaz da 3a edição do WOODROCK FESTIVAL numa concerto com data unica na zona centro do País.

Com o lema "HÁ QUEM TENHA O NOME,NÓS TEMOS O ROCK",o WOODROCK FESTIVAL vai para a sua 3a edição mantendo se fiel às suas características de um Festival sem artifícios, em que a musica rock está mesmo em primeiro lugar.

Rodeados de uma natureza ímpar,com a praia,a floresta e a montanha à uma distancia de poucos metros,com condições de camping excelentes,preços acessiveis e rock de qualidade,os "nossos" festivaleiros podem com todaa certeza desfrutar de um evento que procurará sempre que sejam as bandas e a natureza a falarem por si.

Recusamos então as estratégias invasivas de marketing tão comuns em outros eventos,recusamos também ceder aos ditames da musíca mais comercial e tentaremos de novo que o Roc menos"produto",tocado por quem realmente gosta de o tocar, tenha aqui um bom espaço e nos proporcione a festa que só o Rock and Roll sabe tão bem proporcionar.

BANDAS CONFIRMADAS:

DIA 17 JULHO 2015 DIA                              
Miss Lava
Asimov
Stone Dead
The Black Wizards
The Zanibar
 
DIA 18 JULHO 2015
The Bellrays
D3O
Souq
V8Bombs
Aliens

CICLO PÁSSARO














Na biblioteca municipal de vila real
01 MAR 18h

bilhetes já à venda

Pássaro – denomina-se desta forma o ciclo de música com que a promotora  covilhete na mão arranca o ano de 2015. Uma iniciativa que procura levar à região transmontana, e particularmente à cidade de Vila Real, artistas de referência nacional e internacional da música contemporânea, apresentados num espetáculo mensal, em local singular e com lotação reduzida a 100 pessoas.

Ao terceiro voo, o Pássaro volta ao país de origem e apresenta o guitarrista português Tó Trips, um nome inconfundível da música nacional antes mesmo de mencionar os seus Dead Combo.Tó Trips divide o seu tempo entre os seus cada vez mais planetários e desejados Dead Combo e apresentações ao vivo a solo no nosso país, mostrando os novos temas que tem composto e terão lugar num próximo novo disco, bem como outras peças em guitarra acústica e elétrica que tem trabalhado para encomendas de espetáculos de dança.
 
Depois de se ter estreado no Auditório Comendador Manuel Correia Botelho,do Conservatório Regional de Música de Vila Real, e ter passado pelmagnífico Salão Nobre dos Paços do Concelho de Vila Real, o ciclo de músicPássaro ruma agora até à Biblioteca Municipal de Vila Real, a casa escolhida para receber a guitarra de Tó Trips.
 
Este espetáculo conta com parceria da Biblioteca Municipal de Vila Real,coprodução do Teatro de Vila Real e apoio da Câmara Municipal de Vila Real,  Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Associação Académica da UTAD, Quinta do Paço e Traga Mundos. A promoção e produção estão a cargo da promotora covilhete na mão.
 
Bilhetes à venda na loja Traga Mundos e Associação de Estudantes da
Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.
Normal / 7 euros
Estudantes / 5 euros
 

NO LOUNGE

MAZGANI COM NOVO DISCO













‘LIFEBOAT’ é o nome do novo trabalho discográfico do cantor e compositor MAZGANI. A obra será editada a 13 de Abril e inclui reinterpretações de temas de PJ HARVEY, ELVIS PRESLEY, COLE PORTER, BEE GEES, LEE HAZELWOOD, entre outros.

Esta releitura muito pessoal de MAZGANI da obra de figuras marcantes no seu percurso musical, e na sua vida, ficou registada em ‘LIFEBOAT’, trabalho co-produzido por Mazgani e Hélder Nelson, e gravado live on tape, ou seja, em estúdio mas ao vivo, de modo a captar o espaço e os momentos na perfeição.

A ideia era “apoderar-se das canções” e “fazê-las suas”, como o próprio afirma. “Queria com a minha voz contar a minha história através destas canções e, ao mesmo tempo, encontrar uma estética que ligasse este corpo de obra tão díspar".

Em estúdio, MAZGANI fez-se acompanhar pelos músicos Sérgio Mendes (guitarra), Victor Coimbra (baixo e contra-baixo), Paulo Cavaco (teclado, piano e acordeão) e Fernando Távares (bateria).

‘LIFEBOAT’ é o sucessor do aclamado "Common Ground", editado em 2013. O último registo de originais do músico e compositor foi gravado em Bristol e foi produzido por John Parish (PJ Harvey) e Mick Harvey (Nick Cave & The Bad seeds).

PROGRAMA DE 24/02/15

1 - Jimmy P - On fire
2 - Jimmy P - Nas nuvens
3 - We Trust - The future
4 - Norton - Drifting ballet
5 - Gnomon - O homem que voava baixinho
6 - João Gentil - Carne cruda
7 - B Fachada - Camuflado
8 - Deau - Andorinha (com Expeão)
9 - Expeão - Bairro
10 - Stereossauro - Para nunca mais mentir RMX
11 - Bichos - Palavras de ordem
12 - Vitorino Voador - Viver bem ou morrer mal
13 - União das Tribos - Viver assim
14 - Tango Paris - Tequila mariachi

TERESA SALGUEIRO EM ANADIA


EDITORAS E ARTISTAS INDEPENDENTES UNIDOS







AMAEI - Associação de Músicos, Artistas e Editoras Independentes:

Primeira Sessão Aberta: 7 de março | Espaço Espelho d'Água | 18:00

Missão da AMAEI: Defender, unir, organizar e promover o setor da música independente nacional, tanto em Portugal como no estrangeiro

A AMAEI – Associação de Músicos, Artistas e Editoras Independentes – realizará a sua primeira sessão aberta ao público no dia 7 de Março de 2015, pelas 18:00, no Espaço Espelho D'Água em Belém, Lisboa.

A AMAEI é a Associação Fonográfica que reúne os Produtores Fonográficos Independentes em Portugal e defende os interesses dos artistas auto-editados e das editoras independentes, bem como procura organizar, apoiar, reforçar e promover todo o sector da música independente nacional. A AMAEI é associada da WIN (Worldwide Independent Network) e da IMPALA (Independent Music Companies Association).

O trabalho da associação tem sido desenvolvido tanto a nível nacional, com estabelecimento de protocolos e parcerias essenciais, como internacional, com especial foco na exportação da música independente portuguesa. Neste âmbito, importa referir que a associação já esteve presente em 20 feiras profissionais de música internacionais desde 2012.

O objectivo desta sessão é apresentar, oficialmente, a AMAEI ao público interessado em conhecer os objetivos, a missão e os membros da associação, bem como um pouco de todo o trabalho desenvolvido desde 2012, ano da sua fundação.

A sessão aberta terá o seguinte programa:

18:00 - Apresentação da AMAEI

Quem somos, objetivos e missão

A defesa dos interesses das editoras independentes e dos artistas auto-editados

18:30 - Direitos de Autor e Direitos Conexos

Os direitos e os deveres das editoras independentes e artistas auto-editados

19:00 – Sessão de perguntas e respostas aberta à participação dos presentes

Esta sessão é aberta, também, aos órgãos de comunicação social interessados em conhecer o contexto atual do setor da música independente, nacional e internacional, e em perceber quais os objetivos que se pretendem alcançar nos próximos anos de trabalho. 

Mais informações:
7 de março | 18:00
Sessão gratuita mas limitada aos lugares disponíveis.
Necessita de marcação prévia até 5 de março através do email amaei.pt@gmail.com.

A AMAEI

JORGE PALMA EM PALCO


DOCUMENTÁRIO DOS MOONSPELL




















A primeira das ante-estreias do documentário “Road to Extinction” dos MOONSPELL acontece já amanhã, 25 de Fevereiro, no Cinema S. Jorge em Lisboa, pelas 21h30. No dia seguinte, a 26 de Fevereiro, a banda desloca-se ao Porto para apresentar o filme no Hard Club.

A pré-compra da edição especial do álbum ou da edição em vinil na FNAC dá direito a um single em vinil exclusivo de 7'' com o tema “The Last of Us” em duas versões, e acesso gratuito a uma das ante-estreias do documentário, que contará com a presença da banda e do realizador Victor Castro/Bulldozer.

Os Moonspell estrearam também na passada semana o lyric video do tema «Breathe (Until We Are No More)», que faz parte do novo álbum da banda “Extinct”, que tem data de lançamento mundial agendada para 6 de Março.

“Extinct”, o novo trabalho dos Moonspell, foi produzido por Jens Bogren (Arch Enemy, Katatonia, Amon Amarth, Opeth and Paradise Lost) no ilustre Fascination Street Studio, entre Estocolmo e Orebro.

No âmbito da “Road To Extinction Tour”, o colectivo sobe ao palco do Coliseu dos Recreios e Hard Club, nos dias 27e 28 de Março, respectivamente, para apresentarem “Extinct” ao vivo, naquele que será o concerto oficial de apresentação do novo trabalho em Portugal.

EM LISBOA

VOLCANO SKIN - "LULLABY"

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

PROGRAMA DE 23/02/15

1 - Diabo na Cruz - Ganhar o dia
2 - Melech Mechaya - Gernte estranha
3 - Reportório Osório - Eugénio (Eugénio)
4 - Viviane - Do chiado até ao cais
5 - Oquestrada - O teu murmúrio
6 - Rita Dias e os Malabaristas - Pontapés na gramática
7 - Deau - Andorinha (c/ Expeão)
8 - Expeão - Máscara

9 - The Legendary Tigerman - Do come home
10 - Fancis Chavez - Morning train (c/ Groove Quartet)
11 - Black Turbho - Bad luck
12 - The Walks - Backfire
13 - Thee Eviltones - Devil son
14 - Thee Magnetics - Goimn out
15 - The Jack Shits - Bring it home
16 - Killiimanjaro - Drowned
17 - Les crazy Coconuts - Belong

RICHIE CAMPBELL COM NOVO SINGLE















Depois de três anos cheios de concertos memoráveis por todo país e Europa, e singles emblemáticos que nunca vão sair da lista dos melhores de sempre em Portugal, muitos são os que se interrogam sobre o que Richie Campbell vai fazer a seguir.

Para os mais atentos, foi através do SnapChat que o artista dissipou todas as dúvidas, revelando ontem um excerto do seu novíssimo tema “BEST FRIEND".

“BEST FRIEND” é um single com a inesgotável inspiração do flavour reggae de Richie Campbell.
Gravado e produzido em Kingston por Niko Browne, produtor sensação da nova geração jamaicana que conduziu o novo álbum, o tema foi tocado pela sua inseparável 911 Band.

Escrito e realizado pelo próprio Richie Campbell e Pedro Dias (membro da 911 Band), o vídeo conta a história da amizade entre duas crianças numa zona rural da Jamaica. Mais do que uma simples música de amor, um hino à amizade!

É este o primeiro single oficial do novo álbum do português, que promete ser o melhor trabalho até hoje do artista que quebrou barreiras no panorama musical nacional e levou o Reggae às grandes massas.
 

WE BLESS THIS MESS NO PLANO B











WE BLESS THIS MESS - APRESENTAÇÃO OFICIAL DO EP "LOVE AND THRIVE"
Sexta | 27 Fevereiro | 22h30

We Bless This Mess é o projecto a solo de Nelson Graf Reis que apresenta o seu primeiro EP "Love and Thrive" em primeira mão, esta sexta no Plano B. Um trabalho gravado em Brasília é fruto de encontros inesperados, é uma viagem entre ambientes Folk e Country com influências líricas do Punk. "Ama e prospera" é a mensagem simples que WBTM pretende passar como um modus operandi de atingir a felicidade na vida, algo que se reflete nestas canções que nasceram da sua aventura entre Brasil e Portugal.

Entrada: 3 euros (concerto) // 5 euros (concerto + código para download digital do EP "Love and Thrive")

MULHERHOMEM - "TODO O AR"

B FACHADA AO VIVO









Á passagem pelo Porto (Passos Manuel, 22h00) de dia 26 e por Coimbra (Salão Brazil, 22h30) no dia 27, acrescenta-se um concerto em Setúbal, sábado, dia 28!
Sociedade Musical Capricho Setubalense, às 24h00, após uma eliminatória do 11º CBG –Concurso de Bandas de Garagem de Setúbal!

WE TRUST COM NOVO SINGLE




















O segundo single de avanço de “Everyday Heroes” – o novo disco de originais dos WE TRUST de André Tentugal – dá a voz às crianças. Na continuidade temática do single anterior – “We Are The Ones” –, a esperança na humanidade, “The Future” fala-nos do facilitismo com que a vida mundana coloca o Homem no marasmo e na inércia, sejam eles criativos, sociais ou de valores. São as crianças que nos avisam sobre a esperança e cantam – o futuro começa hoje. “The Future” já está à venda nas principais plataformas digitais (iTunes, Google Play, Spotify, MEO Music…).

Pela primeira vez, André Tentugal realiza um vídeo para o seu próprio projecto musical, WE TRUST, através da sua nova marca TARZAN, em dupla com o realizador Vasco Mendes. Através da apropriação de imagens online (roubadas do YouTube), a dupla TARZAN constrói um vídeo em que,aparentemente, fans de todo o mundo cantam, tocam e dançam o novo single dos WE TRUST como se a canção, a estrear, fosse já um êxito e tivesse um alcance mundial. Fazem assim, em tom de brincadeira, uma homenagem ao universo dos cantores/ artistas do universo cibernético.

Concertos de apresentação:
29 Mai - Teatro Gil Vicente, Coimbra
18 Jun - Casa da Música, Porto
19 Jun - Theatro Circo, Braga
14 Ago - Casino da Figueira, Figueira da Foz

FESTIVAL UM AO MOLHE




















COIMBRA, 29 DE MARÇO - CASA DAS ARTES BISSAYA BARRETO

17.00 | Tren Go! Sound System
17.45 | O Manipulador 
18.30 | Blac Koyote 
19.15 | LASERS 

O UM AO MOLHE, que se estreia em 2015, é o primeiro festival nacional itinerante dedicado a one-man-bands. Com vários artistas e paragens confirmadas, deixou tudo para trás e fez-se à estrada no início deste mês.

O festival arrancou no dia 6 de Fevereiro, no Funchal, tendo já passado também pelo Porto, Vale de Cambra e Guimarães, e vai decorrer até ao final de Maio. Ao longo destes quatro meses, vão ser muitas as cidades e os espaços que vão acolher o UM AO MOLHE. Constam na rota mais concertos no Porto, Aveiro, Vila Real, Oliveira de Azeméis, Braga, Bueu (Espanha), Viana do Castelo, Monção, Cascais, Évora, Lisboa, Coimbra, Póvoa de Varzim e Cartaxo. Mais paragens serão ainda anunciadas.

Pelo caminho, vai dar boleia a alguns dos mais promissores projectos de one-man-bands. No cartaz encontramos nomes conhecidos e concertos imperdíveis como ATILLLA, BLAC KOYOTE, COELHO RADIOACTIVO, GOBI BEAR, GRUTERA, LASERS, LONG DESERT COWBOY, O MANIPULADOR, THE PARTISAN SEED e TREN GO! SOUND SYSTEM, entre muitos outros.

Este festival é uma iniciativa do colectivo Antes Cowboy que Toureiro e tem como objectivo promover uma amostra do que de melhor se tem feito ao nível de bandas de um homem só em Portugal e criar um circuito sólido para o crescente número de músicos emergentes. 

MAIS INFORMAÇÃO EM: 

MIRROE PEOPLE COM NOVO TRABALHO









Mirror People surge no imaginário de Rui Maia, seu mentor, no meio da América durante uma tour com os X-Wife. Um projecto a solo com um universo musical que juntasse influências do disco-sounddos anos 70 com sons actuais da música de dança. Após algumas canções em editoras influentes como Permanent Vacation, Future Disco e a portuguesa Discotexas, chega agora, e finalmente, o álbum de estreia.

Depois do enorme sucesso de "Come Over" no ano passado, a segunda canção de avanço é "I Need Your Love", o novo single do disco de estreia "Voyager", editado a 23 de Fevereiro pela NOS Discos.

"Voyager" é o título perfeito para este longa duração de Mirror People. Escrito ao longo de 2 anos e tendo como epicentro o seu estúdio em Lisboa, Rui Maia contou com a colaboração de diferentes artistas espalhados pelo mundo.

Da dança de Manchester com Rowetta (dos Happy Mondays) em "Telephone Call" até ao funk de Chicago com James Curd (DFA Records) em "Look Out", passando peloitalo disco dos Hard Ton em "Dance The Night Away", fechamos a rota internacional com um toque de melancolia polaca ao som da voz de Iwona Skwarek em "Come Over" e "Nothing to Give”.

Amigos portugueses, Maria do Rosário em "I Need Your Love" e "Foolish Man" e Rodrigo Gomes (Thunder & Co) em "Ruby Went Out Dancing" também participam nesta "viagem", que é o resultado musicalmente variado entre várias personalidades, que tem como base a visão de Rui Maia enquanto produtor e escritor de canções.

Produzido por Rui Maia, misturado por Zé Nando Pimenta (Meifumado Studios) e masterizado por Pedro Chamorra (Arroios Sound Machine), “Voyager” está já disponível para download gratuito em www.nosdiscos.pt . A 2 de Março chegará a todas as plataformas online e em breve às lojas em formato físico.

TIAGO SOUSA COM NOVO DISCO











Coro das Vontades um disco com música de Tiago Sousa e textos de Joana Rosa, Inês Leitão e Paulo Carvalho

O Coro das Vontades é o novo disco de Tiago Sousa. A edição desta obra comissariada pelo Teatro Maria Matos, será assinalada com um concerto no teatro lisboeta no dia 8 de Abril, momento em que o CD será oferecido a todos os que assistam ao concerto de lançamento. Os bilhetes estão à venda nabilheteira on line.

Em antecipação, Tiago irá enviar O Coro das Vontades, em formato digital, a todos os subscritores da sua newsletter no final deste mês, Fevereiro.

Teatro Maria Matos 8 abril 22h
Do coro das vontades a um piano nas barricadas

Em julho de 2012, o Teatro Maria Matos apresentou Coro das Vontades, uma obra de Tiago Sousa criada no âmbito do Dia do Manifesto e baseada em diversos manifestos recolhidos junto do nosso público. Voltamos neste dia a essas palavras e músicas para refletir sobre a relação entre a arte e a política, demonstrando a contínua validade do resultado dessas intenções. A partitura, com novos arranjos, e um inédito, foi entretanto registada num disco que será neste dia oferecido a todos os que assistam ao concerto. Como complemento ao Coro das Vontades, Tiago Sousa irá oferecer -nos algumas preciosidades nunca tocadas ao vivo até hoje: a sua música para filmes — Bibliografia, de Miguel Manso e João Manso, e Canal, de Rita Nunes — e o seu magnífico dueto com Tó Trips em A Conquista do Pão, para a compilação dos 1 anos do Bodyspace. E porque é sobre um futuro melhor que sempre fala a música de Tiago Sousa, a noite encerrará com a estreia absoluta de novos temas que também integrarão Um Piano Nas Barricadas — álbum a editar no final deste ano. Um palco cheio de música, palavras e imagens, partilhadas por músicos e convidados especiais embrenhados em convidar -nos a participar na mudança.

O Coro das Vontades, originalmente comissariado pelo Teatro Maria Matos, e aí apresentado no Dia do Manifesto a 14 de Julho de 2012, parte da criação de dois finlandeses, Tellervo Kalleinen e Oliver Kochta-Kalleinen, que em 2005 organizaram o primeiro Complaint Choir na cidade de Birmigham. Os artistas decidiram disponibilizar o conceito na Internet em open source. Os coros de queixas começaram a emergir em todo o mundo: Helsínquia, Hamburgo, São Petersburgo, Melbourne, Jerusalém, Budapeste, Chicago, Florença, Vancouver, Singapura, Copenhaga, Filadélfia, Milão, Hong Kong, Tóquio, Roterdão. A convite do teatro lisboeta, Tiago Sousa propõe uma abordagem a este conceito.
Partindo de textos enviados pelo público do Teatro Maria Matos, Tiago Sousa e Joana Rosa criaram este espectáculo a partir de questões levantadas pelos manifestos e chegaram à ideia de separação. Da separação inerente à condição do cidadão, que entrega o seu poder à esfera política, à separação entre autor e público, nos seus papéis de emissor e receptor.

À ideia iluminista que vê o Autor como um agente de intelectualidade, ou de sensibilidade, vedada ao público comum, ignorante da arte enquanto prática, propõe-se a ideia de que tanto o autor quanto o espectador são emissores e receptores de ideias, potenciais criadores de um diálogo dinâmico de partilha.

Os autores propõem a oposição desse sujeito pensante que se reconhece como tal separado de sentido e de corpo, a um novo sujeito pensante que se expressa pela via da acção. Exercendo-a sobre si mesmo e sobre os outros.

Créditos:
conceptualização, piano e composição Tiago Sousa
conceptualização, edição e escrita de textos Joana Rosa
clarinete soprano Ricardo Ribeiro
violoncelo Ulrich Mitzlaff
soprano Beatriz Nunes
actriz Inês Nogueira
uma encomenda Maria Matos Teatro Municipal

THE CITIZENS EM ACTIVIDADE


















Esta semana os The CityZens regressam também à estrada:
28 Fev. 18:00 - Fnac Gaia
28 Fev. 22:00 - Fnac Marshopping
14 Mar. 22:00 - Sabotage Club, Lisboa, com Go!Zilla (IT) + Glockenwise (PT)
15 Mar. 17:00 - Fnac Chiado
28 Mar. 22:00 - Crú Espaço Cultural, VN Famalicão

www.facebook.com/thecityzens.pt

DESTAQUES DA SEMANA

SANTO NO ALTAR

ANDORINHA (c/ EXPEÃO) - Deau

Para ouvir todos os dias desta semana

DISCO RECORDAÇÃO
MÁSCARA - Expeão
(Indigo Produções)

Para ouvir um tema diferente todos os dias desta semana

NO SALÃO BRAZIL





Quinta, 26 Fevereiro, 22h00
NORTON

Sexta, 27 Fevereiro, 22h30
B FACHADA

Domingo, 1 Março, 17h00
TERROR EMPIRE + DESTROYERS OF ALL + REVOLUTION WITHIN

Salão Brazil, espaço do Jazz ao Centro Clube
Largo do Poço, Coimbra
Telf. 239 837 078
salaobrazil@gmail.com
Salão Brazil no facebook

domingo, 22 de fevereiro de 2015

LISBON KID - "EVENT HORIZON" FEAT HAFDIS HULD

ESTA SEMANA NO SANTOS DA CASA














Entrevistas:

15.02.24 19h00 - JIMMY P
15.02.26 19h30 - NORTON

Para ouvir nos 107.9fm da Rádio Universidade de Coimbra ou em emissao.ruc.fm

sábado, 21 de fevereiro de 2015

PROGRAMA DE 21/02/15

1 - Gonçalo - O tuga
2 - Coclea - Love
3 - Dead Combo - Povo que cais descalço
4 - Los Saguaros - Django
5 - Norberto Lobo - Fran
6 - Grutera - O que lhe diria
7 - Rita Braga - Gringo in São Paulo
8 - Luísa Sobral - Clementine

9 - Plaza - All together
10 - MAU - Off to berlin
11 - The White Haus - Far from everithing
12 - Norton - Drifting ballet
13 - Tracy Vanal - Ex-codes
14 - Xinobi - Mom and dad
15 - Sequin - Flamingo
16 - Leat - U.R.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

PROGRAMA DE 20/02/15

1 - Bia - Monopólio
entrevista Beatriz Noronha (Bia)
2 - Bia - Sou de uma ilha
3 - Luísa Sobral - O engraxador 
4 - Rita Braga - Gringo in São Paulo
5 - Real Combo Lisbonense - Boneca de pixe
6 - Pop Dell'Arte - Illogik plastik
7 - Batida - Tá doce
8 - Mirror People - I need your love
9 - Os Capitães da Areia - A célebre batalha de Cassiopeia (com os Capitão Fausto)
10 - Ana Cáudia - Riso

MOPHO AO VIVO


















Dia: 28 de Fevereiro de 2015
Local: ARCM (Ass. Rec. e Cultural de Músicos de Faro)
Rua do Castelo 2, 8000 Faro, Portugal
Latitude : 37.011541 | Longitude : -7.933835

Abertura de portas: 21h30
Início dos concertos: 22h00
Bilhete – 4€

EM TORRES VEDRAS


AIRES & RUI P. ANDRADE EDITAM DISCO



















Depois dos respectivos álbuns de estreia a solo, os dois músicos madeirenses juntaram-se para uma colaboração num género que ainda que presente nos dois percursos, manifesta-se como pouco explorado, o noise. Gravado sob o formato jam, o disco, “Pânico-Ambiente”, é o resultado de abordagens distintas ao género: por um lado o recurso ao processamento em tempo real do sinal captado via microfones de contacto, por outro lado os sintetizadores. Com pouco mais de 30 minutos de duração, o disco é constituído por duas faixas onde predomina o ruído maquinal em oposição a tímidas investidas de ordem . O disco foi lançado em formato digital e físico pelo Colectivo Casa Amarela, do qual os dois músicos fazem parte. O artwork foi feito por outro membro do colectivo, Mafalda Melim.

O álbum está disponível para escuta e download nos seguintes links:

https://casaamarela.bandcamp.com/album/p-nico-ambiente
https://aires.bandcamp.com
http://ruipandrade.bandcamp.com/

Aires é o pseudónimo de um sonoplasta madeirense no activo desde meados da década passada. O projecto Aires tem apenas alguns meses de existência, no entanto representa anos de experimentação em áreas tão distintas como os sons digitais, samples e field recordings. O disco homónimo de estreia, lançado em Fevereiro de 2014 pela Enough Records, mostra essa evolução sonora em 30 minutos, divididos por três faixas e por um interlúdio.

Nascido em 1993, Rui P. Andrade é um produtor e sonoplasta madeirense. Foi parte integrante do trio de Noise/Black Metal Ecos, com os quais acrescentou três trabalhos à sua discografia. Mais tarde, da colaboração com Nelson P. Ferreira, editou “Ponta Gorda” e “White Mother”. É com base em guitarra e utilização de field recordings que tem vindo a construir a espinha dorsal dos seus registos. “Vessels” marcou o seu primeiro passo a solo, tendo sido lançado pela BRØQN em Dezembro de 2012.
 

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

NO GNRATION EM BRAGA


ANTÓNIO CHAINHO - "APRENDER A SORRIR"

OUTONALIDADES






Terminado o prazo de inscrição de grupos, foram 266 as candidaturas recebidas para a 19º edição do OuTonalidades - circuito português de música ao vivo, que percorrerá Portugal no próximo Outono. Segue-se agora a fase de pré-selecção, com o apoio de inúmeros Conselheiros. Simultaneamente, abre o período de adesão de Espaços de música ao vivo interessados em acolher os concertos do OuTonalidades 2015!

Oficialmente encerrado o período de candidaturas, os grupos candidatos passarão agora por uma pré-selecção, por forma a constituir-se a bolsa restrita de grupos que será disponibilizada aos Espaços de música ao vivo que, por todo o país, acolherão os concertos do 19ª OuTonalidades, circuito coordenado pela d’Orfeu. Em 2015, será ainda reforçada a estratégia de colaboração com outros circuitos e festivais, tanto no estrangeiro como em Portugal, pelo que as oportunidades do circuito, este ano, vão bem além do Outono!

Os 266 grupos inscritos nesta fase prévia, cujo processo decorreu no portal web do OuTonalidades, são maioritariamente portugueses (169) mas também há 97 grupos estrangeiros (que se propõem realizar intercâmbios com o circuito português nos seus países) de Espanha, França, Itália, Bélgica, Holanda, Reino Unido, Suécia, Dinamarca, Alemanha, Roménia, Israel, Marrocos, Canadá, México, Brasil e Argentina.

Reforçando uma prática das edições anteriores, para o processo de pré-selecção de grupos a d’Orfeu está a convidar vários músicos, jornalistas, produtores e programadores do meio cultural, que serão os Conselheiros do OuTonalidades 2015.

Paralelamente, decorre já o período de inscrição dos espaços de música ao vivo (cafés-concerto, bares de teatros, espaços culturais associativos e pequenos auditórios) interessados em acolher concertos da 19ª edição do circuito português de música ao vivo. O processo de adesão e, brevemente, de agendamento e programação dos grupos desenrola-se na plataforma webhttp://www.dorfeu.pt/outonalidades.